Pensei, repensei e compensei e … votei … em mim!

Fiz um bom prato e doei aos que têm fome … de livro e de amizade como eu! Liberei uma arma para uma pobre alma, um estilingue, ela atirou para o alto e atingimos o infinito, as estrelas nos avisaram que podemos amar, está escrito nas estrelas!

Fiz uma campanha solitária e achei – a solidária, poderia ser da APAE de Olga Bicudo, dos Voluntários em Ação e Reação de Miguel Zaidan Daré. Pessoa que ressoa e tem o Dar até no nome, pois não busca votos, arrebanha devotos que comunguem consigo a igualdade!

Pensei em soltar o preso, mas quem se prendeu a quê? Qual o Mecanismo? Moro mesmo no Brasil? Pode-se falar em vida em favela, morando em um condomínio?
Por que se espera em ter 400 milhões para se repartir com os demais e a mais, “amais-vos uns aos outros ou amar a si mesmo como eu mesmo me ensinei?” SPC é crédito. É débito ou antiga banda de pagode, que pode passar o pires, Alexandre?

Vai tirar o que se gastou ou vai se ensinar a gastar o necessário? Ou será que você se pintou? Pois quando me zango, não sei perdoar, quiçá, votar? Se você foi ministro ou sinistro, não sei, mas mudou o quê?

Quando você ou vocês tiveram filhos que foram para creches com ou sem merenda levada pelos mesmos do eterno Senhor do Anel, egocêntrico de “Eu Frodo o povo!”

Em que dia você ou vocês andaram de bike pelas ruas da “Pauliceia Desvairada”? Em que momento, você ou vocês, milionários, tiraram o juro dessa gente que jura que vai votar em vocês em troca de juras, nem sempre de amor? E, Senhor das Armas, o que fez nesses 27 anos por uma cidade, outrora, Maravilhosa?

Sabia que “a minha alma tá apontada para a cara do sossego… “? E o Sindicato é sempre Nãodicato, não existe direito a ter direito!

Votarei em mim e prometer-me-ei que pegarei as fezes dos meus cães como a Ilda da Banca do Aeroporto e seus animais, ela perdeu a ração! Não fecharei ninguém nas ruas, darei seta, pararei na faixa de ou para segurança, falarei Bom dia ao porteiro do prédio ou do condomínio, “Lost” onde se reside sem conhecer e repeitar a ninguém!

Respeitarei as filas, da padaria, do banco, repeitarei meu amigo ou ex-amigo do Facebook, amarei crianças e mulheres como se fossem gente, usarei meu celular somente quando puder e votarei em mim, pois tenho que ter certeza de quem cobrarei após as eleições e como viverei para tentar ser uma nação, se é que ela exista! Não há política sem cidadãos! Os esgotos parecem ter limpidez devido à ignorância da vez! Não brinque, brincar é criar vínculo, seja consciente para não reclamar do que se vem pela frente!

Professor Sinuhe, acreditando que pode ser Presidente de si mesmo!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Isadora Venturini: Bem-vindos à minha história!

Quando decidi fazer terapia eu não fazia ideia do quanto eu  realmente precisava fazer ter…