Um dado sobre os animais de rua no Brasil: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem 30 milhões de gatos e cachorros abandonados no país.

Em Bauru há quase 50 mil gatos e cães, contudo, esses dados são de seis anos atrás. O Centro de Zoonoses não calcula o número de abandonados hoje em dia. Mas não precisamos ir muito longe para ver os animais pelas ruas da cidade.

Muitos gatos e cachorros estão em situação de rua e, alguns bauruenses, mostram que não importa se o cachorro é de raça ou não. O amor por esses animaizinhos vê coração e não cara.

Amor à primeira vista

Quando o assunto é gatinhos, a bauruense Tina Kara não mede esforços para ajudar. Ela tem dez felinos e todos eles “de rua”.

A primeira gata apareceu em seu telhado, em 2015. Ela lembra que foi amor à primeira vista e, mesmo nunca tendo gatos, ela a acolheu em sua casa.

“Foi amor à primeira vista e eu fiquei com ela. Na verdade, ela ficou comigo, porque dizem que o gato escolhe o lugar e a pessoa, e não o contrário”, conta Tina.

A partir daí, a família animal de Tina apenas cresceu. Todos são animais adotados ou em situação de rua, nenhum foi comprado.

Além da Pelúcia, a primeira gata, Tina também ganhou os filhotes de Pelúcia, Príncipe e Preguiça. E não para por aí, a bauruense ainda tem a Margarida e seus quatro filhotes (Bali Bali, Pepis Pepis, Violeta e Bromélia) e a Pipoca, resgatada da rua.

E na manhã de dezembro de 2018, Tina acordou com uma filhote pretinho de olhos verdes dentro do motor do carro. Hoje, a Pantera Negra também faz parte da família.

A adoção de animais de rua pode fazer bem tanto para o animalzinho quanto para quem adota. Foi o que aconteceu com Aline Polisinani. Há cinco anos, ela viu uma postagem no Facebook pedindo ajuda, foi assim que conheceu a Berimbela. Há dois anos, da mesma forma, conheceu Costelinha. Ambas fazem parte da família de Aline.

“Adotar para mim, além de salvar vidas é uma forma de combater o comércio e exploração dos animais. O amor que você recebe em troca, após adotar, é algo impagável”, comenta ela.

A situação dos animais de rua

Muitos animais de rua se encontram em situação complicada, normalmente, com doenças de pele, verminoses e outros problemas de saúde. Muitos deles já tiveram lar e sofreram abandono pelo descaso de alguém. A maioria é SDR (sem raça definida) devido ao cruzamento disseminado nas ruas e à falta de controle epidemiológico.

Segundo a veterinária Mariana Motta, da Clínica Popular Pet, os donos devem ter consciência antes de adotar ou pegar um animalzinho e saber que, seja um cachorro ou um gato, é uma vida.

“Infelizmente a primeira dificuldade que o tutor enfrenta com seu animal, o mesmo é colocado a rua, seja por alergias, seja por animais ativos e indisciplinados, mudança de casa ou cidade são motivos ‘fortes’ para o dono descartar em qualquer estrada à mercê do destino”, ela explica.

animais de rua
Essa cadelinha foi encontrada pela Doutora Ana Carla e está para adoção!

Além do abandono, muitos animais de rua são SDR. Eles são os mais difíceis de serem acolhidos, já que grande parte das pessoas ainda têm preconceito, é o que explica a veterinária Ana Carla, da Clínica DrogaVet.

“O preconceito é o mal do mundo, deixa as pessoas cegas, essas nunca saberão o que é um olhar de gratidão, uma lambida de carinho simplesmente pelo fato de ter se alimentado. O amor de um animal resgatado é regado de alegria, simplicidade e agradecimento”, conta.

Cuidado com o animalzinho

Se você vai adotar um cachorro ou gato de rua saiba que algumas coisas devem ser levadas em consideração. Quando o assunto é a saúde do animalzinho, o máximo de cuidado é pouco.

“É de suma importância passar por um médico veterinário para realizar exames hematológicos e fazer toda a transição para a adoção, pensando na saúde de todos os moradores da casa e, principalmente, se a residência tem mais animais. Assim, após este processo, o animalzinho pode ganhar um lar para chamar de seu. Lembrando de ter paciência e muita amor com esses animaizinhos, que já sofreram tanto na rua”, explica Mariana Motta.

Ainda assim, nem sempre para ajudar um animal você precisa levá-lo para dentro de casa. Muitas pessoas não podem ou não tem condições de cuidar de um cachorros ou gato. Mas ainda há uma forma de ajudar esse animais.

“Hoje, as redes sociais ajudam muito. Portanto se uma pessoa não pode resgatar mas quer ajudar, compartilhe fotos à procura de um lar, faça rifas para angariar dinheiro e ajudar nos custos veterinários e de hospedagem. Pra ajudar é só querer, um pouquinho que cada pessoa faz é o que tira muitos animais das ruas”, afirma a doutora Ana.

O mínimo que você fizer para ajudar um animal de rua é muito para ele.

Salve os animaizinhos de Bauru

Aqui em Bauru, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) dá cuidados e busca lares bauruenses para os animais de rua da cidade. O CCZ disponibiliza cães e gatos resgatados para doação. São filhotes e adultos que buscam por um companheiros humanos.

Os animais do CCZ passam por exames, vermifugação e castração antes de serem colocados para adoção. Depois de adotados, os animais continuam a receber acompanhamento de um fiscal por meio de visitas domiciliares.

Para adotar, os bauruenses devem apresentar documento de identificação com foto, CPF e comprovante de residência.

O horário de funcionamento da CCZ é de segunda a sexta, das 08h às 17h e fica localizado na R. Henrique Hunzicker, 217.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Saiba como ajudar o circo que ficou preso em Bauru

O Circo Moscou Internacional, que está em Bauru no momento, tem muita história para contar…