Você já parou para pensar que o seu cabelo pode fazer mais de uma pessoa feliz? É isso mesmo!

Todos nós gostamos de mudar os cabelos, pintá-los, fazer penteados diferentes e até mesmo resmungar quando eles não acordam “no seu melhor dia”. Nossos cabelos ajudam a melhorar nossa auto-estima, além disso, poucos centímetros deles também podem melhorar a vida de outra pessoa.

Pensando nisso, muitas pessoas doam suas madeixas para a confecção de perucas, doando-as para hospitais e pacientes que perderam seus cabelos após tratamentos químicos.

A ação de doar cabelos movimentou tanto as pessoas, que hoje, é fácil encontrar ONG’s e instituições que recebem os fios e os transformam em perucas.

Força na peruca

A ONG Cabelegria é de São Paulo e surgiu com a ideia de duas amigas que, após doarem seus cabelos para um hospital, resolveram fazer algo a mais pela causa, começando uma campanha de arrecadação. Em menos de um mês, elas receberam mais de mil doações.

Hoje, a ONG faz todo o processo, desde a arrecadação até a confecção das perucas, enviando-as para todo o Brasil. No total, até agora, foram feitas mais de 5.900 doações.

Assim como a Cabelegria, outras instituições propagam essa corrente de amor como o GRAAC, a ONG Rapunzel Solidária, a AACD e o Instituto Amaral de Carvalho, aqui em Bauru. As doações podem ser feitas pessoalmente ou enviando o cabelo pelo Correio.

Bauruenses doam seus cabelos

Pensando em ajudar o próximo, muitos bauruenses já cederam alguns centímetros de seus cabelos para o próximo. Laysla de Campos é um exemplo, ela se jogou de cabeça na ideia!

Após a Associação Atlética Acadêmica UNESP/Bauru promover uma campanha de doação para o Hospital Amaral de Carvalho, a estudante finalmente teve coragem para cortar os cabelos.

“Há algum tempo eu pensava que ficaria estranha de cabelo curto e que não iria combinar comigo. Então comecei a refletir sobre as mulheres que, assim como eu, também tinham esses pensamentos, mas que um dia se viram perdendo cabelo devido ao tratamento contra o câncer. Foi então que eu percebi como eu estava enganada! Felizmente eu não tenho nenhum problema de saúde e meus cabelos crescem novamente, então porque não ajudar a quem precisa? O cabelo faz parte do conjunto da beleza da mulher e doar o meu para ajudar a levantar a autoestima de alguém é gratificante”, conta Laysla.

Muitas doações também são motivadas pela proximidade com algum paciente. Esse é o caso de Mayra Mazotti e Caroline Oliveira.

“Doar o cabelo é um ato de amor ao próximo. Com certeza, ajuda muitas pacientes a elevarem sua autoestima e diminuirem pelo menos um pouco a dor e o sofrimento que estão passando”, afirma Mayra.

Mayra já está deixando seu cabelo crescer e pretende cortá-lo e doá-lo mais uma vez, assim que ele tiver o comprimento ideal.

Além disso, para quem acha que o cabelo curto vai mexer com a autoestima, essas bauruenses afirmam que a doação faz você se sentir muito bem e que as mexas crescem depois de um tempo!

“Se você pode ajudar em algo, faça! É uma sensação maravilhosa poder ajudar alguém que precisa. Essas mulheres se encontram muito fragilizadas e a autoestima e a autoimagem são muito importantes para elas. Cabelo cresce e isso é um gesto de solidariedade”, estimula Caroline.

Quero doar, como fazer?

Ficou com vontade de doar mas não sabe como? A gente te explica:

  • O cabelo pode ser de qualquer cor, inclusive grisalho, e não importa se ele tem química ou não;
  • Os fios devem ter no mínimo 20 cm de comprimento, medido a partir do elástico de amarrar;
  • Se você o cortar em um salão, avise o cabeleireiro que ele será doado, pois os fios precisam ser presos bem firmes e o corte deve ser feito com o cabelo seco;
  • Evite enviar o cabelo molhado, pois ele pode estragar e inviabilizar o uso;
  • Para quem vai enviá-lo pelos Correios, é recomendado que o amarre em uma sacolinha para depois colocar dentro da caixa ou do envelope.

*Vale lembrar que cada instituição tem suas próprias regras na hora de receber as doações de cabelo.

Compartilhe!
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Disciplina positiva: fonoaudióloga de Bauru explica o que é esta abordagem e como aplicá-la

A disciplina positiva é uma abordagem baseada no trabalho do médico e psicólogo Alfred Adl…