O mundo fashion não para nunca. Entra estação, sai estação as tendências estão sempre mudando e todo mundo sai em busca da peça do momento para estar sempre na moda- mas nem sempre isso é possível.

Estamos passando por momentos polêmicos em relação às trends que estão por vir. Sapatos de borracha com salto alto e as calças de cintura baixa, que fizeram sucesso nos anos 2000, são algumas delas. Será que essa moda vai sair das passarelas e chegar às ruas bauruenses?

Conversamos com as blogueiras Tamylin Ellen e Mayra Ferraz, do Bazar BD Fashionista, para comentar sobre seis tendências e se a moda pega aqui em Bauru. Confira!

Vichy

Essa estampa é um dos tipos de xadrez existentes e lembra aquelas toalhas de piquenique, já que a divisão de cores é mais definida. Apesar da comparação, o vichy é bem fofo e uma das tendências que já está em alta segundo a blogueira Tamylin Ellen.

“A estampa aqueceu meu coração e acredito que ela já pegou. Com certeza chega em Bauru para a galera mais antenada. Como ela é um tipo de xadrez, talvez de início as pessoas estranhem, mas depois que entenderem que ela pode ser uma ótima aliada para dar um toque elegante ao look, vão aderir”, comenta.

Crocs de salto

Aqui em Bauru, o sapato teve seu boom há algum tempo e, hoje em dia, não é visto com frequência pelas ruas da cidade. O fato é que a marca renomada Balenciaga resolveu apresentar os sapatos de borracha na Semana de Moda de Paris para a primavera-verão de 2018, e com uma novidade – o salto alto. Se antes, o Crocs já causava polêmica, imagina agora, com dez centímetros a mais.

“O modelo principal do Crocs nunca agradou a todos pelo design, que foi desenvolvido pra ser confortável e funcional. Bom, nisso ele conseguiu atingir seu objetivo. Tão funcional que algumas profissões e lugares até aderem ao modelo como uniforme. Na minha opinião, um Crocs de salto triplo é que parece um show de horrores! (risos). Não só na minha, mas na de uma profissional que, há muito tempo, participa e tem o olhar afinado para a moda, que é a jornalista Lilian Pacce. Ela traduziu bem o que parece ser a intenção toda da coleção da Balenciaga e revelou dois pontos para explicar essa possível tendência. Primeiro, a exploração do feio como expressão de extremismo. Segundo, o desespero por originalidade num mundo saturado, citado por ela como ‘imposição de uma contemporaneidade e uma hipsteria que não se questiona’. E concordando muito com essa segunda definição acho que o máximo que pode influenciar na vida dos consumidores de moda, é uma boa ação de marketing pra marca Crocs, que vai ser relembrada, e talvez consumida do modo original mesmo, sem saltos”, esclarece Mayra.

Calça de cintura baixa

A calça jeans com cintura baixa foi a grande culpada pela marca em muitos corpos femininos. Apesar disso, ela marcou toda uma geração e ficou em alta uns bons anos entre 1990 até meados dos anos 2000. Segundo a blogueira, Mayra Ferraz, a peça marcou o mundo pop e representava o poder de sedução das mulheres. Além disso, ela completa dizendo que a tendência vai para as bauruenses que se sentem bem com o modelo.

“Acredito que por conta da valorização das novas formas que tem assumido desde o ano passado, seja natural explorar a peça até que chegue nessa tendência. Mesmo com muitos, mas muitos contras mesmo, a cintura baixa acompanhou uma década e representava todo o poder de sedução que as mulheres queriam quando eram usadas pelas artistas. Porém, o consumo de informação também evoluiu para um patamar mais consciente e, hoje, o empoderamento tem muito mais vertentes pra ser reduzido só à sensualidade. Essa consciência vai fazer as pessoas lembrar-se dos contras e se empoderarem de outras formas. Quem se sente bem com a altura da calça vai ter esse remember, com certeza. Fica o apelo aí para as marcas: aperfeiçoem essas modelagens queridos!”, diz.

Brinco de strass

Todo mundo já passou pela fase de usar muito brilho e o strass era protagonista de brincos, pulseiras e até presilhas em formato de coroas. Para Mayra, o brilho sempre está em alta e a tendência só muda de lugar, formato e intensidade.

“Todas as temporadas arrumam um bom argumento pra usar o brilho em alguma parte da coleção. A aceitação do público é ótima! Acho que não só pega, como já vem aparecendo nos posts de beleza, em maxibrincos com muito brilho e rococó, anéis cravejados e botas com glitter. A novidade de 2018 para essa tendência são os acessórios over, que vêm como proposta de grifes como Area e Jeremy Scott. Porém, essas peças não costumam ter muitos adeptos principalmente em cidades menores. Além de tudo, é uma questão de estilo e preferências pessoais”, explica.

Palha

O material aparece nos mais diversos acessórios como chapéus, bolsas, sapatos, entre outros. Apesar de remeter a uma moda mais praiana, a palha pode – e deve – ser usada em looks urbanos: é só misturar com peças como as calças jeans e as t-shirts.

Para a blogueira, além de combinar com as bauruenses essa é uma tendência que valoriza o artesanato. “Cada vez mais o trabalho artesanal tem sido valorizado, mas é importante lembrar dos artesãos que encontramos em feirinhas na hora de aderir à moda. Com essa mania de ‘gourmetizar’ tudo, acabamos nos esquecendo das raízes. Essa é uma tendência que acho super bacana de inserir no look urbano, a dica é mesclar peças do dia a dia para fugir do look praiano”, diz Tamylin.

Viseira

Apesar do intenso calor bauruense e o sol de rachar coco, a viseira é um acessório difícil de ser encontrado desfilando pelas ruas da cidade. “O sportsy já pegou pelo Brasil todo, mas a viseira é um item desse estilo que não sei se chega aqui e talvez nem em São Paulo. Eu consigo imaginar as garotas do litoral usando, não só na praia, mas acredito que por aqui talvez as pessoas passem a usar em situações mais esportistas e não em looks urbanos”, acredita Tamylin.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Comportamento
Comentários estão encerrados

Verifique também

FIB apresenta curso de Administração com foco em empreendedorismo

Um dos aliados na hora de abrir o próprio negócio é a base teórica e, para isso, o curso d…