Trabalhar como comissária de bordo, há milhares de metros acima do chão, pode parecer aterrorizante para alguns, afinal, todo mundo já assistiu a série Lost ou qualquer outro filme com quedas aéreas.

Mesmo com o medo que muitos sentem só de ouvir a palavra “avião”, a profissão nas alturas é uma escolha de alguns homens e mulheres que querem se aventurar em uma profissão que não é lá muito “pé no chão”.

Esse é o caso da bauruense, Juliana Santana, que contou para a gente como são os desafios a se enfrentar para poder trabalhar nas nuvens.

A atual comissária de bordo da Azul Linhas Aéreas decidiu embarcar nesta profissão quando, em um dia, passando na frente do Aeroclube de Bauru, viu uma placa que informava cursos para a área da aviação. Sem nenhuma referência dentro de casa, Juliana comprou uma passagem de primeira classe e sem escalas para o curso de comissária de bordo.

Durante os 4 meses de duração do curso, Juliana enfrentou uma realidade bastante difícil, contudo, a comissária de bordo encarou o desafio! “No começo foi difícil sim, mas pra não ficar difícil, eu chegava em casa e estudava a matéria que foi passada na aula. Não entrei pra desistir”.

Além das barreiras dentro do processo de aprendizado, o dinheiro também foi um pequeno desafio. Na época, para pagar o curso, Juliana teve que juntar um pouco do dinheiro e pedir a parte que faltava para uma amiga.

Pensa que acabou por aí? A comissária também conta que para quem presta o curso no dias de hoje, a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) exige que os alunos façam exames em uma clínica homologada para a sobrevivência na selva.

E as exigências não ficam só durante o curso, em muitas empresas aéreas, são obrigatórias algumas características do candidato, como na linha Emirates Airlines, confira:

comissária bauru
Fonte: CEAB

Primeiro voos solos

Para entrar no emprego que tanto lutou, Juliana se manteve persistente e mandava currículos para as empresas aéreas toda segunda-feira, além de sempre manter sites atualizados com suas informações. “O primeiro passo é sempre estar atento às vagas, se preparar para entrevistas, saber histórias das empresas aéreas.”.

A aeromoça ainda se lembra de sua primeira viagem, para Manaus, supervisionada por um instrutor. Para finalmente ter a liberdade de fazer seus primeiros voos solos, os profissionais devem ser checados e aprovados por um fiscal da ANAC.

Ao longo de seus anos como comissária de bordo, Juliana viveu prós e contras. Ela aprendeu a ter mais empatia com o próximo, ajudar mais as pessoas e ser solícita sempre. “Nessa profissão somos solitários, então todos os dias aprendo muito”.

E a solidão é um dos contras que uma comissária de bordo pode enfrentar, afinal, torna-se difícil manter contato com amigos e familiares, mas, para Juliana esse fato apenas a “ajudou a crescer de todos os aspectos”.

Apesar de tudo, Juliana se sente realizada com o emprego, e dá um conselho para quem também pensa em seguir essa área, além de nunca desistir: manter-se curioso, estudar idiomas e se preparar para as constantes mudanças da aviação.

Para a comissária de bordo, uma frase muito conhecida define sua carreira profissional: “escolha um trabalho que você ama e nunca terá que trabalhar um dia sequer na vida”.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento
...

Verifique também

Bauruenses contam histórias emocionantes que viveram com seus avós

A convivência com os avós pode trazer muitas lembranças boas e acolhedoras, de forma que s…