Não sei quem inventou essa frase, só sei que ela nunca foi tão necessária como nos dias de hoje e no momento atual em que vivemos.

Ofensas, xingamentos, desentendimentos, chateações, brigas entre amigos e familiares, e mortes – estes são os trending topics do Twitter e das manchetes de jornais.

As redes sociais se tornaram a principal arma da população; não precisa nem de lei do armamento, os comentários do Facebook são as próprias balas que, infelizmente, não atingem uma só pessoa, atingem milhares de pessoas.

E as fotos de sangue em sua tela de celular? Nunca foi derramado tanto sangue por tantas pessoas ao mesmo tempo. E as fakes news? Vieram como uma bomba que fizeram com que grupos de amizades e famílias se despedaçassem em vários estilhaços.

Estamos vivendo uma guerra civil tecnológica e ninguém está percebendo.

O orgulho, a certeza, a falta de empatia e claro, a falta de amor, nos transformaram em tudo que nós abominamos um dia.

Se eu vou com dor, eu volto com mais dor; se eu te taco pedra, eu também te tacarei uma pedra; se você cortar minha mão, cortarei seu braço.

Gandhi já previa: “olho por olho, dente por dente e o mundo acabará cego”. E nós estamos cegos. Cegos de ódio, fúria, indignação, raiva, rancor, aversão, repulsa, abominação, desafeto, hostilidade, inimizade, implicância e nojo.

Será que vamos sobreviver a tudo isso? Será que vamos estar vivos para conseguir contar a história? Ah, falando em história, será que existirá alguma para contar? Ou vamos esquecer, assim como estamos tentando fazer agora?!

A coluna de hoje não veio aqui para criticar opiniões políticas. Hoje quero perguntar: será que ainda terá amor no meio de tanta dor? Espero que esse texto faça você refletir sobre seu modo de agir com o próximo e que você tenha muito mais amor do que dor para oferecer.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
  • O meu silêncio

    Eu estou bem. Isso não significa que minha saúde mental não está comprometida. Só me permi…
  • Sobre morar sozinha

    Morar sozinha é viver completamente numa montanha-russa. E em 5 meses, eu já passei por ca…
  • Coluna Isadora Venturini: Vivam os meus 25 anos de erros!

    Há alguns dias completei 25 anos. Idade que considero tão importante quanto qualquer outra…
Carregar mais por Isadora Venturini
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Reels: o ritmo da interatividade e rapidez para abordar um conteúdo

Você com certeza abriu seu Instagram hoje e viu algum amigo, profissional ou até marcas ut…