Kesia e Tadeu
Kesia e Tadeu

Kesia estava sentada, aparentemente aproveitando a sombra do parque para ler um livro. No meio da conversa, ela é abraçada e sua atenção desviada. Dirijo-me então para o garotinho que interrompe a conversa e logo percebemos que ele rouba mesmo a cena. Ele me explica que seu nome é Tadeuzinho, porque Tadeu é só o seu pai. Não tem a menor timidez de conversar conosco, mas quer saber com a mãe quem somos nós. “Você gosta de vídeo game?” E ele repete a pergunta como se não soubesse o que eu estava falando: “Video game? Não! Eu gosto é de jogar futebol!”. A mãe começa a nos explicar que Tadeu é uma criança que realmente gosta de brincar. Ele pula, corre, não para um minuto e que futebol é a sua maior paixão. “Não dá para deixar ele dentro de casa o dia todo”. Seu time favorito é o São Paulo. Ele dá uma bela gargalhada quando conto que o meu é o Corinthians e já olha para o Nikolas que divide o time com ele. Aparentemente eles são campeões.

Apesar de são paulino e de gostar muito do Ganso, ele mal deixa terminarmos a pergunta de qual seu jogador favorito: “Neymar Júnior”. “Então você quer ser como ele quando crescer?” “Uhum, igual o Neymar. Jogar bola igual ele”. Tadeuzinho não para a conversa e segue brincando, pulando, correndo pelo parque para mostrar que realmente é um ótimo corredor e que faz bastante bagunça. “Uma vez eu fui pegar a bola que caiu na casa vazia do vizinho. Quando eu pulei o muro, escorreguei e bati a cabeça (mostra a cicatriz). Minha mãe não sabia nem onde ficava a geladeira, não achava nada a hora que me viu”, ele conta sobre a sua estripulia e morre de ri quando vê que todos nós estávamos rindo da bagunça dele. Kesia só complementa: “É né? Você quase matou a mamãe de susto!”.

Tadeuzinho continuou brincando, pulando e se pendurando nos brinquedos o resto da tarde. A brincadeira só acabou porque tinham que buscar a avó, que estava fazendo uma consulta na USP. Na saída, um picolé para completar a tarde e nos lembrar porque ser criança é tão bom.

Texto: Samantha Sasha
Foto: Nikolas Abiuzzi

Compartilhe!
  • Sociais de Bauru: Leônidas

    Natural de Ibitinga, Leônidas chegou até Bauru nessas idas e vindas da vida. Em sua última…
  • Sociais de Bauru: Adrielli Carla

    Com 29 anos, Adrielli vive a realidade das ruas desde os 19. O motivo? “Por causa da droga…
  • Sociais de Bauru: Lécio

    Quem passa pelo calçadão do centro de Bauru provavelmente já cruzou com Lécio. Toda concen…
Carregar mais artigos relacionados
  • Sociais de Bauru: Magrão

    Todos os dias, das 8h às 17h, ele está na porta do Bosque da Comunidade com o seu carrinho…
  • Sociais de Bauru: Ana Marta

    Quem chega para conhecer Ana Marta é recebido primeiro pelo seu sorriso. Natural de Assis,…
Carregar mais por Samantha Sasha e Nikolas Abiuzzi
Carregar mais em Comportamento
...

Verifique também

ONG com o objetivo de plantar um trilhão de árvores até 2030 planeja atividades em Bauru

Com os constantes desmatamentos e queimadas, além das emissões de gás carbônico cada vez m…