casa do hip hop home

Desde sua inauguração na Antiga Estação Ferroviária, há um ano, muita coisa mudou. Hoje, a Casa do Hip Hop de Bauru atende, em média, 500 pessoas por mês entre projetos internos e externos, oferecendo um vasto repertório de oficinas e atividades.

Ao todo, são 22 oficinas, tanto culturais quanto profissionalizantes, e um cursinho pré-vestibular para alunos oriundos de escolas públicas. Para Renato Magu, coordenador geral da Casa, “a questãoo do Hip Hop por si só já é muito importante, porém tínhamos também a necessidade de geração de renda e de colocar outros coletivos para ocupar o espaço, possibilitando maior amplitude e diversidade na Casa”.

A Casa da Cultura Hip Hop é gerenciada pelo Ponto de cultura Acesso Hip Hop, que também é responsável pela Biblioteca Móvel Quinto Elemento – coletivo que proporciona a distribuição e troca gratuita de livros a fim de incentivar a leitura – e a Frente Feminina de Hip Hop, que realiza debates, oficinas, saraus e rodas de conversa com o objetivo de discutir o papel e importância da mulher no movimento Hip Hop.

O Ponto possui projetos de valorização com o intuito de fortalecer a cena local, como o projeto Rap Hour, que desde 2013 leva shows de rap de convidados de Bauru e região para dentro do Teatro Municipal da cidade, o Projeto Ensaio – que nasceu em 2011 e tem como propósito dar a visibilidade a artistas locais iniciantes e também os já consagrados – e a Estação Hip Hop, que surgiu já na Inauguração da Casa e abre espaço para convidados da cidade e da região a se apresentarem na estação ferroviária.

Nos últimos meses, esses projetos se afirmaram também como campo de resistência. Dada as tensões políticas no país, a Casa do Hip Hop de Bauru promoveu eventos, debates, e intervenções artísticas à favor da democracia e se posicionando contra qualquer retrocesso às minorias. Afirmando que como movimento de rua, não se cala diante as opressões. “Como uma organização de terceiro setor, nossa posição é clara ao pedir que toda essa crise política no país se resolva, para que nós e outras instituições possamos seguir atendendo cada vez mais nosso foco prioritário que é o povo.” comenta Magu.

Hoje o espaço também recebe diversos eventos relacionados. Em julho, foi realizado o segundo Fórum Regional de Mulheres no Hip Hop, mediado pela Frente Feminina de Hip Hop de Bauru e a Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop. O evento contou com oficinas, rodas de conversas sobre gênero, mulher no hip hop e feminismo negro. “Isso fortalece as mulheres do movimento, fortalece as que já estão no rolê, atuando ou não nos elementos, além de incentivar outras mulheres a se informarem”, afirma Rayra, da Frente Feminina. No momento, a Frente Feminina de Bauru está se organizando para participar ativamente do Fórum Nacional, que será realizado em São Paulo no próximo mês.

Para o futuro, a Casa aguarda resposta de alguns projetos em nível nacional e estadual. Alguns eventos municipais já estão em andamento, como o Projeto Ensaio que foi aprovado pelo Programa de Estimulo a Cultura e o Projeto Samba Nossa Vila, em parceria com a escola de samba Mocidade Unida da Vila Falcão e do Bloco Carnavalesco Esquadra da Indepa.

Magu define as expectativas como melhores possíveis. “A perspectiva é de crescimento. Antes era novo para todo mundo, mas neste tempo preparamos um alicerce firme para crescer com qualidade”, afirma. A casa vem conquistando espaço no cenário nacional, transformando vidas através do conhecimento, lazer e estímulo a cultura, e sendo ponto de descentralização de produção cultural e artística na cidade.

O texto é de Felipe Sousa e Luana Protazio. Para ler ele completo, acesse: Casa do Hip Hop

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Giovana Romania
Carregar mais em Cultura
...

Verifique também

Peça baseada em agudense integrante da Guerrilha do Araguaia será apresentada hoje (5)

O Grupo de Pesquisa em Teatro Visual, da DEA (Divisão de Ensino às Artes de Bauru), aprese…