Barba branca, roupa vermelha, sorriso bondoso e carinhoso. Quem vê o bom velhinho sentado em sua cadeira pomposa durante o Natal, não imagina que atrás da fantasia existe um homem real, que acumula histórias e mais mágicas que a figura que representa.

A nossa história de vida pode formar quem somos, e os Papais Noéis dos shoppings de Bauru – Marcelo dos Santos e Fabiano Benedito – mostram que 20 anos no papel revelam histórias muito curiosas.

Necessidade que vira paixão

Com 62 anos, um sorriso bondoso e uma ótima disposição para conversar, Marcelo do Santos é a verdadeira imagem de Papai Noel, contudo, o posto de “bom velhinho” surgiu como uma necessidade que se tornou paixão.

Morador de São Paulo, Marcelo recebeu uma proposta de emprego em uma empresa bauruense, a qual ficou por um ano e meio. Por não se adaptar ao cargo, o Papai Noel acabou indo trabalhar de gerente do Posto Rondon, o qual passou um ano até retornar para a capital.

De volta para sua cidade natal, mas sem nenhum dinheiro ou emprego, Marcelo decidiu investir em uma van de entregas, que depois seria transformada em transporte de lotação.

Mas parecia que o universo conspirava contra Marcelo! Sua van foi apreendida e ele se viu mais uma vez sem emprego ou fonte de renda.

Foi quando a primeira magia do Natal apareceu!

“Um belo dia, eu vi em um jornal de bairro o anúncio precisando de um Papai Noel com ou sem barba. Fui fazer entrevista, mas não me retornaram. Passou uma semana e eu vi o mesmo anúncio no jornal, só que de um local diferente!”, relembra Marcelo.

Ainda desacreditado da primeira entrevista, Marcelo resolveu fazer o novo teste e conseguiu assinar o papel para Papai Noel, mas parecia que ainda não era o momento do bom velhinho, pois sofreu um derrame e teve que ficar 30 dias internado com sequelas.

Magia de Natal

Mesmo mudo e quase sem movimentos, a magia do Natal parece seguir esse Papai Noel.

Foi durante uma viagem com seu irmão para Salvador que algo mágico aconteceu:

“Eu estava no banco do carona, ainda com as sequelas do derrame e pensando no tanto que eu dirigi na vida. Foi quando minha mão se moveu em direção ao câmbio do carro e eu comecei a chorar. Quando meu irmão chegou ao carro, ele perguntou o que aconteceu, e eu ainda não falava, só chorava. Ele, então, sugeriu que eu voltasse de avião, pois estava muito debilitado, e nessa hora eu falei ‘não’ e puxei a mão dele”, relembra Marcelo, com emoção.

A história parece improvável, mas o Papai Noel a conta com a voz embargada e emociona todos os que ouvem o relato.

“Depois de uma semana, já em casa, eu ia começar a fazer fisioterapia eu quase não precisei fazer!”

Papai Noel e ponto final!

Recuperado, Marcelo conseguiu finalmente entrar em seu primeiro papel de Papai Noel no shopping Ibirapuera, em São Paulo.

E para quem acredita que as pessoas nascem com um dom, Marcelo é a prova disso! Ele lembra que a dona da agência em que trabalhava tentava o colocar para fazer outros personagens em festas infantis, mas ele não conseguia fazer, simplesmente travava.

“Quando eu era colocado para ser Papai Noel, eu agia naturalmente e do jeito que eu achava que deveria”, ele conta.

Com essa história toda não dá para negar que Marcelo nasceu para ser Papai Noel!

Espírito de Natal

A paixão pelo Natal está presente em quase todos os Papais Noéis. Assim como Marcelo, Fabiano Benedito já atua no papel há 20 anos e há cinco é o bom velhinho do Bauru Shopping.

Para ele, não há nada mais gratificante do que fazer parte do imaginário das crianças, ajudando a criar uma lembrança que será levada por toda a vida!

papai noel bauru natal
Fabiano, Papai Noel do Bauru Shopping

E Fabiano realmente entra no papel!

“Eu meu preparo ao longo do ano, deixando a barba crescer, preparando minhas roupas, fabricando os brinquedos com os duendes, lendo as cartinhas das crianças e treinando minhas renas! Brincadeiras à parte, é importante fazer um estudo para descobrir as variações que o personagem tem e procurar sempre entender as crianças!”

Papai Noel também rende risadas

Os Papais Noéis podem ser a paixão de muitas crianças, mas os pequeninos podem ser muito espertos na hora de descobrir quem é esse homem de roupa vermelha e barba branca!

Fabiano, por exemplo, contou que já foi desmascarado por uma criança:

“Teve uma vez que eu estava em uma chácara com toda minha família reunida e entreguei os presentes das crianças, quando fui tirar a roupa, um deles me seguiu e me viu tirando a barba, que era postiça na época, e acabou descobrindo que eu não era o personagem. Senti que ele ficou triste!”.

Além disso, Fabiano ainda conta que levou um tombo durante uma peça de teatro que contava a história do Papai Noel. A cadeira em que estava sentado quebrou e ele foi direto para o chão! Mas Fabiano soube levar tudo na brincadeira e ainda fez todo mundo rir!

Afinal, esse é o espírito do Natal: se divertir!

O que é o Natal para você?

O Natal de Fabiano não é só a fantasia, mas também a reunião das pessoas amadas e uma forma de manter os laços familiares estreitos.

“Para mim, o Natal se tornou uma ocasião para reunir a família em volta da mesa, sobretudo aqueles familiares que não vemos no dia a dia. Além disso, o encontro nos mostra que é necessário sempre manter os laços estreitos com quem ama, pois são essas as pessoas que estarão conosco em todas as situações, sejam elas boas ou ruins”, explica Fabiano.

E, independente da religião e da crença, a sensação de estar envolto da magia do Natal, das luzes brilhantes, dos enfeites e dos Papais Noéis é inesquecível, tornando a virada do dia 24 para o dia 25 uma incrível oportunidade para renovar as energias do ano!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bauruenses utilizam a decoração como forma de espalhar a magia do Natal

Mesmo que seja um feriado religioso, o Natal é comemorado pela grande maioria das pessoas.…