Se você, meu amigo e minha amiga, já têm seus 25 anos para cima, provavelmente deve saber do que eu estou falando. Pelo menos, acho que a maioria, ou não. Época boa, época que o fígado ta “baum”, que o corpo se recupera rápido, que você só tem a temida ressaca, que no outro dia você até poderia falar “eu nunca mais vou beber na vida” e
no próximo fds (final de semana) já estava pronto para outra. Cerveja, vodka, ou qualquer outra coisa, até misturar, descia que é uma beleza e não havia PREOCUPAÇÃO NENHUMA com o outro dia.

Beber de semana então…
-vamo?
-vamo!

Acordar no outro dia para trabalhar não era uma dificuldade. Aliás, pra quê dormir? Bora ir direto mesmo pro “trampo”. Dependendo da resistência de cada pessoa, emendava um rolê no outro, ai se eu perdesse um show, uma balada, um barzinho, um churrasco. Tinha que ter história pra contar. Ahhh e como tem, né?!

Mas como sabemos, tudo que é bom, dura pouco. Você começa a perceber que seu corpo não responde mais. Aquele happy hour de quarta-feira estragou a sua quinta. Não dormiu direito, uma dor no corpo. Aquele encontro marcado para sexta com a turma foi cancelado e passou para sábado à noite. Pelo menos temos algumas horas de descanso.

Quando você percebe, sair de semana é praticamente impossível e você começa a pensar 2, 3, 4, 5x antes de aceitar, tendo a possibilidade de chegar na hora e cancelar com todo mundo. E do outro lado da tela do celular, todos dando graças a Deus porque não vai precisar mais sair.

Principalmente porque a grana curta e você sabe que o outro dia de trabalho será cansativo. Você ainda se esforça, tenta manter o ritmo, mas seu organismo parece que pede para você ficar deitado o final de semana inteiro assistindo série na Netflix. Mas ainda se reunir com o pessoal de final de semana vale a pena.

“Mas vamos mudar horários? Que tal marcar às 12h, assim pelo menos termina até uma meia noite… Assim consigo dormir e acordar bem no domingo”, pensamentos assim serão cada vez mais recorrentes.

Até que você resolve extravasar e você percebe o problema. Você bebeu todas, não comeu direito, tomou até ENGOV – presença confirmada em todos os eventos – mas não adiantou. Seu corpo não aguentou, você passou mal, vomitou, ficou com dor de cabeça, ficou deitado o dia inteiro e não conseguiu aproveitar seu dia que seria de descanso para começar a semana de novo de trabalho. Mas só lembrando, esses sintomas só acontecem quando você tem menos de 25 anos, agora, você fica DOENTE!

Argh! Segunda-feira. Que dor no corpo. Dor na barriga, dor na nuca, nos braços, nas pernas. Estou com sono, não consegui dormir direito esta noite. O dia será longo, a semana, então, nem se fala. Comida, não quero. Por favor, me vê um copo d’água? Segunda-feira dia de academia? Que nada, vou descansar. Preciso dormir. Acho que vou ficar gripado.

Terça-feira ainda não consigo me alimentar direito, ainda sinto dores no corpo, mas vou tentar ir na academia… 15 minutos depois, “não aguento mais puxar peso”, “não consigo nem respirar”, “porque fui inventar de beber tanto esse fim de semana?”. Pois é, a idade chega uma hora pra todo mundo, uns mais tarde, outros mais cedo. Mas
independente disso, saudade da época que eu só tinha ressaca e não ficava doente.

E você, já chegou nessa fase também?

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isadora Venturini
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Archimedes: Dado da Paz para uma nova mentalidade de vida

A sociedade brasileira e mundial vivem momentos de apreensão, angústia, medo, incertezas, …