Os aplicativos de transporte estão cada vez mais comuns aqui em Bauru. Além de ajudarem na mobilidade do dia a dia, podem render experiências bem positivas! Aqui na cidade, além dos tradicionais táxis, também contamos com o Uber, o 99, o You Go e muitos outros aplicativos de compartilhamento de viagens.

Em meio a nova opção do Uber de escolher uma viagem “sem conversa”, me deparei com um grupo de pessoas no Facebook compartilhando experiências muito legais e divertidas que tiveram com esses aplicativos de mobilidade.

Depois disso, fiquei me perguntando: será que aqui em Bauru as pessoas já passaram por esses momentos de descontração? Afinal, essas tecnologias começaram a chegar na cidade há pouco mais de um ano. Mas, para minha surpresa, as histórias são das mais variadas, desde motoristas proativos até um Papai Noel! Confira:

Rafaela Monteiro

“Eu peguei um Uber uma vez com uma amiga e o cara ofereceu comida e Coca-Cola pra gente alegando que oferecia pra todos os clientes. Segundo ele, trabalhar como Uber o ajudou a sair da depressão”.

Rebecca Crepaldi

“Eu peguei um Uber uma vez e ele falou que atrás do banco tinha um álbum de fotos e que eu podia ver. Quando abri, ele era o Papai Noel (risos). Ele ficou contando a viagem inteira sobre histórias de ser Papai Noel em shopping e como é difícil porque a cadeira do Papai Noel é muito grande e dificulta o trabalho. Uma hora ele balançou o sininho e fez HO HO HO. Sério, animou meu dia!”.

Giovanni Biondi

“Uma vez estava voltando de São Paulo com a minha bike embalada e transportada no bagageiro. Chamei o Uber e ela não cabia de jeito nenhum no porta malas. O motorista podia simplesmente ter falado que não dava que eu iria entender. Simplesmente insistiu, pegou ela e começou a encaixar no banco de trás com o maior cuidado. Colocou o banco pra frente, deitou ele e mesmo assim não cabia. Já estava pensando em desembalar e sair pedalando, até que ele abriu o vidro, colocou ela meio que na diagonal e foi dirigindo devagar até chegar na minha casa e ajudou a tirar. Muito parceiro e educado”.

Felipe Mateus

“Em setembro viajei para Belém, no Pará, e cheguei 1h30 da manhã no hostel onde ia ficar. A rua estava deserta e o hostel fechado, precisei tocar campainha, bater palma, ligar, mas ninguém atendia. O motorista do Uber que me trouxe do aeroporto ficou ali o tempo todo, inclusive desligou o carro e desceu pra me ajudar a chamar alguém do hostel. Até perguntou se eu tinha alguma alternativa, caso ninguém aparecesse, disse que me levaria para algum hotel sem custo, muito gente boa”.

Larissa Rodrigues

“Esses dias eu peguei um Uber com um senhor, estava muito quente, e ele começou com aquele ‘papo de elevador’ sobre o clima. Logo em seguida ele veio com um assunto muito interessante. Ele me contou que trabalhava há mais ou menos quatro metros de profundidade da terra. Perguntei se ele trabalhava no rio, ele disse que era próximo. Ele contou que trabalhava como interceptor de esgoto e que o papel dele era ajuda a despoluir o rio Bauru! Eu achei muito interessante! O assunto veio em um momento bem oportuno, porque eu estou pesquisando sobre projetos que ajudam o meio ambiente e meu namorado está fazendo um artigo sobre o assunto. O motorista comentou ainda que os peixes estão voltando para o rio Bauru!”.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Noveleiros de plantão: bauruenses não perdem um dia de suas novelas favoritas

Olho no relógio. Ih! Já é hora da novela. E essa eu não perco por nada! Ninguém me tira do…