O aluno me pergunta qual o coletivo de pobre, diante de minha surpresa e pensativa resposta, vocifera de supetão: Ônibus!

Brincadeira de mau gosto, no entanto, ônibus vem do Latim “Omnibus” e significa “para todos”, segundo a lenda, verdadeira ou não, tratava-se de uma espécie de transporte por carruagem que servia a todas as classes na Inglaterra de 1832! A verdade é que somente quem andou de ônibus sabe o que é! Geralmente, lotados, pessoas em pé, em queda nas curvas, olhando os outros nas ruas e sentindo-se, no mínimo , momentaneamente, superiores por estar de carro, de veículo, ainda que seja por minutos ou horas! Nos ônibus , aprendi a ser educado ao ceder meu lugar a mulheres, gestantes, idosos e mães com crianças ao colo!

Nos ônibus, aprendi a figura de linguagem da catacrese, pois quem nunca foi vítima ou opressor com frases como: “Perdeu o ônibus?” “Estava no seu bolso?” “Vai pegar o ônibus?”, “Você é forte, hein?” ou algo como “Vai tomar o ônibus?” De canudinho ou no copo?” Mas, afinal, que frase usar?” Você vai adentrar o lotação?”

Aliás, lotação, lembra-me um filme com Sônia Braga, “A dama do lotação” de Neville D’ Almeida, bem Nélson Rodrigues e suas nuances sobre adultério, sedução, imprevisibilidade!

Na nossa Bauru, nos anos setentas, havia a Empresa Circular Cidade de Bauru, ECCB, nós brincávamos que a sigla significava Este Carro Carrega Burro, o bauruense dos tempos de parquímetros, “Batistar”, Praça Ruy Barbosa costumava chamar a empresa de “Quaggio” referindo-se ao proprietário Alexandre Quaggio, bons tempos dos ônibus amarelos, lembro-me de vários episódios, um deles, Esporte Clube Noroeste com jogos decisivos pela frente para fugir ao rebaixamento, a promoção: “Quem trajar vermelho Norusca não paga a passagem do ônibus!

Talvez a mais hilária de que me lembre e também a mais assustadora, morávamos na Vila Cardia e pegávamos, seja para “Batistar” ou Estádio Alfredo de Castilho ou Centro local a que chamávamos de “Cidade”, éramos um grupo: Aldemar e Beto Maffini, Reinaldo e Maurício Botelho e eu, sempre provocávamos um motorista que fazia o translado Cardia – Monlevade e Falcão – Bela, o nome dele era Garcia e quando o veículo passava dirigido por ele, bradávamos: Ô, Cururu!”, ele fingia que ia brecar para nos pegar, até que um dia brecou e foi falar com a mãe do Aldemar e do Beto ameaçando – nos de uma surra, um misto de medo e brinquedo!

Quando me mudei para o Jardim Marambá, tomava o Praça das Cerejeiras que retornava como Jardim Cruzeiro do Sul, vivi nessa linha uma das maiores paixões da minha vida, adentrava o ônibus em um determinado ponto e em outro uma namorada, íamos e voltávamos milhares de vezes de ponto final a ponto final em busca de um feliz final que com o tempo não houve mais!

Os ônibus tinham um horário máximo de circulação e quantas e quantas vezes, estávamos no Clube dos Bancários ou na Stalus, dançando uma música lenta do Bee Gees e nossa momentânea amada, despedia-se , pois tinha que adentrar o último lotação da noite, nós, Nilson Franco, Astor Vilani, Antônio ” Tatu ” Franco, Arnaldo Ribeiro, Miro e Pedro Belini, ficávamos até o final da noite e voltávamos a pé para nossas casas, lamentando não ter carro e nunca , como outrora , amando os ônibus amarelos do ” Quaggio ” , éramos os sem carros, felizes, notívagos, andarilhos, os pobres do coletivo sem coletivo!

Hoje, como nós, os amarelos amadureceram e sumiram, não há mais cobrador, mas ainda se cobra a passagem, seja do desempregado ou do estudante, o que é um absurdo! Quereria morrer um “Pescador de Ilusões” , dizendo que valeu a pena e que os ônibus serão “sem final, final…”

Professor Sinuhe, ainda esperando no ponto!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Colunistas

Verifique também

Coluna Archimedes: Pontes para o infinito

Muitas vezes, nós bauruenses, somos tentados a não valorizar a nossa gente, imaginando que…