fundo-sanduiche-bauru07

A partir da ideia de dois organizadores, que decidiram montar uma feirinha gastronômica em São Paulo, o cheff de cozinha, Pedro Carvalho, viu a sua vida mudar. Comum em grandes cidades do mundo como Nova Iorque e Paris, essas feirinhas reúnem comidas da alta gastronomia em locais mais simples, geralmente, no meio da rua. “Está muito caro comer em restaurantes em São Paulo e, por causa disso, surgiu essa ideia de duas pessoas de lá em fazer uma feirinha gastronômica, na Vila Madalena, que reúne umas 20 barraquinhas. Eles vendem de tudo: comida indiana, mexicana, tailandesa, e é realizada em um dia no mês”, conta Pedro.

E foi aí que, em razão do cansaço de trabalhar 18 horas por dia em um restaurante na ‘terra da garoa’, que o cheff decidiu se arriscar. Ao perceber que o lanche Bauru, que foi inventado em São Paulo, estava se perdendo e que poucas pessoas o conheciam, Pedro teve a ideia de servi-lo, de uma forma diferente, em sua barraca.

“Pensei: ‘se eu pegar as técnicas de gastronomia, já que sou formado, e reinventar o lanche ou aprimorá-lo e colocar para vender, vai ser uma ideia legal!’ Foi aí que chamei dois amigos que também estavam cansados da vida de trabalhar em restaurante, trabalhar 18 horas por dia, e montamos um projeto nosso. Criamos a logo e apresentamos para os organizadores da feirinha”, diz.

Depois de um ano nesse projeto, Pedro decidiu voltar para Bauru e montar a sua barraca em uma feira da cidade, que acontece toda quinta-feira, próxima à Avenida Getúlio Vargas. “Eu tirei a licença de feirante para vender alimentos e ofereço o meu lanche. Nesse trailer, eu tenho a proposta de vender uma comida de rua de altíssima qualidade, do mesmo jeito que já existe em São Paulo e outras cidades. Trago o Bauru e outros lanches com uma outra proposta”, afirma.

Além de a comida ser diferenciada, o lugar é um resgate à infância e traz elementos vintage em sua decoração. E atenção: toda semana o cardápio muda e novos lanches são servidos!

fundo-sanduiche-bauru01

Por que experimentar?
“Eu já comi bastante ‘Bauru’ em diversos lugares e o que muda do meu lanche para os demais é o rosbife e o picles. Na minha opinião, o rosbife dos outros lugares é muito passado, meio ressecado. Já eu uso uma outra técnica que é a vácuo em baixa temperatura. Assim, a carne fica no ponto certo e super macio. Também acredito que nenhum lugar prepara o próprio picles como eu faço. Eu produzo do mesmo jeito que os ingleses desenvolveram o pepino em conserva. Até o pão foi escolhido ‘a dedo’! Visitei todas as padarias de Bauru, experimentar e pesei cada um até achar esse que eu considero o melhor. Mas não é porque tem os melhores produtos e todo esse cuidado, que eu vou cobrar um preço absurdo, como acontece em São Paulo. Foi por causa disso que surgiram essas feirinhas gastronômicas e que eu pretendo começar em Bauru”, conta.

Serviço
Local: Feira dos Orgânicos em Bauru na Praça Nabih Gebara
Horário de funcionamento: das 16h às 20h
Média de preço: R$ 10,00
Instagram: @dofundodobauru
Para saber mais, acesse: www.facebook.com/dofundodobauru

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Gastronomia
...

Verifique também

#TeamPassas: Dicas de receitas para até quem odeia uva passa curtir!

Se tem algo que gera mais briga nas festas de final de ano é a uva passa. Não existe rinha…