Já parou para olhar para um juiz, delegado, promotor, ou qualquer outra pessoa e parou para pensar como ela chegou até ali? As dificuldades, desafios e o tempo empenhado nos estudos para conseguir o emprego do sonhos?

Essas e outras etapas são ultrapassadas todo dia por quem estuda para concursos. Ter uma rotina de estudos, abrir mão de viagens e passeios com amigos e família, tudo para chegar à um objetivo, conquistar o sonho.

Formada em advocacia, Bárbara Marini Pereira, estuda para concursos há seis anos, e contou para a gente do Social Bauru todos os perrengues que um concurseiro passa.

A bauruense decidiu se empenhar para concursos desde que entrou na faculdade e, desde o primeiro ano do curso, Bárbara já cultivava o sonho de ser promotora. Após conseguir o sonhado diploma e passar na prova da OAB, a advogada começou a atuar na profissão enquanto iniciava sua vida de concurseira.

Chegou um ponto em sua vida, que Bárbara abriu mão de todas as suas atividades e emprego para se dedicar aos estudos. “Eu só estudava, estudava de 12 a 13 horas por dia. E isso não foi bom para mim, porque eu fiquei doente, tive crises de ansiedade. Eu eu não saía para casa por nada, nem para fazer exercícios físicos”.

Bárbara lembra, que nessa época ela possuía uma ótimo rendimento nos estudos, mas com o tempo, isso começou a afetá-la de forma negativa, fazendo com que a concurseira buscasse ajuda de profissionais.

Hoje em dia, ela continua empenhada em seus estudos, mas diminuiu o tempo de estudo e começou a buscar outras atividades que a fizessem bem. Bárbara encontrou na crossfit uma forma de retomar seu equilíbrio interno. Além disso, a advogada retomou sua profissão e também voltou a lecionar italiano.

Com a experiência, Bárbara percebeu que a vida de concursos exige que a pessoa aprenda a fazer concessões, sendo estas necessárias para que se consiga conseguir realizar os sonhos, contudo, o radicalismo é perigoso.

“Você precisa encontrar um equilíbrio na vida”

Mesmo com obstáculos e dificuldades, Bárbara já prestou um total de 20 concursos, em que conseguiu treinar seus conhecimentos e encontrar seu equilíbrio emocional. “Eu acho importante que a gente faça o máximo de provas possíveis, porque quando a gente treina em casa não é a mesmo coisa”.

Depois de tantos anos de estudo, a bauruense acredita que duas coisas são essenciais para quem faz, ou planeja fazer, concursos: equilíbrio e disciplina. “Eu acho importante ter um disciplina, fazer um planejamento, ter um cantinho pra estudo, ter uma rotina de estudos. É importante também equilibrar as coisas, não dá só para só estudar, a gente tem que ter um dia pra fazer exercício, ter um dia para passear, namorar, ver os amigos”.

Ainda assim, apenas de anos de experiência, a ansiedade ainda bate na hora H, e para controlar esse nervosismo, Bárbara usou da meditação para ajudá-la. Além disso, o autoconhecimento também foi essencial para que a advogada conseguisse encontrar seu equilíbrio. “Cada um tem que se auto conhecer e saber o que é bom pra gente”.

Quem fez, confirma

Além de Bárbara, outros bauruenses também dedicam-se a vida de concursos e confirmam todas as experiências que a advogada passou e ainda passa.

Elizeu de Freitas Costa Junior tem uma rotina de estudos de 6 horas por dia e acredita que, mesmo sendo exaustivo, é necessário que o concurseiro tenha tanto um preparo mental e psicológico quanto paciência. “Concurso público é como uma “fila” gigante, onde vão passando os mais preparados e, se você se manter firme e seguir o plano, uma hora você será o mais ou um dos mais preparados e alcançará a nomeação, no entanto, se você sair da fila, a chance de você voltar ao final da mesma é muito grande. Portanto, persistência é essencial”.

Além dele, Thais Laguna de Oliveira também sempre sonhou em ser promotora desde os primeiros anos da faculdade, e atualmente ela se dedica unicamente para o estudos. Para ela, a disciplina e o foco são as palavras chaves na vida de qualquer concurseiro.

Ela também desenvolveu ansiedade com os anos de estudo, contudo, Thais encontra nos exercícios físicos uma forma de fugir da rotina.

Jessica Martins é mais uma concurseira bauruense que usa da disciplina como uma forma de manter os estudos. Ela sonha em ingressar no cargo de procurado e não pretende desistir do seu sonho.

“Estudar é uma tarefa que exige muita dedicação e persistência e com o passar do tempo você compreende que o seu desempenho oscila bastante e que isso é normal no decorrer desse processo de estudar para concursos”

Todos os três buscam equilíbrio para realizar os sonhos e veem na persistência algo essencial para quem presta concurso.

Prós e contra na vida de concurseiro

Seguir a vida dos concursos é algo que se deve colocar na balança e medir os prós e os contras. Para Bárbara, o ponto negativo é quando o tempo vai passando e se começa a pensar que não se chegará a lugar algum. “Porque você pensa: Se passar o tempo e eu não passar, o que eu sou? Eu não sou nada. Você não se sente muito útil”.

Todos os quatro bauruenses que se dedicam a vida de concurso já pensaram em desistir, afinal, não é uma escolha fácil a se seguir, e muito cansativa.

Para Elizeu acredita que o pensar de desistência “ocorre normalmente, e é por conta da exaustiva rotina que é a de estudos, nunca é um caminho fácil, mas sabemos que valerá a pena”.

Além das próprias dificuldades, os concurseiros ainda lidam com as constantes perguntas: “ah, mas você só estuda?”.
Apesar das constantes desmotivação das pessoas de fora, Jessica acredita que “as pessoas na maioria das vezes repetem essas expressões sem refletir a respeito sobre o significado delas, estudar é uma tarefa que exige comprometimento e dedicação assim como no trabalho e como em qualquer outra atividade que exercemos na vida está sujeita a sucessos e fracassos”.

Já Bárbara, não leva os comentários das pessoas como uma ofensa, pelo contrário, ela fica muito feliz em se dedicar aos seus estudos.

concurseiros bauru estudos
Foto: Social Bauru
Com todos os perrengues que um concurseiro passa, os 4 bauruenses dão dicas para quem pretende seguir essa vida dos estudos. Para Thais, é essencial que se busque o apoio das pessoas boas que nos cercam.

Já Elizeu, acredita que a persistência é essencial, e sempre ter em mente que todos passam pelas mesmas dificuldades. Jessica acredita que ter fé nos sonhos é sempre importante, isso casado com muita dedicação.

Para Bárbara, é ter em mente que não dá para construir um castelo com dois tijolos e que “ninguém chega no auge de uma carreira do dia para a noite”.

Nenhum deles desistiu e continuam a correr atrás dos sonhos. E você?

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

Mas afinal, quais os impactos do coronavírus para a economia bauruense?

Nesses últimos dias, temos acompanhado um debate cada vez mais constante sobre os impactos…