Você conhece a técnica de tatuagem chamada cover up? Esse procedimento é muito eficaz na cobertura de outras tatuagens. Mas não é só isso! O cover up também pode ser usado para cobrir cicatrizes em qualquer parte do corpo.

Apesar da cobertura não apagar completamente cicatrizes ou queimaduras, é uma alternativa para quem dar um novo significado ou simplesmente apagar uma marca.

De bem com a vida

As tatuagens cover up tem se popularizado muito entre as pessoas. Pacientes que passam por cirurgias plásticas recebem indicações médicas para o procedimento.

Contudo a cobertura de cicatrizes e marcas corporais não é um procedimento fácil. Isso, porque é necessário que o tatuador faça uma análise preliminar de cada paciente. A tattoo pode sim ajudar a melhorar a autoestima de uma pessoa, mas o autoconhecimento e a autoaceitação também são essenciais para o processo.

É o que explica o tatuador Marcelo Paro: “Como tatuador, eu prezo por respeitar ao máximo a individualidade de cada pessoa. Por isso, antes de tatuar, eu converso com o cliente e o ajudo a entender sobre o que aquela marca significa para ele”.

As cover ups vão muito além da estética, são uma forma de dar um novo significado para a vida da pessoa.

Tatuagem, amiga do peito

Outro processo muito comum entre os tatuadores é a micropigmentação paramédica. Essa técnica tem como objetivo reconstruir auréolas em mulheres que retiraram a mama.

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), por volta de 70% das brasileiras com câncer de mama precisam recorrer à cirurgia de retirada. Atualmente já existem procedimentos de reconstrução da mama. Portanto, as tatuagens são uma forma de deixar o trabalho ainda mais perfeito, dando a cor natural da auréola e do mamilo.

Aqui em Bauru, Angelita Padro é tatuadora há 12 anos e há seis faz a micropigmentação. Para ela, o procedimento é muito maior que uma simples tatuagem e atua como uma troca. Enquanto a tatuadora devolve a autoestima das mulheres, as clientes ensinam a superação de obstáculos.

“É impossível não se emocionar com as histórias das mulheres que chagam a mim e, principalmente, com a transformação imediata de cada mulher que atendo”, comenta Angelita.

Na visão da tatuadora, uma mulher que retira a mama passa por um turbilhão de emoções e a tatuagem ajuda a fechar um ciclo e a resgatar como eram antes da cirurgia.

“O seio é algo importantíssimo par nós mulheres. Não é só a estética, ele é fonte de amor, alimento e acolhimento. E é isso que elas procuram, um resgate delas, do corpo e da alma”, ela complementa.

Nova vida

Uma das pacientes de Angelita é a bauruense Denise Marinho da Silva. Com apenas 27 anos, ela retirou a mama devido à mastectomia. Recém-casada e com um filho ainda jovem, a mulher se viu devastada.

Denise viveu anos de sua vida sem uma das mamas até fazer a cirurgia de reconstrução. Seu médico, então, recomendou a micropigmentação.

“No começo, eu achava que o procedimento era uma coisa desnecessária. Após conhecer a Angelita por meio do grupo Amigas do Peito, eu repensei e fiz o procedimento. Hoje são 10 anos de reconstrução de mama e eu me sinto muito bem!”, Denise conta.

Assim como Denise, outras mulheres também enxergam na tatuagem de reconstrução uma forma de se sentirem bem consigo mesmas.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Acima de tudo, fãs: bauruenses contam quais são suas paixões inusitadas

Nem só de músicos ou atores famosos vive um fã.  Ser fã faz parte da vida da maioria das p…