Um prato de comida pode fazer o dia de alguém, contudo, para muitas pessoas, a próxima refeição é algo incerto, principalmente para moradores de rua e famílias carentes.

Pensando em ajudar ao próximo, Flávia Cristina dos Santos e seu pai, Ronaldo Alves de Lima criaram o projeto Geladeira Solidária, inspirados por outras cidade do país que também colocaram em prática essa ação social.

Flávia e o pai tinham um ferro-velho, onde todos os dias catadores, moradores de rua e famílias carentes chegavam, pedindo por alimento. Sensibilizados pela situação, os dois pegaram uma geladeira velha, colocaram na calçada da casa e iniciaram o projeto Geladeira Solidária.

Evolução do projeto

A ideia de ajudar aos mais necessitados começou com dificuldade, sendo que Flávia e o pai tiravam dinheiro e alimento da própria casa para preparar as marmitas que seriam colocadas dentro da geladeira.

No início, tudo o que conseguiam fazer eram cinco marmitas por dia, agora são produzidas 35 marmitas no almoço e 35 na janta.

“Nós queremos beneficiar moradores de rua e as famílias carentes”, explica Flávia.

Para isso, o projeto conta com mais quatro colaboradores além de Flávia e seu pai. Uma voluntária é responsável pelo cadastro e a visita na casa das famílias que são atendidas pelo projeto, as outras, ajudam a separar os alimentos que chegam, preparam as marmitas e distribuem.

A geladeira fica localizada quadra 1 da Rua Homero de Oliveira Ribeiro e já atende a população do bairro Pousada e algumas pessoas do Jardim Ivone.

Sentimento de gratidão

Mesmo com o começo difícil, hoje Flávia se sente abençoada com a proporção que o projeto da Geladeira Solidária está tomando em Bauru, e ela vê uma grande importância no trabalho que faz diariamente

“Na minha opinião, o nosso projeto é muito importante, porque todo ser humano tem direito, até mesmo pela lei, de ter uma alimentação digna. Podendo se alimentar, a pessoa recupera a dignidade”, conta Flávia.

O futuro do projeto

Agora, os planos de Flávia é tentar legalizar a Geladeira Solidária como um projeto social, contudo, para isso, é necessária a construção de uma cozinha formada para que o atendimento às pessoas carentes seja cada vez melhor.

Para isso, o projeto está aceitando doação de materiais de construção, além da colaboração da população com alimentos, créditos em compras e gás de cozinha.

“Eu faço com amor; é uma coisa que eu gosto, me sinto realizada, está melhorando cada dia mais. O que você escuta das pessoas que comem e estão com fome é gratificante; já escutamos de uma pessoa que não comia fazia cinco dias. É bom fazer parte da mudança da vida de alguém, me sinto abençoada”, declara Flávia.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Geral
...

Verifique também

São Paulo, Santos, Palmeiras e Corinthians: a paixão de quatro bauruenses!

Brasil, sil, sil, sil… Somos conhecidos como o país do futebol e levamos essa ‘brinc…