Se você tem Instagram, provavelmente, segue amigos, famosos e pessoas que te inspiram, certo? Mas hoje em dia, também é comum encontrar entre os seguidores alguns animais de estimação. Segundo a jornalista e uma das organizadoras do Blogando (evento de comunicação e tecnologia de Bauru) Simone Bazotti, isso se deve ao fato dos pets serem o sucesso da internet.

“É uma onda que se espalha de maneira impressionante porque dificilmente as pessoas resistem às fofuras desses bichinhos. O Instagram é uma rede de compartilhamento de fotos bem atrativa e conquistou milhares de seguidores em todo o mundo e tem perfis para todos os gostos, como situações engraçadas e montagens, entre outros”, conta.

Além de ser um hobby, muitos animais estão famosos pelo mundo inteiro e o que era para ser uma brincadeira acabou se tornando trabalho. “Tem muita gente que já largou o emprego para se dedicar a esse hobby que, na verdade, é um trabalho também. No Brasil, um perfil de exemplo é da Estopinha, além do sucesso, mostra que ser cão-propaganda traz benefícios também para o dono. Muitas marcas buscam perfis e portfólios de animais para divulgar coisas relacionadas ao universo pet. É algo promissor!”, explica Simone.

Aqui em Bauru, alguns animaizinhos já fazem sucesso na rede de fotos. Conheça alguns deles e como tudo começou:

@ladymanfrinato

“A Lady era bem novinha quando criamos o Instagram. Tivemos essa ideia pelo fato de encontrarmos outros cachorros da mesma raça dela e percebermos, ali, que existiam outras pessoas também faziam isso. Na verdade, era mais uma troca de informações. Hoje virou uma brincadeira, como se fosse ela postando tudo, desde passeios a presentes. Virou uma diversão. Mas, como eu disse, na época que eu e minha esposa criamos, o principal objetivo era trocar informações sobre a raça, Spitz Alemão. Não tem nenhum fim comercial e é estritamente particular. Nunca tivemos problemas com ‘haters’(pessoas que praticam bullying virtual) e nunca nos deparamos com algo parecido. E eu acho essa ‘onda’ muito natural, principalmente em relação aos cachorros e gatos, que são mais ‘de casa’. A minha cachorra dorme junto comigo e com a minha esposa e isso é normal para nós. Não se trata de uma substituição de filho, na verdade, nós não pensamos em ter filhos ainda, mas quando isso acontecer, teremos o nosso filho e o nosso pet. Não tem nenhum tipo de substituição para isso. Eu respeito muito a opinião de todos, mas nunca tivemos nenhuma crítica em relação ao tratamento que damos para Lady. As pessoas que criticam é porque não têm nenhum pet e não sabem o quanto é bom tê-los por perto, não sabem a paz que eles trazem para casa. Mas tudo é muito tranquilo” – Fábio Manfrinato

@weare3poms

“Fiz a conta no Instagram quando comprei minha primeira cachorrinha, a Molly, em 2014. Eu fiz porque ela parece gente, faz caras e bocas para as fotos, conversa comigo com o olhar e com latidinhos, e isso me intrigava muito. Sempre quis que todos a conhecessem e soubessem o quanto ela é especial e inteligente. Encontrei no Instagram a liberdade de postar quantas fotos e vídeos dela eu quisesse, recebendo comentários e curtidas de seguidores tão fofos quanto ela. Em um primeiro momento, criei para mostrar as gracinhas da Molly, e depois dos outros dois cachorrinhos, a April e o Bruce. Aí, a quantidade de fotos no celular foi crescendo e o Instagram se tornou uma maneira de guardar as fotos dos três que eu gostava, além de poder dar informações sobre a raça para quem me perguntava. Sempre recebo mensagens perguntando qual ração dou ou se tenho dicas para pelagem, lágrima ácida, entre outras coisas. Eu adoro poder ajudar essas pessoas e o Instagram me proporcionou isso. Nunca tive esse problema, a maioria das pessoas que segue o Instagram deles são amigos que os conhecem ou são outros ‘instapets’” – Jéssica Albernaz

@irondogbauru

“Criei o Instagram do Iron em março de 2017 porque ele foi adotado em novembro de 2016 e, desde então, tem aprontado várias peripécias que eu sempre compartilhei no meu Facebook particular. Aí uma amiga sugeriu criar uma conta no Instagram para ele, contando as histórias e postando as fotos dele. Sigo outros cachorrinhos, alguns perfis de veterinários, produtos para animais e celebridades caninas como a Estopinha e o Bartho. Hoje, no Instagram do Iron, eu costumo postar fotos e algumas histórias dele mesmo. Como ele tem síndrome do abandono, no começo eu postava as atitudes dele até mesmo pedindo algumas dicas para ajudá-lo. Também posto algumas piadinhas e pedidos para cuidados com os bichinhos, para que optem por adotar ao invés de comprar. E também nunca fui criticada. Pelo contrário!” – Maria Cláudia Ribeiro

Achou a ideia legal e já quer mostrar o seu animal de estimação para todo mundo? Confira as dicas que a Simone contou pra gente:

  • Observe e registre todas as ‘fofurices’ que seu animal faz!
  • Interaja com outros perfis de bichos, chamado de ‘petworking’ nessa área.
  • Seja criativo! Essa onda de perfil animal tende a crescer e atrair cada vez mais seguidores e marcas relacionadas ao mundo pet.
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Comportamento
Comentários estão encerrados

Verifique também

Prêmio que destaca empresas e personalidades de Bauru será realizado na próxima segunda-feira (18)

segunda-feira (18) Além de destacar empresários da cidade, o Prêmio Atenção também faz um…