O Dia do Jornalista foi dia 07 de abril, mas podemos nos lembrar dessa profissão todos os dias, já que o jornalismo informa sobre quase tudo ao nosso redor.

Não estou exagerando! Hoje em dia o jornalismo é o braço direto da comunicação. As notícias, fatos e acontecimentos do dia a dia, chegam à população através do jornalismo. Dessa forma, a profissão apresenta os acontecimentos à população desde a apuração dos fatos até a entrega da notícia.

Independente do veículo em que a notícia será exibida, o jornalismo passa credibilidade aos espectadores. Assim, desperta o interesse e a confiança aos mesmos.

1001 faces do jornalismo

Jornalismo é mais que televisão e jornal impresso e são inúmeras as áreas em que o profissional pode atuar.
Pensando nisso, conversamos com jornalistas bauruenses para apresentar as diferentes atuações dessa profissão e o que cada uma delas fazem.

Assessoria de comunicação

Vamos chamar a assessoria de ponte. Sim, a assessoria é a ligação entre a empresa/pessoa e as mídias. Um assessor cuidará da divulgação de determinada empresa e terá o dever de divulgá-la. Assim, ele faz as redações e as chamadas de releases e envia aos veículos de comunicação, para divulgar o produto ou serviço.

Bruna Dias é jornalista e está na área há 10 anos! Para ela, ser jornalista é ter uma responsabilidade grande de informar e ser assessora é contar novas histórias, novas informações de maneira clara e interessante.

“É uma área promissora e desafiadora, além de ser intensa por ter que ficar sempre antenada com tudo, com as novidades, as pautas do mercado e com jornalistas locais, regionais e nacionais. É igual profissão de médico, fica 24 horas de plantão só que de formas diferentes!”, comenta Bruna.

Fotojornalismo

Essa é a profissão que une fotografia ao dever de informar. O fotojornalista trabalha na captura de fotos para divulgar à sociedade, sem deixar de lado a essência de jornalista.

Samantha Ciuffa trabalha com a união dessas duas profissões e, para ela, fotojornalismo é exercitar diariamente o seu olhar e a sua sensibilidade. Ela ainda comenta que as fotos jornalísticas têm vários objetivos, mas o maior deles é o de sensibilização. Além disso, a linguagem imagética é universal.

“Sou suspeita para falar, mas acredito que o fotojornalismo é uma das áreas mais importantes da comunicação. Principalmente no mundo de hoje, onde a profusão de imagens é cada vez maior”, aponta Samantha.

Televisão

Essa é área mais conhecida do meio jornalístico, mas não vai pensando que o jornalista é só o âncora do telejornal. As atuações são em incontáveis partes.

Isadora Venturini trabalha com TV e ela conta que não é um trabalho fácil. Ser jornalista é ter a consciência de que temos a informação na palma da mão e de saber o que fazer com ela, tanto para o bem quanto para o mal.

Para a jornalista, o melhor da profissão é não ter rotina! É poder conhecer várias pessoas, fazer contatos, amizades e poder saber de coisas que muitas pessoas não sabem.

“Eu faço realmente o que gosto, o que eu amo. Ser jornalista é ficar, às vezes, sem dormir, porque uma história te tocou ou te deixou com muita raiva por você não poder fazer nada”, finaliza.

Jornalismo impresso

Quem não conhece né? Aquele jornal que você recebe em casa é um dos mais tradicionais meios de veicular notícia. Vitor Oshiro é jornalista e está há quase 10 anos na área.

Para ele, ser jornalista significa ser um contador de histórias. As pessoas podem traçar várias e várias definições sobre o que é ser jornalista diante das inúmeras funções que o profissional pode ocupar, mas, no fundo, tudo se resume a contar histórias.

Vitor explica que a diferença do impresso é exatamente o modo de contar a notícia. Já que o impresso tem que ser mais aprofundado, interpretativo e analítico.

“Eu acho que o impresso é um meio de comunicação fundamental. Todas as plataformas têm seus prós e contras e, por isso, acho que elas devam coexistir. Em minha opinião, o impresso está cada vez mais entendendo seu papel!”, afirma, Vitor.

Rádio

O queridinho de todos! Rádio é um dos mais tradicionais veículos de comunicação. Além disso, se destaca por ser um dos mais ágeis ao entregar informação à população.

Gabriel Pelosi explica que ser jornalista é contribuir para o esclarecimento das pessoas e a construção da cidadania. Fazer a diferença de alguma forma. Uma profissão que hoje tem seus desafios, como nunca antes.

O jornalista está há 16 anos na área e comenta que o rádio representou o redescobrimento do jornalismo para ele.
“Trabalhei em várias áreas do jornalismo: impresso, digital e assessoria de imprensa, mas o rádio revigorou meu modo de ver a profissão. O friozinho na barriga de estar no ar é apaixonante”, diz.

Jornalismo digital

É um dos meios mais recentes e mais utilizados hoje em dia. O jornalismo digital é uma fonte de informação ágil e precisa, por isso muitos veículos, como o rádio e a televisão, também utilizam a plataforma digital para realizar seus trabalhos.

Bruna Ferreira é jornalista da área digital e explica que o melhor lado disso tudo é conseguir ter acesso às histórias e isso encanta na profissão. Além de ser uma prestação de serviços e ajudar muitas pessoas.

Bruna é jornalista desde 2015 e considera o meio digital encantador. “É um mundo sem fim! É um contato diferente com o público!”, explica.

Para ela, trabalhar nesse meio torna as matérias mais dinâmicas e diferentes na hora de se produzir, através das possibilidades de reinventar com infográficos, vídeos e imagens.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Vivian Messias
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

O palco é delas: bauruenses provam que o lugar da mulher é tocando instrumentos!

Seja na guitarra, violão, contrabaixo, bateria ou piano, as mulheres já dominaram os instr…