Pense nos trajetos que você faz diariamente. É realmente necessário usar o carro ou a moto para ir de casa para o trabalho todos os dias? Será que não é vantajoso abdicar um pouco do conforto, pelo menos uma vez na semana? Quanto economizaríamos, se andássemos de bicicleta ou a pé? Seria viável em Bauru?

Esses são alguns questionamentos de quem já pensou em deixar o carro para usar um meio alternativo de locomoção. Não é fácil gastar energia pedalando ou andando por aí. Mas o esforço se faz necessário uma vez que diminui a poluição e aumenta a qualidade de vida das pessoas.

Hoje, dia 22 de setembro, é um dia para se refletir sobre o uso excessivo dos carros. O “Dia Mundial Sem Carro” é um movimento criado na França, em 1997, e logo se espalhou pelo mundo. O objetivo da data é propor às pessoas que dirigem todos os dias reverem a dependência que criaram em relação ao carro ou a moto. Sendo assim, o desafio é experimentar, pelo menos nesse dia, formas alternativas de mobilidade.

Viabilidade em Bauru

Se você já pensou em usar a bicicleta, por exemplo, como meio de transporte, se deparou com alguns obstáculos à sua frente. Vivemos em uma cidade com subidas íngremes e altas temperaturas, pontos negativos para os ciclistas e pedestres.

Outro ponto que se torna um problema é a cultura no trânsito. Ciclistas e pedestres são invisíveis aos olhos de quem enxerga pelos para-brisas e o respeito fica preso em meio ao congestionamento dos automóveis. O bauruense Isaac Loureiro utiliza a bicicleta como meio de transporte e conta o que já passou no trânsito como ciclista.

“Ao todo, pedalo aproximadamente 10 quilômetros por dia e é já foi mais complicado pedalar nas ruas em Bauru. Quando você tem zero experiência é difícil, mas depois, adquirindo um pouco de costume, facilita. Como ciclista, já passei por situações de tentativa de agressão e atropelamento proposital há alguns anos”, conta Isaac.

Pensando em uma cidade com trânsito ideal para os ciclistas e pedestres, perguntamos ao Doutor em Engenharia de Transportes, Archimedes Raia Jr., o que deveria mudar em Bauru. Para ele, o trânsito ideal não existe, efetivamente, mas aplicar uma lei de mobilidade sustentável melhoraria muito.

“A cidade precisa se adequar à Lei 12.587/2012, que trata da mobilidade urbana sustentável. Necessário implantar um programa, devidamente desdobrado em ações, visando à educação para o trânsito, promovendo uma sólida cultura de segurança. Isto produzirá comportamentos responsáveis e seguros, promovendo a segurança dos deslocamentos, principalmente, com relação aos modos mais vulneráveis: a pé e por bicicleta”, diz.

Bauruenses sobre rodas

Apesar dos obstáculos, alguns bauruenses ainda acreditam nos benefícios e pontos positivos dos meios alternativos de transporte. Daniel Amaral usou a bicicleta para trabalhar durante seis meses e, com a mudança, conseguiu até juntar dinheiro para viajar.

“Comecei a economizar dinheiro quando parei de fumar. A bicicleta surgiu para controlar a minha ansiedade e realmente fez diferença no bolso. Eu já tinha parte do dinheiro para viajar até Machu Picchu, o restante veio desses meses de pedal”, relembra.

Devido ao trabalho, Daniel voltou a utilizar o carro, mas conta que tentar compensar o uso. “Trabalho em uma sala comercial sem chuveiro e preciso visitar clientes, infelizmente não é mais possível utilizar a bicicleta. Mas, sempre que posso, compenso no final de semana pelo menos”, diz.

Já Isaac conta que além de economizar, ele aproveita a troca do carro pela bicicleta para fazer atividade física. Para quem está pensando em estacionar o carro de vez, a dica do ciclista é investir em equipamentos de segurança.

“Use capacete e luvas e pesquise sobre como pedalar na cidade (sinalização, preferências, etc). Tente se imaginar sempre no lugar do motorista sobre visibilidade, velocidade e dinâmica de trânsito, ajuda muito para prever problemas ou saber onde se posicionar melhor nas situações. Pedale, cada dia mais e mais longe”, sugere Isaac.

Bauru mais saudável

A bióloga Thais Lemos explica que a poluição do ar é a consequência mais preocupante do uso de carros, motos e utilitários. “Eles são responsáveis pela emissão de poluentes atmosféricos como o Monóxido de Carbono (CO), um gás sem cor nem cheiro, que quando no organismo se associa à hemoglobina, provocando dor de cabeça e redução da capacidade respiratória. Em altas concentrações, provoca asfixia e pode até matar”, diz.

Por isso, é importante que não só no “Dia mundial sem carro”, mas que em todos os outros dias do ano, o uso dos automóveis seja repensado. Segundo a bióloga, um dia inteiro sem carro nas ruas seria necessário para diminuir de forma expressiva a poluição do ar e traria ótimas consequências.

“Aproximadamente, 90% dos poluentes presentes no ar advêm dos veículos. Com o ar mais puro, as pessoas poderiam eliminar as matérias tóxicas presentes nos pulmões, o sangue seria mais bem oxigenado. Assim, a circulação sanguínea e o sistema imunológico seriam beneficiados. Além disso, com o ar menos poluído, as pessoas se sentiriam melhor, diminuindo o estresse”, afirma Thais.

Participe como puder

Mesmo que, para você, trocar o carro pela bicicleta no dia a dia seja inviável, há algumas ações que contribuem para diminuir a poluição do ar em Bauru. Confiras as dicas da bióloga Thais Lemos.

– Evite usar o carro para rotas curtas; dê preferência por ir a pé;
– Busque meios alternativos de locomoção quando possível, como a bicicleta, e até mesmo o transporte coletivo, que apesar de também emitir poluentes ao Meio Ambiente, pode locomover maior número de pessoas;
– Ofereça carona aos vizinhos mais próximos que vá a algum lugar perto do seu destino. Assim, ao invés de dois carros poluindo, teremos um só. Além disso, dividir o combustível fica mais viável financeiramente para ambos;
– Quando for comprar um veículo, observe os selos e as características de consumo. Os motores mais modernos são mais eficientes, consumindo menos combustível, poluindo menos o Meio Ambiente, além de terem melhor desempenho quando comparado aos projetos anteriores;
– Para os carros flex, opte por utilizar etanol. O álcool libera menos gases poluentes na atmosfera por ser derivado da fermentação da cana-de-açúcar. Comparado à gasolina, a queima do etanol produz em média 25% menos monóxido de carbono (CO) e 35% menos óxido de nitrogênio (NO) que a gasolina;
– Realizar inspeções periódicas nos veículos, observando o sistema de exaustão, escapamento e catalisadores. Estes itens são responsáveis pelo controle de ruídos e, principalmente, para o controle da emissão de poluentes.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

Bauruense participa de quadro “The Wall” no Caldeirão do Huck que vai ao ar neste sábado (27)

Conhecido como “The Wall“, o quadro do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo…