A arte de tatuar é algo que se populariza cada vez mais! Bauru acompanha esse crescimento e podemos notar isso com o aumento do número de tatuadores que a cidade vem ganhando.

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o número de estúdios de tatuagem cresceram 24,1% no Brasil durante janeiro de 2016 e 2017. Só no site da Solutudo são 70 estúdios cadastrados em Bauru.

Com tantos profissionais, acaba sendo um desafio saber quais são qualificados e como escolher o melhor! Por isso, conversamos com profissionais que estão há anos na área e vão dar dicas de como descobrir como escolher o profissional ideal.

Para começar, quando surgir o desejo de fazer uma tatuagem, busque referências com pessoas que já passaram pela experiência. Recomendações em geral podem ajudar você a chegar ao melhor profissional ou ao que mais se identifica.

Olhar o trabalho de vários profissionais, evitar opções mais baratas e conversar com tatuadores são dicas importantes na hora de decidir com quem se tatuar.

Voz da experiência

Paulo Bueno é tatuador há 18 anos e se encantou pela arte de tatuar quando viu um amigo ‘rabiscando’. Com o tempo, Paulo criou seu próprio estilo e, mesmo passando por todas as características de desenhos, hoje, ele trabalha com a especialidade de realismo.

O tatuador explica que esse crescimento de profissionais no mercado é efeito da evolução da tattoo! Dessa forma, as pessoas estão vendo, na arte de tatuar, a possibilidade de ganhar dinheiro.

Para ele, a escolha do melhor profissional acontece pela identificação com o trabalho. “Acho importante o cliente que está interessado em fazer uma tattoo pesquisar bem o estilo da tatuagem com que ele se identifica”, comenta Paulo.

Outra forma de descobrir profissionais é pela internet. Hoje em dia, a busca online nos dá um leque de possibilidades e tatuadores. Paulo tem maior parte do seu trabalho divulgado por meio das redes sociais.

Tatuadores: trabalho e estilo de vida

Há 23 anos na área, Rogério Castilho começou a tatuar aos 15 anos. Para ele, a tatuagem é um estilo de vida e o trabalho de criar arte na pele das pessoas é incrível!

No começo, o tatuador explica que foi difícil, porque não existia internet. Assim, todas as referências vinham de revistas e da criatividade. Ele ainda comenta que a parte mais importante na hora de fazer uma tatuagem é a escolha do profissional!

Eu sempre digo para meus clientes: quando for escolher um tatuador, sempre procure os trabalhos que ele já fez. Porém, tem que ver pessoalmente, porque muitos tatuadores publicam tattoo fake usando imagens da internet como se fossem deles”, explica Rogério.

Cada tatuador tem um diferencial! Cada um escolhe uma forma de trabalhar e apresentar sua arte de acordo com o desejo do cliente.

Rogério se classifica como um tatuador comercial, que atende a todos os tipos de especialidades da tatuagem, mas tem como foco as coberturas de tatuagens. “A cobertura, eu acredito que seja meu diferencial! Não costumo perder trabalhos, mesmo sendo impossível para outros, vou lá e pego como se fosse um desafio pra mim!”, diz.

A tattoo perfeita!

Paulo Bueno comentou, em entrevista, que a tatuagem é algo que a gente não escolhe, ela sai de dentro da gente e tem que ser algo com um significado.

“Nós temos uma preocupação grande em atender cada cliente e conversar antes para entender o que ele quer e colocar isso na tatuagem”, completa.

Para Rogério funciona da mesma forma, a tatuagem é algo pessoal e vai ficar na pele para sempre.

“Cada um tem seu estilo e seu gosto, então é importante ser muito profissional ao escolher algo para seu cliente. Eu, normalmente, sento com ele e fico pesquisando até achar algo que o cliente curte. Só depois eu entro com a minha arte”, finaliza.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Vivian Messias
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

A primeira impressão é a que fica, os bauruenses são receptivos com os gringos?

Sempre damos mais valor à opinião dos outros do que às nossas, né? Pensando nisso, pergunt…