make-wish-hometopo

Quando Murillo Bueno tinha apenas seis anos, ele e sua família descobriram que o garoto tinha uma doença incurável: DMD, Distrofia Muscular de Duchenne. Por conta da doença, Murilo tem dificuldades para andar, sofre com fadiga e faz tratamento, semanalmente, na Sorri em Bauru, centro especializado em reabilitação.

As condições do garoto exige que ele tome remédios pelo resto da vida, mesmo a doença não possuindo cura. Murilo ainda enfrenta sessões de fisioterapia e hidroginástica. “É um cuidado constante. Também temos que ir para São Paulo quase sempre. Ela nos exige de forma física e mentalmente, além do bolso”, explica a mãe de Murilo. Para manter toda essa rotina, o menino de oito anos é movido por uma coisa: seus sonhos.

Foi a partir deste sonhos que a família decidiu se mobilizar e procurar a instituição Make a Wish, uma das maiores de apoio à crianças e mais conhecidas e respeitadas do mundo – são mais de 38 filiais pelo mundo. O objetivo da organização é realizar o sonho de crianças do mundo inteiro com o auxílio de uma rede de voluntários e parceiros que colaboram na parte financeira e de serviços.

Correndo atrás dos sonhos
Assim que ficou sabendo sobre a instituição “Make a Wish”, sua mãe fez questão de já inscrever o filho, Murilo. Porém, como o tempo passou e eles não tiveram retorno, ela nem imaginava que seria contemplada. “Em setembro nós recebemos uma ligação do pessoal da “Make a Wish” e eles disseram que queriam conhecer o Murilo. Fiquei muito feliz!”, conta.

E assim começou a realização do sonho: três pessoas da organização vieram de São Paulo para Bauru com o único objetivo de conhecer Murilo e sua família. O pedido da inscrição era um videogame, mas no final virou uma viagem para o Beto Carreiro World. “O Murilo sempre falou muito do Rio de Janeiro, mas também dizia que queria um videogame, passear em parque de diversões. Eles foram muito atenciosos e uniram tudo o que ele queria em uma única viagem”, explica a avó.

Foram três dias no parque, tudo com hotel, avião e sem custo algum. Ah, tudo com muita diversão: “lá tem um monte de coisa assustadora de terror e montanha-russa”, conta o menino com alegria. Ele elegeu as partes de horror como suas preferidas, e agora segue a vida rumo ao Rio de Janeiro e todos os outros sonhos que o aguardam.

Murilo é só um exemplo de tantas crianças que superam obstáculos impostos à elas sem escolha nenhuma. Mesmo com as dificuldades, é com o apoio da família e de voluntários que os sonhos de meninos como Murilo continuam vivos e prontos para serem realizados. “O Murilo é tudo para nós, nós fazemos tudo por ele. O meu único sonho é a cura”, finaliza a mãe de Murilo.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Giovana Romania
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

A primeira impressão é a que fica, os bauruenses são receptivos com os gringos?

Sempre damos mais valor à opinião dos outros do que às nossas, né? Pensando nisso, pergunt…