Há 18 anos, a Mostra de Teatro Paulo Neves movimenta o cenário cultural de Bauru. Neste ano, a 18ª edição do festival será realizada de 24 de janeiro a 03 de fevereiro com apresentações e diversas ações.

Organizado de forma independente desde 2001, a mostra tem ampliado suas ações para além das apresentações dos alunos do Curso Livre. Segundo os organizadores, é importante auxiliar na formação do público e na ampliação do diálogo com outros artistas da cidade.

A novidade para 2019 é o “sistema pague quanto vale”, proposto para as ações que acontecem nos espaços alternativos. Com essa ideia, o público decide, ao final, quanto vai investir. A partir disso, amplia-se também o pensamento sobre o quanto vale a arte que está sendo produzida e consumida.

A mostra conta com diversos espetáculos gratuitos. Já as apresentações realizadas no Teatro Municipal cobra-se o ingresso por R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia-entrada) e R$ 8,00 (valor promocional para alunos do Curso). Os convites podem ser adiquiridos pelo site “Mega Bilheteria“, na Casa de Cultura Celina Neves ou na bilheteria,
uma hora antes do espetáculo.

Confira a programação completa da XVIII Mostra de Teatro Paulo Neves:

24 de janeiro (quinta-feira)

– Jam Session de todo mundo

Evento de improviso musical coletivo onde 4 músicos são responsáveis por “puxar” o som utilizando bateria, percussão, guitarra e contrabaixo. A ideia é que as pessoas presentes (público) possam participar da improvisação. Quem tiver instrumento, leva; quem não tem, pode escolher dentre os que estarão disponíveis no chão, contribuir com palmas, cantos ou simplesmente curtir o som.

Local: Casa de Cultura Celina Neves
Horário: 20h
Sistema pague quanto vale

25 de janeiro (sexta-feira)

– Bate-papo: “Profissão: artista”

Ação proposta em parceria com a Associação de Teatro de Bauru. Artistas convidadas: Mariza Basso (Mariza Basso Formas Animadas), Val de Castro (Giralua Companhia de Artes) e Paulo Balderramas (FantoCia Teatro Infantil). Mediação: Talita Neves (Coletivo da Casa).

Local: Casa de Cultura Celina Neves
Horário: 20h
Gratuito

26 de janeiro (sábado)

– Espetáculo “Entre espaços inventados”

Isso, mais ou menos, sou eu. (Ou desculpa, isso é o que eu consigo ser. Também estou me acostumando com essa ideia). Há muita inquietação por baixo dessas águas cotidianas. O rio corre junto com o tempo. Mas eu prefiro não pensar sobre isso. Parar para pensar sobre isso me angustia. É hora de tirar os disfarces e reavaliar-me. Quem sou eu? O que estou fazendo enquanto o fluxo do tempo e da vida me atropela? É chegado o momento de respirar fundo e mergulhar por entre tantos espaços inventados. (Espetáculo convidado – Coletivo da Casa).

Local: Casa de Cultura Celina Neves
Horário: 20h
Recomendação-etária: 14 anos
Duração: 120 minutos
Capacidade de público: 20 pessoas
Sistema pague quanto vale
Necessário encaminhar e-mail para [email protected] para reservar lugar.

27 de janeiro (domingo)

– Espetáculo: “O doente Imaginário”

Uma comédia de Molière que conta a história de Argan, um velho hipocondríaco que quer casar sua filha (Angélica) a qualquer custo com um médico (Tomás Disafôuros), apenas para suprir os anseios de suas doenças imaginárias. Porém, a jovem é apaixonada por um jovem simples (Cleanto) que nada tem a ver com a medicina. O casal conta com o auxílio da serviçal da casa (Nieta), que ainda ajuda, junto do irmão Argan (Beraldo), a desmascarar o interesse de Belinha,
segunda esposa de Argan, por quem ele é perdidamente apaixonado.

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 12 anos
Duração: 90 minutos

28 de janeiro (segunda-feira)

– Oficina: “Operações Coletivas – O Corpo em Massa com Chico Lima”

Oficina de dança formada por uma série de encontros onde são compartilhados exercícios coletivos de criação e improvisação que exploram relações coreográficas de composição dentro de um coro comum por exemplo, uníssono, contraste, relação espacial, dinâmica, etc. Através do estudo das possibilidades motoras da estrutura corporal (articulações, apoios, coluna vertebral) experienciaremos estados de dança onde serão valorizadas as singularidades de cada corpo, sem um modelo ou estilo a ser seguido, entendendo como dançar juntas essas diferenças coreográficas.
Autoria, responsabilidade, liderança, interconexão e cooperativismo serão discutidos na prática, em exercícios que colocam o corpo em regras e liberdades que potencializam a percepção de interdependência dos indivíduos dentro de um grupo.

Local: Casa de Cultura Celina Neves
Horário: 14h

– Espetáculo: “Tentativas contra o vento”

É uma prece circular, uma evocação de uma visão. A transmissão de uma mensagem captada pelo corpo. Uma tentativa alquímica constante de transformar a matéria corpo em outra coisa, entregar-se ao vento e aprender a permanecer e seguir.

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 12 anos
Capacidade de público: 70 pessoas
Gratuito

29 de janeiro (terça-feira)

– Retalhos Cênicos

Artistas convidados: Marcelo Pinho, Josiel Rusmont (música), Sinuhe LP e Lucali – Dikhotômico (música), Ana Laura Aiko e Mariana Brunatti de Moraes (teatro), Raissa Foschiani (música), Tobias Terceiro (dança), Bauru Breakers Crew (Hip Hop), Ana Paula Mereu (música), Victor Deluzzi (teatro), Tatiana Santiago e Mariana Harue – Casa do Circo (circo), Lizze Ferrer (música), Circômicos (circo) e Centro de dança Giracorpo. Mestre-sem cerimônias: Marcelo Pinho.

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: livre

30 de janeiro (quarta-feira)

– “Que seja infinito enquanto dure”

Falar de amor hoje, Paulo Neves, você está louco! Falar de romance hoje, Paulo Neves você pirou! Falar de sentimentos hoje, Paulo Neves você está na contramão da História! Falar de companheirismo, hoje, quando o que vale é o Iphone, Whatsapp, Iphone X, Galaxy note8, LG67, Paulo Neves você ficou atrasado! Por tudo isso que resolvi montar “Que seja infinito enquanto dure”, frase famosa de Vinícius de Moraes, que casou 8 ou 9 vezes. Montei uma cena deste espetáculo em 2010, fiz uma remontagem de “Tudo de Mim”; e saiu “Que seja infinito enquanto dure”. Hoje eu ando muito desacreditado de quase tudo, mas o “Stand by me” me faz bem. Sei que o tempo não pára, mas eu tenho um pouco de paciência para olhar para trás e sentir tudo isso que as pessoas negam. O amor precisa de uma clareza de visão, não é só celular e olhar para tela pequena, média, grande, isso não é sensibilidade. Olhos nos olhos e daí o entendimento. Eu acredito!

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 12 anos
Duração: 60 minutos

31 de janeiro (quinta-feira)

– Intervenção cênica: “O Mistério de Pona”

Com o desejo de investigar a infância de antigamente, foram propostas vivências partindo de brincadeiras, cantigas, construções de brinquedos e rodas de conversa, no intuito de resgatar elementos do alvo estudado. A partir do material resgatado, de estímulos literários e das artes visuais, os alunos trabalharam na criação de uma dramaturgia própria.

Local: Teatro Municipal
Horário: 19h
Recomendação-etária: livre
Duração: 20 minutos

– “Feliz.cidade”

Onde se encontra a felicidade? Em uma barra de chocolate? Um quarto de almofadas brancas? As questões nos rodeiam e viajantes ainda irão chegar. É necessário ter coragem para ser feliz? Ou um guarda-chuva já basta? Até porque Lá
chove demais e os banhos deverão ser mais curtos. Mas, tudo cessa quando Ela vem. O que Ela sabe? Será que Ela é feliz?

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: livre
Duração: 40 minutos

01 de fevereiro (sexta-feira)

– “O bem amado”

Na cidade baiana de Sucupira, vemos emergir o político Odorico Paraguaçu, mediante o auxílio de populares admiradores dessa figura irônica. Movidos por um desejo criado e instigado pelo próprio candidato, vemos o povo eleger e aclamar Odorico nas eleições municipais. A partir desse fato, o então prefeito não medirá esforços, o caráter e o bom senso para alcançar seus objetivos políticos pessoais, pois afinal “os fins justificam os não obstantes”.

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 10 anos
Duração: 75 minutos

02 de fevereiro (sábado)

– “Naquele quintal tem história”

Naquele quintal a história pode começar com um “era uma vez” e (quem sabe) terminar com um final feliz… Depende dos ventos que sopram e dos personagens que compõe essa história. Naquele quintal há brincadeiras, lenços, crianças, brisas leves e tempestades. Fique atento às notícias do jornal. Olhe o céu com atenção, alguma boa notícia pode estar a caminho.

Local: Teatro Municipal
Horário: 16h
Recomendação-etária: livre
Duração: 50 minutos

– “Ascensão e queda da cidade de Mahagonny”

Bem-vindo a Mahagonny! Todos os (des)contentes do mundo estão por aqui! Hospede-se no nosso hotel e vivencie experiências inesquecíveis. Aqui você pode descobrir mais sobre a felicidade humana. Aqui tudo é permitido. Venha para Mahagonny! Lá ontem mesmo perguntaram de você!

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 12 anos
Duração: 100 minutos

03 de fevereiro (domingo)

– “A meninda que buscava o sol”

O que você ser quer ser quando você crescer? Eu decidi ser inventora e assim, inventei a história da Putz, a menina que, um dia, decidiu buscar o Sol. Nessa busca, ela ganhou novos amigos e aprendeu diversas lições com todas as figuras que cruzaram seu caminho. Ei você, se olhar com mais atenção, pode descobrir coisas incríveis no seu cotidiano.

Local: Teatro Municipal
Horário: 16h
Recomendação-etária: livre
Duração: 50 minutos

– “Mais forte que o tempo”

Completando 50 anos de direção teatral encerro com este espetáculo “Mais Forte Que o Tempo” o meu trabalho de peças autorais. Este espetáculo é uma colagem que fiz nos últimos dez anos sobre o emblemático, difícil, cheio de vertentes e as utopias criadas em 1968. “1968 foi um ano muito especial. A medida que passa o tempo você tem certeza que foi um momento especial …. Foi um movimento planetário … Eu diria hoje foi um movimento globalizante. Acho que foi a primeira manifestação da globalização, antes mesmo da globalização existir. Nunca houve um ano como 68 e é improvável que volte haver…”, Jornalista Zuenir Ventura.

Local: Teatro Municipal
Horário: 20h
Recomendação-etária: 12 anos
Duração: 60 minutos

Serviço

XVIII Mostra de Teatro Paulo Neves
Data: de 24 de janeiro a 03 de fevereiro
Locais: Casa de Cultura Celina Neves (Rua Gerson França, 6-66) e Teatro Municipal de Bauru (Avenida Nações Unidas, 8-9)
Contato: (14) 3242-1150 / (14) 991191859 / [email protected]
Facebook: www.facebook.com/MostradeTeatroPauloNeves

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bloco Domingo Pé de Cachaça vai às ruas de Bauru com novidades em 2019

Em sua 9ª edição, o bloco Domingo Pé de Cachaça será no dia 24 de fevereiro, aqui em Bauru…