la_ca_1216_osage_county

Diz a sabedoria popular que família é tudo igual. Talvez venha daí a sensação de alívio após assistir a “Álbum de Família”. Isso porque o filme, que tem um elenco recheado de estrelas como Meryl Streep, Julia Roberts e Ewan McGregor, retrata um núcleo familiar desunido e cheio de ressentimentos, que felizmente se distancia bastante do dia a dia de muita gente.

Segunda empreitada no cinema do diretor John Wells, que tem uma carreira dedicada principalmente a seriados de TV, a película acompanha a família Weston, que precisa se reunir depois que o pai desaparece sem motivo. Para tentar localizá-lo e fazer companhia para a mãe, as filhas do casal voltam para sua terra natal no Meio Oeste americano. Mas o que deveria ser um encontro reconfortante traz à tona desabafos, discussões e segredos que mostram que por dentro a grama do vizinho é mesmo sempre menos verde.

Baseado em uma peça do dramaturgo Tracy Letts (que também ficou responsável pelo roteiro), o filme não nega suas raízes teatrais ao se concentrar nos ótimos diálogos e nos embates entre os familiares. Por isso, o elenco estelar é o principal destaque. É hipnotizante a forma como os doze atores “principais” estão completamente entregues às fragilidades e deficiências de seus personagens, dando-lhes humanidade em caracterizações que poderiam facilmente descambar para a caricatura. A forma como o roteiro costura as relações familiares torna todos essenciais para a narrativa, sendo uma tarefa árdua criar uma escala de importância entre eles.

Porém, usando como referência as indicações de Meryl Streep e Julia Roberts ao Oscar, é correto afirmar que a dupla é mesmo a espinha dorsal do filme. A primeira como Violet, a mãe com câncer viciada em medicamentos, e a segunda como Barbara, a filha que se mudou pra longe da família e que retorna ao interior enquanto seu próprio casamento desmorona. É desta relação despedaçada, marcada por feridas nunca cicatrizadas, que explodem confissões cheias de mágoa e que obrigam as atrizes a navegar do afeto à loucura em poucos segundos e dentro de uma mesma cena. Um espetáculo que vale cada centavo do ingresso!

Ainda que aqui e ali surjam risadas pontuais, principalmente graças às farpas irônicas e sarcásticas trocadas pelos personagens, os risos parecem funcionar muito mais como reações nervosas à tensão da história. Confinados em uma casa do meio do nada, a sensação é de que os personagens estão sempre desconfortáveis e, como o filme bem define, em um “estado de aflição espiritual” que só aumenta com o calor insuportável do lugar.

Com isso, fica a dúvida de por que “Álbum de Família” concorreu ao Globo de Ouro entre as produções de comédia. A explicação mais sensata é a de que o estúdio inscreveu o filme na categoria para garantir indicações a Meryl Streep e Julia Roberts em um ano em que a disputa entre os dramas já estava muito acirrada. Um artifício baixo que não precisaria ser utilizado, já que os desempenhos das atrizes estão entre os melhores de suas carreiras.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Will Poliveri
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Aniversário de Bauru tem programação cultural on-line com 18 apresentações artísticas

Neste ano, durante o aniversário de Bauru, a população poderá aproveitar muitas apresentaç…