O teatro é uma arte que está inserida na sociedade há séculos. Dentre os benefícios que essa prática proporciona, destaca-se a possibilidade de praticá-la independente da idade. Nesse sentido, o Grupo de Teatro Fazendo Arte atua em Bauru há 20 anos e ensina teatro para a terceira idade. Esse é um projeto que começou na USC e hoje caminha de forma independente com sete alunos.

Em parceria com a Casa da Cultura Celina Neves, o grupo utiliza o espaço para ensaios e processo de criação. A professora Edna Godinho ministra as aulas para o grupo há mais de dois anos e explica que estar no teatro beneficia muito os idosos na comunicação, na criação e na memorização.

“Eles trabalham com textos constantemente dentro das falas dos personagens! Então, isso ajuda na memorização, no processo de criação, na timidez e também a dialogar melhor”, completa Edna.

Luz, câmera, ação…

Nos últimos dois anos, o grupo já apresentou um espetáculo e uma Mostra de Cenas Curtas do Paulo Neves na Casa da Cultura, no Espaço Protótipo e na ABCC. O processo começa pelos ensaios, então os alunos montam um espetáculo e depois procuram um local para apresentar o teatro.

Neste ano, o grupo brilhou na criação da peça “O Amanhã!”, que relata a preparação da aposentadoria e discute a questão de “ser o fim do mundo”. Além disso, a peça destaca a importância dessa fase para os idosos e as formas de levar a vida quando chega a terceira idade.

Edna destaca que, além de professora e diretora do grupo, é amiga de todos os alunos. “É muito gratificante, sempre falo que aprendo mais do que ensino!”, diz.  E é nessa troca de experiências que o Grupo Fazendo Arte continua crescendo.

Só aluno nota 10!

Ana Querino é aposentada e faz teatro há 18 anos. Ela começou quando o projeto ainda funcionava pela USC e, desde então, não largou mais os palcos!

Ana comenta que estava precisando de algo diferente na rotina e na vida e decidiu optar pelo teatro. Assim, a atriz encontrou a liberdade que procurava. “O teatro é liberdade de expressão, da comunicação e libertação da timidez! É muito bom estar no palco representado personagens”, destaca.

Assim como na vida dos outros alunos, o teatro mudou a vida de Ana, trazendo mais alegria. A professora ressalta que, durante o processo de criação, os alunos sempre apresentam ideias novas e a forma como eles lidam com a vida é um exemplo para todos.

“É bonita a forma como eles encaram os problemas! Um exemplo é que, no meu caso tenho 25 anos e meu aluno mais velho tem 75, tem coisas que, na minha cabeça, é o fim do mundo e para ele não, porque ele já sabe como lidar com isso, já tem uma bagagem de vida enorme e isso é bom, aprendo demais”, finaliza Edna.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Vivian Messias
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

A primeira impressão é a que fica, os bauruenses são receptivos com os gringos?

Sempre damos mais valor à opinião dos outros do que às nossas, né? Pensando nisso, pergunt…