Você já participou de alguma edição da Feira Ubá? Se a resposta for não, qual aproveitar? Há 15 anos em Bauru, a Feira tem cerca de 100 artesãos inscritos, que uma vez por mês expõem seus trabalhos aos bauruenses. São peças e técnicas para todos os gostos – e bolsos, que devem ser apreciados e admirados pela população. Sempre no Vitória Régia, cartão postal da cidade, a Feira é realizada uma vez por mês, ou seja, fica fácil se organizar e conferir o trabalho e a dedicação destes bauruenses, não é mesmo? Nossa equipe bateu um papo com Rita Botta, coordenadora da Feira Ubá, que falou mais detalhes sobre o projeto. Confira:

Como começou a Feira Ubá?
Rita: Então, na verdade, antes da Feira Ubá, tinha a feira de artesanato chamada Mão Caipira, que foi organizada por algumas pessoas se juntaram e começaram a fazer a feira. Depois, como teve um problema interno, esta feira foi e um grupo de artesãos que participava dela, procurou a Secretaria da Cultura e, em parceria com a Sutaco (Superintendência do Trabalho Artesanal nas Comunidades), surgiu a Feira Ubá no Vitória Régia.

E você estava na Feira desde o começo?
Rita: Então, eu comecei como artesã do nada. Foi para ajudar uma escola, na verdade. Tinha um projeto solidário em uma escola e, para ter mais pessoas, minha vizinha me chamou para acompanhá-la. A professora ia numa escola e, como não tinha ninguém para ela ensinar, nós fomos. Eu, ela e mais duas vizinhas. Lá, essa professora ensinou biscuit e eu amei. No dia seguinte, já fui ao centro e comprei todos os materiais para continuar fazendo em casa. A professora deu quatro aulas e, depois, nunca mais tentei fazer. Na época, minha filha Regina morava perto da minha casa e sempre perguntava dos materiais até que um dia ela pediu para levar e fazer na casa dela. Aí, ela começou, e nunca mais parou. E foi ela quem começou a ir na Feira Ubá com os bistuits que fazia e, como não tinha condições de ir sozinha e eu tinha carro, eu que acabava levando. Chegando lá, tinha dó de deixá-la sozinha e ficava o dia todo com ela. Para não ficar lá sem fazer nada, eu comecei a fazer sabonetes e aí eu entrei mesmo para a Feira. Agora sou coordenadora e ocupo este cargo há seis anos.

Quantas edições da Feira Ubá acontecem por ano?
Rita: A Feira deveria ser realizada todo mês, mas em algumas datas, por conta da chuva ou de outros eventos no local, ela é adiada.

E ela sempre acontece no Vitória Régia?
Rita: A Feira Ubá sim. Mas temos, paralelamente, outras feiras de artesanato que são realizadas em outros locais.

A Feira recebe o apoio da Secretaria da Cultura, que custeia os gastos da realização, certo? Quais gastos?
Rita: Limpeza do terreno com apoio da Semma, banheiro químico (três, no caso)… são custos que nós, organizadores, não temos.

E quantos artesãos participam hoje?
Rita: Nós temos mais de 100 inscritos, mas nem sempre estão todos.

E ainda tem espaço para novos artesãos?
Rita: Tem sim. O interessado deve ser registrado na Sutaco e ir na Secretaria de Cultura. No momento, não é possível fazer novas carteirinhas na Sutaco, mas quem já for registrado, pode participar. Lá na Cultura, não pode esquecer de levar uma peça pronta e uma começa, porque eles pedem para a pessoa terminar lá na hora. Depois, tem que comprar a barraca, a mesa… cada um é responsável pelo seu espaço.

E quantas pessoas passam pela Feira Ubá geralmente?
Rita: Olha, já foi muito lotada, muitas pessoas iam. Mas hoje em dia… dá para contar nos dedos.

O próximo encontro da Feira Ubá será no dia 11 de março, das 9h às 17h.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

Idealizado por moradora da região, projeto que ensina Braille de forma online e gratuita completa um ano com live comemorativa

Apesar de existirem, no Brasil, mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual R…