A Vila poderia ser Sésamo, com Garibaldo, Ênio, Muppets, ou para os mais usados, da Sônia Braga, do Armand Bógus, aquela esta que foi transportada para o Hopi Hari, a Vila poderia ser Belmiro, de Pelé e Coutinho, de Robinho, de Neymar Jr.!

No entanto e para os tantos que ficaram aos cantos, a Vila é a Vicentina, dos idosos que não querem ida, dos velhos amigos velhos, das estórias e histórias, dos avós que perderam a voz, dos deixados pelos desleixados que acham que o presente somente permeia o futuro e não sabem o que o outrem tem passado, literalmente, de mente visceral!

Como é envelhecer? Em Bauru? Deve ser mais fácil em Paris, certamente, de mente certa ou não! O velho que se dicionarizou em Terceira Idade, Melhor Idade, tem o SESC, o Clube dos Aposentados, o Arapongas! O necessário de outrora é o descarte de agora e de outra e qualquer hora, proliferam -se farmácias, ah, se fossem saraus! Propagam-se casas de repousos, quiçá fossem de dança e canto!

Mas voltando à Vila Vicentina, onde nos anos oitenta, morei perto, Jardim Marambá, jogávamos bola em um campo ao lado do muro da entidade, nomeamos o campinho de “Beira Asilo” parafraseando o Beira Rio do Internacional do pintor designer Dilsinho do Redentor, lá Zelão, volante dos melhores, Antônio Franco Júnior, o Tatu do agora Bar do Tatu fazia gols espetaculares, ali, Elcy Bigheti, o Pitoco chorava e driblava os adversários, Jorge Eduardo Campos, o filho da Odete e do Múcio, jogava embaixo das duas traves com sua camisa laranja lembrando a Raul Plassman do Cruzeiro de Dirceu Lopes e Tostão, éramos os novos ao lado do muro que escondia os velhos, não nos pertencia como todos efebos pensam sobre a velhice!

Estou em casa, afastando a velhice mais que pescador com pernilongo à beira do rio, whatsappeia-me Kelvin dos óculos Allfenas, que honra!

Quer saber se é o óculos ou os óculos, quando começo a pensar em Gramática, fala-me de uma ação social na Vila Vicentina, o quê? Jovens preocupados com velhos? Dar visão a quem já teve razão? Pois somente os jovens de mente só. Têm razão, ah, esse cara é o maior cara de pau! Não! Os caras da Allfenas são cara de madeira, transformam madeira velha, doada na e da Vila Vicentina em… Óculos, o singular virou plural, o indivíduo virou coletivo, o breu virou meu, seu! Desculpe-me, Tom Jobim, mas são Águas de Outubro que descem dos meus olhos, “É pau, é ou são óculos, é o sim do caminho, é um resto de toco, é um povo vendo e sorrindo…”

Agora, os Tiozinhos e as Tiazinhas da Vicentina estão a cantar: “Eu sou Allfenas… latino-americano… “Quem vive de museu é passado, basta Allfenas um gesto, quem viver verá!”

Professor Sinuhe, querendo um Allfenas para enxergar mais do além!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Isadora Venturini: as reflexões de final de ano que todo mundo faz

Antes de qualquer coisa, quero agradecer a todos do meu Facebook que sugeriram sobre o que…