biblioteca-falada-topo

Você já imaginou uma biblioteca formada somente de áudios? Pois é assim que funciona o Biblioteca Falada, projeto da Unesp de Bauru, feito para os alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos. O projeto viabiliza o acesso de pessoas com deficiência visual a conteúdos escritos e tem como objetivo proporcionar acessibilidade cultural e inclusão.

“O projeto tenta, ainda que de forma humilde e reduzida, contribuir e proporcionar esta acessibilidade cultural mínima”, conta a coordenadora do projeto, Suely Maciel. Formado por aproximadamente 30 pessoas, entre elas alunos de jornalismo, psicologia, radialismo e relações públicas, além de voluntários externos, o Biblioteca Falada já produziu aproximadamente 350 produtos.

Alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos
Alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos


História do Biblioteca Falada

O projeto começou a ser desenvolvido em 2004 por um professor do Departamento de Ciências Humanas da Unesp. Quando ele se aposentou, em 2013, a professora Suely Maciel, formada em Jornalismo, atuante na área de rádio e produção sonora, assumiu o projeto.

A partir de então, o Biblioteca passou por um reformulação, mantendo a sua base, mas com duas diferenças: os tipos de produção aumentaram e os temas passaram a ser decididos diante da demanda do próprio Lar Escola. Se antes eram gravados apenas áudios de alguns livros e notícias de jornal, hoje, o projeto faz audiodescrição de filmes, livros, personagens e receitas, além de documentários. Os voluntários do projeto também fazem visitas periódicas no local e conversam com os alunos para saber qual informação eles querem acessar via áudio. Portanto, nada é decidido pelo projeto, mas sim, pela demanda dos alunos.


Como funciona a produção

Depois de elencar os assuntos que os alunos querem ouvir, os voluntários fazem uma pesquisa de levantamento de informação sobre o assunto e produzem o roteiro que será gravado.

Os conteúdos são gravados em CD e DVD e entregues aos alunos do Lar Escola, que estão fazendo uma fonoteca com as produções. Este material também é disponibilizado no site do Biblioteca Falada.

“Quando entregamos a produção, fazemos quatro cópias: uma para quem solicitou o material e mais três cópias, que ficam disponíveis no Lar. Quem faz o pedido específico tem uma cópia daquilo que solicitou”, explica Maciel.


O que é produzido

Além dos alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos, o projeto aceita demandas do Centro de Prevenção à Cegueira de Americana e de quem mais pedir, já que o objetivo é permitir a acessibilidade.

Como dito, os pedidos vão desde receitas até documentários sobre cantores como Leandro e Leonardo e personagens da teledramaturgia. Além disso, o projeto faz resumos de capítulos de novelas, notícias em geral, legislação referente aos deficientes visuais e muito mais.


Como ajudar

O melhor jeito de ajudar o Biblioteca Falada é com a divulgação, para que o projeto consiga atender cada vez mais as pessoas que necessitam deste tipo de produto.

“As pessoas com deficiência visual têm pouco acesso aos produtos. Não é cultura no nosso país trabalhar com este tipo de produção. Quando se pensa em material adaptado e acessibilidade, se pensa em braile e leitores de tela. Mas, e quem não tem acesso ao computador? A oferta de material acessível é muito restrita. Por isso, nós estamos aqui para atender quem nos procura”, informa a coordenadora do projeto.

Alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos
Alunos do Lar Escola Santa Luzia para Cegos


Além de Bauru

O projeto tem o sonho de levar a acessibilidade não só para as pessoas do Lar Escola Santa Luzia, mas para todos que necessitam.

E, alguns voluntários estão tão engajados que usaram o projeto como base para desenvolver outros tipos de pesquisa sobre o assunto. Uma aluna da Unesp, por exemplo, fez iniciação científica sobre a produção de mídia sonora acessível como pesquisa acadêmica. Já outra estudante fez um livro-reportagem sobre as pessoas do Lar Escola Santa Luzia para Cegos e, ainda, uma jovem produziu a primeira reportagem multimídia 100% acessível no Brasil sobre acessibilidade nos sites de reportagem.

Isto prova que o projeto transforma também quem está envolvido nele, como diz a voluntária Lara Sant’Ana, atuante no Biblioteca há três anos. “O projeto me ajudou a ver o quanto a nossa informação é exclusiva. Confesso que, depois destes anos participando do projeto, fica difícil pensar em produzir algo que não seja acessível para o maior número de pessoas possível”, conta Sant’Ana.

Biblioteca Falada
Para conhecer mais o projeto, acesse:
Site: www.bibliotecafalada.com
Facebook: www.facebook.com/bibliotecafalada

Compartilhe!
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

Megarrista de Bauru comemora novo espaço de salão especializado em mega hair

Para quem começou atendendo no fundo da própria casa em 2016, hoje, ter um salão amplo e “…