“Poesia é o que a gente sente. O resto é literatura”, diz o poeta e professor Ni Brisant, que mais uma vez chega a Bauru para participar do Sarau do Viaduto e fortalecer a cena da literatura independente na cidade.

Fortalecer não porque ele não vem só com seus versos e performances para apresentar durante o sarau, marcado para o próximo sábado, 21/04, a partir das 20h, no viaduto da av. Duque de Caxias, cruzamento com av. Nações Unidas.

Na manhã do mesmo sábado, às 10h, ele ministra a oficina “Publique-se: escrevendo livros de quebrada”, na Casa do Hip Hop (Estação Ferroviária, s/nº, centro). As duas atividades são gratuitas.

Voltada a todos que têm interesse em publicar seu próprio material de maneira autônoma e independente, a oficina tem duas horas de duração e as vagas são limitadas. Para participar basta entrar em contato com a página da Biblioteca Móvel no Facebook.

A atividade vai abordar os passos de um publicação independente: seleção de conteúdo, dicas de revisão, editoração, produção de fanzines e livros, lambe-lambes e outros formatos de publicações não tradicionais.

À noite o destino é no sarau. Encontro de artistas e cidadãos com referências literárias diversas, o sarau é um espaço aberto para a manifestação cultural e expressão política e poética. Feito na rua, ele ocupa o espaço público e traz outras possibilidades de leitura para a cidade.

Nessa edição do sarau o rapper bauruense Dom Black participa com um pocket show. Referência no Rap bauruense e do interior de São Paulo, ele é o atual vencedor do festival Sons da Rua, com o título de Artista Revelação do Rap de 2017, escolhido entre mais de 1500 candidatos de vários estados do Brasil.

Quem é o poeta?
Ni Brisant é pugilista amador, professor, retirante e escreve. Com títulos traduzidos para o francês, inglês e espanhol, Ni organiza saraus, cola lambes, desenha e orienta classes de literatura livre pelas quebradas da América Latina (Cuba, México, Argentina, Uruguai e Chile).

Licenciado em Letras, publicou vários fanzines e os livros: Tratado sobre o coração das coisas ditas (2011), Para Brisa (2013), Se eu tivesse meu próprio dicionário (2014) e a Revolução dos feios (2016).

O Sarau do Viaduto e a oficina Publique-se tem a realização da Biblioteca Móvel Quinto Elemento, com patrocínio do Programa de Estímulo à Cultura da Secretaria Municipal de Cultura e do Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura. Tem o apoio da Casa do Hip Hop de Bauru e da Frente Feminina de Hip Hop de Bauru.

As informações são da assessoria de imprensa.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Cultura
...

Verifique também

Sociedade Amigos da Cultura de Bauru oferece oficinas gratuitas para bandas

A Sociedade Amigos da Cultura (SAC) promove duas oficinas gratuitas e online no mês de abr…