Antes de qualquer coisa, quero agradecer a todos do meu Facebook que sugeriram sobre o que eu poderia escrever na minha coluna do Social Bauru este mês.

Mas diante de tantas sugestões, resolvi tentar falar algo que realmente pudesse ter algum significado pra você que está lendo.

Acontece que passamos o ano inteiro em busca de um sentindo para a nossa vida, buscando milagres e respostas, na espera que nossos pedidos sejam atendidos.

Mas vou confessar: há três anos eu ando meio que brigando com Deus. Três anos que peço, peço e peço. E eu me perguntava sempre: “por que, Deus, isso está acontecendo comigo?’.

Eu ficava sem resposta toda vez. Pelo menos na minha concepção de resposta. O que será que eu realmente queria que Deus me respondesse?

Então perguntei nas redes sociais o que o pessoal queria que eu abordasse no texto desse mês, e lendo as sugestões eu tive a concepção. Posso estar muito errada e peço desculpas, mas todos querem uma reflexão. Uma resposta. Igual a mim. Algo que pudesse mudar o seu jeito de pensar, o seu jeito de viver, o seu jeito de olhar o mundo. Inclusive sobre o próprio Natal.

Mas o que você quer que eu diga? Você já parou para pensar que a resposta está em você? Que o milagre está em você? E o que você pensa sobre o Natal está dentro de você?

Quantos textos mais nós vamos precisar ler todo final de ano para realmente mudarmos quem somos? Quantas reflexões sobre a vida e Natal, se estamos realmente comemorando o nascimento ou não de Jesus, se o significado do Natal mudou ou não, serão necessários?

Quantos finais de ano serão necessários para que você seja uma pessoa melhor, que você mude sua vida, busque suas respostas, não só no Natal, mas o ano inteiro?

Mas o mais importante: quantos natais serão necessários para você continuar apontando o dedo para tal família, para tal pessoa, que não está realmente comemorando o verdadeiro significado dessa data? Afinal, você está?

Feliz Natal, Feliz Ano Novo e até o ano que vem!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isadora Venturini
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Professor Sinuhe: O que Bauru quer ser quando crescer?

A pergunta mais comum a um filho ou a uma filha em fase de crescimento era: “O que v…