Estamos vivendo dias difíceis, de mortes bárbaras, queimadas lá e cá, imprudências com nossas reservas naturais e tantas outras coisas que vão somando à extensa lista de “eitas” de 2019.

Tudo isso, claro, divide opiniões pelas redes sociais e opiniões que são muitas vezes profanadas de uma maneira bem errônea. Tem muita gente querendo engajar seus posts, ou até mesmo “lacrar”, à custa de tragédias.

Quer um exemplo?

Falar do Setembro Amarelo e colocar uma fitinha amarela virou moda, inclusive dizer que está combatendo o suicídio. Ninguém está preocupado em saber que a depressão é uma doença muito séria e que precisa de auxílio médico e psicológico. Ah, vamos lacrar com a fitinha, né? (e esqueça os outros 11 meses, ok?).

Assim, o post que era pra ser um conteúdo de relevância e despertar a curiosidade do leitor, vai para aquela listinha do mais um chato igual a tantos outros. O que estou querendo dizer com tudo isto é que as redes precisam ser locais de levantarmos sim bandeiras e defendermos causas, direitos, pessoas. Ter opiniões concernentes com a realidade. De falar com relevância e, sobretudo, respeitar uns aos outros.

O que acontece é que estamos levando para o lado do “maria vai com as outras” e querendo tirar uma vantagem para “lacrar” com assuntos tão sérios. Por isso, se você está nesta vibe, saia logo e comece a praticar a empatia. É muito melhor ficarmos em silêncio quando não sabemos falar sobre o assunto.

Até a próxima pessoal!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isabela Gaspar
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Archimedes: Dado da Paz para uma nova mentalidade de vida

A sociedade brasileira e mundial vivem momentos de apreensão, angústia, medo, incertezas, …