A Associação Bauruense de Desportes Aquáticos (ABDA) fechou parceria com o Laboratório de Fisiologia e Desempenho Humano (LAFIDE) da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Assim, os atletas de polo aquático da instituição estão participando de testes para melhorar o rendimento físico nas competições.

Os experimentos são feitos por meio do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Motricidade, com profissionais de educação física, fisioterapia e biomedicina. Portanto, além das pesquisas beneficiarem os atletas, beneficiam também os alunos da Unesp, auxiliando-os em sua formação.

A parceria foi fechada no início de 2019, mas a ABDA e Unesp já tinham projetos desde 2013. O acordo foi feito entre o coordenador Alessandro Zagatta do laboratório da Unesp, o mantenedor da ABDA, Claudio Zopone, e o coordenador da ABDA, Vinicius marques.

Foto: Assessoria ABDA

Medalha de ouro para os pesquisadores!

Segundo o coordenador do laboratório, os testes começaram há dois meses e os resultados já são positivos. As atletas do polo aquático foram uma das primeiras a passar pela avaliação e alcançaram os resultados com menor tempo já feito por elas.

“Mexemos no treino do time de polo feminino e fizemos uma intervenção controlando, de forma precisa, o treino. Todas as meninas que participaram dos testes bateram o melhor tempo da vida de nado”, explica Alessandro.

Dessa forma os pesquisadores ajudam os atletas a partir dos monitoramentos, avaliações diagnósticas e outros meios de intervenção. Dentro disso estão incluídos métodos de melhoria para os treinos, linha de recuperação pós-treino e acompanhamento para identificar algum déficit de desempenho com intuito de corrigi-lo.

Além disso, os atletas de polo aquático masculino passaram por três testes, que são:

  •         Testes de agilidade ou habilidade de esforço repetido;
  •         Testes de salto;
  •         Testes de limiar anaeróbio.
Foto: Assessoria ABDA

As pesquisas são realizadas em atletas de alto rendimento da ABDA. Mas, os pesquisadores projetam fazer um banco de dados com a instituição toda. Dessa forma, será feito um controle desde a criança até os atletas mais velhos.

Para o coordenador da ABDA Vinícius Marques, esses resultados têm sido importantes, pois os testes oferecem dados detalhados de como cada atleta está fisicamente. Portanto isso serve como um norte para os técnicos e preparadores físicos programarem toda a periodização de treinos ao longo da temporada.

Além disso, essa parceria é essencial aos pesquisadores que recebem material humano para desenvolver as pesquisas.

O coordenador ainda enfatiza a importância de manter essa parceria, “Pretendemos continuar juntos e unir ciência ao esporte! Isso é essencial para conseguir tirar o 100% de todos os atletas“, finaliza.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Vivian Messias
Carregar mais em Saúde e Esportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Do diagnóstico ao tratamento: Tudo o que os bauruenses precisam saber sobre Alzheimer

Se você tem algum histórico de Alzheimer na família, mas não entende muito sobre o assunto…