.
 

Na inauguração desta nossa coluna no Portal Social Bauru, pensamos em abordar um tema que fosse bastante significativo para a cidade de Bauru, tanto para os moradores de outrora, quanto para os jovens de hoje.

A rua Batista de Carvalho foi uma das primeiras vias abertas nos primórdios da célula de urbanização daquele rincão que se tornaria a conhecida e importante cidade Sem Limites. Esta rua foi aberta no final do século XIX e, até 1904, era conhecida pela alcunha de “rua dos Esquecidos”, quando o então prefeito Gerson França a denominou rua Batista de Carvalho.

A partir daí, passou a receber muitas lojas, dos mais variados ramos: secos e molhados (Casas Ribeiro, Lusitana), tipografia e livraria (Tipografia e Livraria Brasil), discos (A Discoteca de Bauru), calçados (Casas Burgo, Pagani e Dinar), açougue, banco (Commercial, Commércio & Indústria), eletrônicos e som (Loja do Sol), tecidos (Paulistana, A Tropical, Pernambucanas), padaria e confeitaria (Lalai), armarinhos (Ao Tricot), hotel (Cariani), farmácia (Drogasil), vestuário (Casas Carvalho, Yara, Regional Clipper, Meias), ferramentas (Casa Rasi), dentre outras.

Como o maior centro de atratividade do comércio, a rua Batista passou a receber um tráfego cada vez maior de pessoas e veículos, sendo o maior polo de negócios da cidade. Nos anos 1980 e e início de 1990, era comum que aos sábados, e também na época do natal, a rua Batista fosse fechada ao tráfego de veículos, passando a ser utilizada somente pelos pedestres. A experiência sempre foi muito bem recebida por cidadãos e comerciantes. Muitas pessoas entendiam que esse fechamento aos veículos deveria ser permanente, com a instituição do calçadão. No entanto, boa parte dos comerciantes se posicionava de maneira contrária, pois entendiam que com o fechamento permanente da principal via de comércio da cidade, seus negócios seriam severamente afetados. Esse debate do “fecha-não fecha” perdurou por longos anos.

Apesar de já reconhecer o êxito desta implantação de ruas exclusivamente para pedestres em algumas cidades brasileiras (Curitiba e São Paulo), havia sempre o medo do seu insucesso.

Por volta de maio de 1992, o então prefeito Izzo, cansado do vai e vem do inconclusivo debate sobre o fechamento da Batista, e movido por uma visão de vanguarda, tomou a decisão. A rua Batista se transformaria em uma via onde só se poderia andar a pé.

.
 

Assim, em um sábado, após o fechamento do comércio que, à época, ocorria às 13 horas, o prefeito ordenou que as máquinas entrassem na Batista e quebrassem todo o asfalto. Como na época não existia a rápida e eficiente comunicação hoje existente, as pessoas só ficaram sabendo do ocorrido quando chegaram para a abertura do comércio na segunda-feira pela manhã. Foi um choque para todos. As rodinhas costumeiras da Batista não falavam em outro assunto que não fosse o calçadão.

Em 21 de agosto de 1992, foi inaugurado o calçadão da Batista. Ele é o shopping center mais democrático e popular da cidade, onde as pessoas se encontram, passeiam, fazem compras, se manifestam, sem o medo de serem atingidas por veículos. Em 2015, ele completou 23 anos. Quem é que pode, hoje, imaginar a Batista sem o calçadão? Às vezes, certas decisões precisam ser tomadas pelo poder público, ainda que possam parecer impopulares, para promover melhorias no ambiente urbano. A história saberá reconhecer os acertos e os erros. No caso do calçadão da Batista, o acerto foi total. Aliás, ele deveria ser expandido.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Archimedes Azevedo Raia Jr
Carregar mais em Cultura
...

Verifique também

10 atividades gratuitas de Carnaval para aproveitar no Sesc Bauru

Quem acha que para curtir o feriadão do Carnaval é preciso sair de Bauru está muito engana…