No belo e raro poema “Neologismo”, Manuel Bandeira presenteia-nos com o verso: “Inventei, por exemplo, o verbo Teadorar, intransitivo”. O verbo do poeta enorme não exige complemento, o homem que sonhava se ir para Pasárgada, fala de um verbo que adora sem ser adorado, uma amor não correspondido como o da Lixeratura de Luiz Vitor Martinello, “Apaixonei-me por mim mesmo e não fui correspondido”, sou fã incondicional dos dois escribas!

Em meus tempos de infância, conheci a artéria mais importante do mundo, Rua Batista de Carvalho, uma passarela de ídolos, sonhos e viagens! A Batista começa na Estação Ferroviária e termina no muro do Cemitério da Saudade! No entanto, para mim, a Batista começava na Estação de Trem e terminava no coreto da Praça Ruy Barbosa!

Aos domingos, à noite, existe dia mais triste? Minha mãe me levava à Praça da Catedral para ver a Banda, quiçá a de que Chico Buarque falou, tocar, os músicos ficavam imponentes e intangíveis naquele círculo de concreto azul e branco, tocavam marchas, tocavam músicas brasileiras, tocavam os jacarés para suas tocas, não sem antes, esses crocodilianos receberem pipocas e mais pipocas de crianças como eu, que compravam também um balão de gás, a bexiga, que ia embora no primeiro vacilo encontrar as estrelas que contemplavam a Batista de Carvalho.

Ao término da melodia da banda, minha mãe eu passeávamos pela Batista, parávamos em frente à vitrina ou vitrine da Óptica Tâmbara, agora era hora de cineminha, a loja dos Tâmbaras exibia slides com histórias infantis, entristecia-me muito ver o Negrinho do Pastoreio ou a Menina que vendia fósforos, já estava triste sem minha bexiga, os jacarés e a banda, agora mais triste com a surra que o Negrinho levava do capataz, passávamos em frente à Pizzaria Fátima, víamos os parquímetros, estacionamentos modernos da Sem Limites, uma vez vi o jogador Toninho Guerreiro, às vezes comíamos um cachorro-quente Pantera! como era feliz e triste o paradoxo Batista de Carvalho!

Semanalmente, geralmente, às segundas ou terças, minha mãe ia à minha casa e levava-me às Lojas Americanas, a festa era completa quando tinha cachorro-quente, waffle com sorvete e um “hominho” do Zorro ou do Sargento Garcia, como a Batista era linda!

Tempos depois, cresci, fiz dezesseis, dezessete e, com um grupo de amigos, frequentava a rua de baixo da Rodrigues Alves em busca de paqueras, em dar o primeiro beijo, sorrir para alguém, mostrar a minha calça nova da Zoomp, minha camiseta Ellus ou o tênis novo Rainha ou Topper! Ficávamos encostados em carros alheios e víamos as moças entrarem e saírem das Americanas, éramos metidos a Tony Manero, Danny, éramos Travoltas nos embalos de sexta à tarde nos tempos da Batista!

Como era divertido e feliz adentrar as Americanas e ver o novo disco dos Bee Gees ou do Michael Jackson e quando havia dinheiro para o cachorro-quente e um Sonho de Valsa, felicidade completa!

João Batista de Carvalho era um mineiro que veio para Bauru, tinha uma venda nessa rua, que, à época se chamava Rua dos Esquecidos, após a morte do comerciante, a artéria recebeu seu nome: Batista de Carvalho!

Hoje, aliás há vinte e quatro anos, a Batista é um calçadão, uma pena, feia, triste, suja, sem paqueras, cachorro-quente, trens, jacarés, balões de gás, banda, a Batista vive pelo neologismo: “Batistar”, mas é mais intransitiva que o “Teadorar” de Bandeira! Batistar, que já foi de ligação, unia a todos, transitivo direto, o contato era único, indireto, o contato aconteceria, hoje, é intransitivo, não tem complemento, não tem objetos, não tem sujeitos, tristemente a Batista vai acabar no cemitério!

Professor Sinuhe Daniel Preto, com saudades de “Batistar”!

As informações expressam a opinião do autor deste artigo.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

População de Bauru pode votar entre três projetos para a remodelação do calçadão da Batista

Três projetos diferentes estão à disposição para os bauruenses conhecerem e votarem. Eles …