Segundo censos educacionais de 2017 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Brasil tem mais de 2,5 milhões de professores. Desse número, 2.192 milhões é da educação básica, enquanto 349.776 são do ensino superior.

Para comemorar o Dia do Professor, conversamos com Hortência Baffi de Carvalho, professora bauruense do ensino infantil, que conta para gente os desafios e alegrias de trabalhar diariamente com as crianças.

Por que você decidiu ser professora do ensino infantil?

Desde criança sou apaixonada pela primeira infância e tudo o que a envolve, desde a gestação até os primeiros sete anos. Apesar de já ter tido boas experiências com o ensino fundamental, esses primeiros anos de vida do ser humano, onde ele cresce, se desenvolve e se adapta em tão pouco tempo a esse mundo de uma forma perfeita, são umas das tantas coisas que me fez decidir ser professora da educação infantil.

Para você, é mais difícil lidar com crianças mais novas? O que muda?

Cada idade tem seus desafios e eles nunca acabam. Por isso não digo que é mais difícil ou mais fácil lidar com crianças mais novas. O que muda é que ser professora de educação infantil é um constante auto educar-se. Eles são puros e agem conforme nossas ações, imitam tudo ao seu redor. Minhas ações são minuciosas, a todo instante. Desde as palavras pronunciadas corretamente, até a forma que pego na colher para mexer o pão. Esse educar-se precisa ser verdadeiro. De nada vale eu apenas rever meus conceitos em sala, se saio de lá e sou outra pessoa, devo ser aquilo que almejo que meus alunos sejam. Pode parecer fácil, porém é o maior desafio de um professor de educação infantil.

Como é o seu dia a dia de serviço? Como é a rotina?

Minha rotina é flexível, cada dia da semana, eu executo uma atividade diferente, porém se percebo uma maior agitação ou algum ponto que devo dar mais atenção, faço o que é preciso para as necessidades das crianças serem sanadas.
Nossa sala de aula é uma extensão do lar, temos uma cozinha, banheiro, quarto e sala com brinquedos. Ao chegarem, as crianças brincam livremente em nossa sala, criando e imaginando muito, sem minha intervenção. Enquanto eles brincam, preparo um suco para nosso lanche, costuro, cuido de nossa sala, nunca estou sem fazer nada. Após o brincar livre, fazemos uma roda rítmica, conforme a época (estação) do ano que estamos, cantamos e dançamos com muitos movimentos.
Nossa rotina requer ritmo, estamos sempre em momentos de contração e expansão, é isso que as crianças pequenas precisam: ritmo, rotina, e bons exemplos.

Você já passou por alguma história engraçada com as crianças? Pode contar?

Todos os dias dou muita risada com eles, são puramente engraçados e verdadeiros. Cada dia uma piada ou uma associação engraçada. Preciso começar a anotar, pois são tantas que esqueço que renderiam um bom livro de comédia. Lembro-me de uma que aconteceu recentemente, um dos meus alunos fez uma associação entre o período integral da escola e o pão integral. Para ele, se estudamos em uma escola com período integral, significa que somos todos “pães”.

Para ser professora de criança mais nova é necessário ter um cuidado diferente com as ações, atitudes, o que se fala, etc?

Como já havia citado anteriormente, a minha postura é de extrema importância para as crianças. Eles estão muito abertos, imitam tudo! Devemos ter extremo cuidado com o que falamos e fazemos, tanto perto, quanto longe deles, pois eles sentem quem verdadeiramente somos e o que pensamos, eles são seres extremamente abertos e sensíveis.
Minha tarefa, enquanto professora de educação infantil, é educar constantemente; a todo momento devo rever minhas ações, as pronúncias de minhas palavras e meus pensamentos sobre determinados assuntos. Se fazemos algo que falamos para eles não fazerem, eles rapidamente nos repreendem. Essa é a nossa maior tarefa, ser aquilo que almejamos a nossos alunos.

No Brasil, você acredita que a profissão é pouco valorizada? Por que?

Infelizmente a minha profissão é pouco valorizada em nosso país, isso é uma tristeza. É engraçado que muitos dizem compreender sua importância, dizem nos admirar por saber lidar com cada criança, com individualidade em uma mesma sala. Eu acredito que ser professor é ser um artista. Nós fazemos o impossível por um ser que confiamos e acreditamos que será melhor do que nós. Muitos desanimam e deixam de acreditar na profissão pela pouca valorização e, realmente, não é fácil ser esse artista na educação sendo pouco valorizado e visto como coitados.

Por que você gosta da sua profissão? Qual a importância dela?

Eu gosto do que eu faço, pois vejo o incrível, o maravilhoso acontecer todos os dias. As crianças são incríveis e verdadeiras. Se você não gosta de criança, melhor nem chegar perto mesmo, pois há grandes chances de você se encantar por elas. São seres com personalidade, ritmo e visões diferentes, são ricos de vida e aprendizado. Acredito que uma das tantas coisas que irá transformar o nosso mundo é o caráter, a postura e a boa educação que damos às nossas crianças, coisas essas que são formadas na primeira infância.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bauruenses mostram como o artesanato pode mudar seu dia a dia!

Todo mundo já foi na casa dos avós e viu alguma toalhinha bordada ou um tapete de crochê. …