Foto: Douglas Reis / Jornal da Cidade

A praça é nossa e não se trata de um programa de televisão, a praça é frente da pequena Igreja de São Cristóvão, o santo que carrega Cristo, gostava de ir a essa comunidade somente em julho, pois havia a festa dos caminhoneiros, aqueles que Cristo carrega, era um encontro de motoristas, curiosos, simpatizantes, mecânicos, fiéis, cidadãos em geral, quermesse, bingo, frio, uma comunidade povoada somente em julho, praticamente!

Mudei-me com a família para o Jardim Europa, em 2000 e como uma obrigação ia à missa ou da Igreja Nossa Senhora de Fátima ou à Igreja São Cristóvão, frequentei a Igreja São Judas do Coral Santa Cecília da amiga inesquecível que me fez cantar nas missas, a regente Trindade, nome mais religioso, impossível!

Comecei a ler mais o Deus Conosco nas missas, adoro um microfone, na verdade, quereria substituir o padre e ficar falando até o final do encontro litúrgico não deixavam, ainda bem! Por conseguinte, conheci vários padres, todos amigos, Agnaldo, Carlos, Vágner, Giuliano, Rafael, sei até para que time torcem, trabalham, ajudam as comunidades, sorriem, abraçam, abençoam, suportam os fiéis mais ” folgados ” , insistentes, presunçosos, perpetuam a Jesus Cristo, eternizam a Deus!

No entanto, um domingo após o futebol da tarde e uma corridinha básica na Getúlio para manter a forma, de abacate, claro, fui à missa das sete e meia da noite do domingo, na cabeça um único pensamento: fortalecer-me para a segunda-feira e seus dias sequentes, a equipe de liturgia postava -se à entrada da São Cristóvão, entre seus fiéis membros, um novo padre, olhar oblíquo, giratório, plenamente observador, ” como chama esse padre? ” alguém indaga, ” Ricci, Padre Ricci ” , outrem responde!

A partir daquele domingo, não distingui mais se missão é uma tarefa ou uma ” baita ” missa , Padre Ricci detém a atenção de todos, seu carisma, sua fala, seu conhecimento são fora do comum, confesso, caí no conto do vigário de vez!

Padre Ricci é raro, é pessoa que ressoa, é gente inteligente e indigente ao mesmo tempo, abraça o pobre e o nobre, respeita o nada acima de tudo, pede e impede, clama e chama, Padre Ricci olha por todos e todas, sejam todos bem-vindos e bem-vindas, o DEUS CONOSCO virou DEUS COMIGO, CONTIGO, CONOSCO, CONVOSCO, COM ELES e ELAS é o pronome no nome de Deus!

Atualmente, a praça é nossa, fica à frente da Igreja São Cristóvão, no entanto, o local virou um pequeno grande santuário, há pessoas a todo momento à margem do sagrado templo, Padre Ricci e sua comunidade transformaram o lugarejo, vem gente de toda parte, gente que lota os horários das missas, até na hora do almoço, há missa , hoje não há uma festa perto de uma igreja, hoje há A Igreja que além de vários eventos e encontros, tem a Festa de São Cristóvão! As ovelhas do Bom Pastor, hoje, Monsenhor, mudaram o mundo da comunidade!

Padre Ricci foi nomeado bispo, Monsenhor Ricci, nosso padre nosso vai para outra cidade, que tristeza mais feliz, há antítese mais metafórica? Niterói significa, entre outras definições, ” água escondida “, creio que sejam nossas lágrimas por perdermos nosso santo padre, nosso amigo, nosso guia, e agora, Padre Ricci, o que será de nós sem nós?

Pensei em reclamar até ao Papa Francisco sobre a despedida do nosso outrora Padre Ricci e, agora, Monsenhor Ricci, perguntei a um fiel a quem reclamar a saudade e a ausência que teremos sem nosso pároco eterno Luiz Antônio Lopes Ricci, ele me repondeu: “Vai reclamar pro Bispo!”

A única coisa que me consola ficar sem nosso Padre nosso, sem a sua “missão” é sua fala sobre a sua missão: “Decidi querer o que Deus quer para mim!” Obrigado, Padre Dom Bispo Monsenhor Ricci!

Obrigado! Fica conosco, Senhor! Fica conosco, Monsenhor!

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Geral
Comentários estão encerrados

Verifique também

Coluna Professor Sinuhe: homenagem ao Dia dos Professores

Na coluna para o Social Bauru, o professor Sinuhe aproveita o mês de outubro, em que se co…