Eu ia começar escrevendo: qual o seu sonho? Mas, como você vai descobrir mais abaixo na entrevista, pergunto: qual o seu objetivo? O do Ryan Smallman, o norte-americano mais bauruense que você vai conhecer, era ser ilustrador. Sua paixão, durante toda a vida, sempre foi desenhar e, quando ele se deu conta que isso poderia ser a sua profissão, tudo mudou. E tudo mudou, de novo, mais recentemente, em novembro, quando ele se tornou o ilustrador do site Omelete, um dos maiores portais de cultura pop do país.

Como ele conseguiu? Sonhando que não foi. Nem encaminhando o currículo para eles. A ajuda veio do Instagram de uma forma inusitada e despretensiosa. Veja só o bate-papo que eu tive, recentemente, com ele:

Ryan, primeiro: você comentou que os seus pais são missionários e você nasceu nos Estados Unidos, né? Queria que falasse um pouco mais sobre a sua vinda para Bauru.
Sou estadunidense, sim! Nascido em Ohio e criado em Michigan até meus 6 anos até quando eu e minha família nos mudamos pro Brasil no ano 2000, e estou aqui desde então. Viemos missionários pra Bauru, onde meus pais fundaram a igreja Comunidade Batista Vida Nova, com outras 3 famílias missionárias, e hoje nosso lar é o Brasil. Estudei aqui, me formei na USC em Bauru, minha esposa é brasileira e meu sangue é definitivamente verde e amarelo (apesar, tecnicamente, ser cidadão dos EUA ainda).

E você sempre quis trabalhar com design? Já desde a infância já gostava de desenhar?
Minhas primeiras memórias consistem de papel e lápis, eu desenhava o tempo todo e simplesmente nunca parei. Continuou sendo a coisa que mais fiz ao decorrer da minha vida, tomando o lugar de videogames, séries, esportes e especialmente estudos. Quem estudou comigo sabe que a única coisa que fazia na escola era desenhar.

Eu sempre fucei e brinquei muito no Photoshop, fazendo desenhos e montagens só porque eu adorava fazer, e quando fui percebendo que isso poderia se tornar uma profissão, graças aos meus pais e professores, não tive dúvida que faria design. Mas minha paixão sempre foi ilustrar.

Aqui em Bauru, você fez alguns trabalhos, inclusive a a identidade do Bongo (restaurante mexicano), né?
O Felipe Dal Medico é amigo meu de muito antes dele fundar o Bongo, e ele vivia falando que queria que eu fizesse a identidade visual do restaurante que ele ia abrir. Fiz os primeiros rascunhos do logo num caderno da escola e acabou se tornando o meu primeiro grande trabalho de design. Ano passado, tive o prazer de voltar a parceria pra atualizar a identidade deles com o cardápio novo, que foi meu último trampo antes de entrar no Omelete.

E como chegou no Omelete?
Por incrível que pareça, entrei no Omelete graças ao Instagram! Um belo dia respondi um story do Thobias Daneluz, o antigo ilustrador do Omelete, e começamos a trocar uma ideia. Por acaso ele viu meus desenhos na minha conta, curtiu e disse que um amigo dele estava procurando um designer/ilustrador. Acabou que esse amigo era o Thiago Romariz do Omelete! Em menos de um mês, já tinha feito teste, entrevista, recebido e aceito proposta e eu e minha esposa estávamos nos mudando pra São Paulo! Ainda é surreal como tudo aconteceu.

Você é designer aí? Quais as suas atuações? Como é a rotina?
Sou o designer e ilustrador principal do Omelete, basicamente estou à frente de todo o departamento criativo. Se não estou desenhando, estou criando o visual dos programas, definindo as artes pro canal ou bolando alguma ideia com o Thiago e Forlani. Resumindo, tenho um dedinho em todo o visual do site Omelete e canais Omeleteve e The Enemy.

Trabalhar no Omelete é como a gente imagina? Muita diversão sempre?
Se você acompanhar os stories no Instagram do Omelete, da pra ter uma ideia de como é o dia a dia aqui na redação, bastante energia e diversão, mas sempre muito trabalho. Muita gente imagina que só ficamos trocando ideia sobre filmes e séries o dia todo, e embora isso seja verdade de vez em quando, mas é um ambiente de extrema produtividade e profissionalismo. O diferencial é que todos nós amamos o que fazemos!

Você está aí há quanto tempo?
Entrei no dia 8 de novembro, 2017, então estou aqui há quase cinco meses!

Tem alguma história curiosa para contar?
Olha, acho que o mais legal disso tudo é pensar que há seis meses, eu era apenas um designer freelance em Bauru, e em questão de algumas semanas, estava trabalhando na CCXP (Comic Con Experience), junto com o maior grupo de influenciadores de cultura pop do Brasil ao lado de alguns dos maiores astros do cinema mundial, como Will Smith e Danai Gurira. É loucura pensar nisso!

Sente saudade de Bauru? Pensa em voltar para cá um dia?
Bauru é a cidade onde fui criado, onde me formei e me casei, então tenho um carinho enorme, especialmente agora que tenho que encarar o trânsito de São Paulo. Mas como profissional, sempre existe aquele sonho de mudar pra cidade grande realizar o trabalho dos sonhos, então é impossível reclamar. O bom é que meus pais ainda moram aí, então sempre dá pra visitar.

Como profissional, qual o seu maior sonho?
O mais engraçado é que, mesmo quando estava trabalhando em Bauru, já estava vivendo meu sonho profissional: fazer o melhor trabalho que posso. Não existe nada mais satisfatório profissionalmente do que se dedicar a um trabalho do qual você pode se orgulhar. Meu pai sempre me ensinou jamais dar menos que o seu melhor, e sempre ir um pouco além. Esse sempre foi meu sonho, independente de onde eu estiver.

Mas sonhos são pra quem dorme, objetivos são pra quem conquista! (segura a frase motivacional aí!) E meu maior objetivo profissional é ilustrar um poster pra Mondo Tees!

Você conseguiu o que muitos sonham: trabalhar em uma grande empresa, com o que sempre gostou. Qual a dica que você pode dar para quem também quer isso?
Se tem um trabalho que você quer fazer, não espera, comece a fazer! Meu sonho era ser um ilustrador, então simplesmente comecei a desenhar, cobrando sempre o melhor de mim, até conseguir. E se você é desenhista, fotógrafo, músico, seja o que for, posta na internet! Se ninguém vê seu trabalho, é como se nem existisse. Publique seu trabalho, nunca se sabe quem vai ver. Se eu não tivesse feito isso, não estaria onde estou. Então não fica só sonhando e comece a conquistar, um passo de cada vez.

LEIA TAMBÉM
`+ Bauruenses comentam as dificuldades em viver exclusivamente da música
+ Designer fala sobre a experiência de viver do que mais gosta: ilustrações e caricaturas

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Comportamento
...

Verifique também

Jovem bauruense cria própria marca de roupas agênero, que vestem homens e mulheres

A moda agênero é uma proposta que cada vez mais vem tomando as passarelas do mundo. O conc…