Você já ouviu falar de “Role-playing game” ou RPG? Não! Não estou falando do tratamento fisioterapêutica que conserta a postura da sua coluna. Mas sim, de um jogo em que os jogadores assumem personagens e interpretam histórias a partir de escolhas.

Como no teatro, no RPG, você interpreta personagens da ficção seguindo um roteiro pré-definido. Contudo, como todo jogo, existem regras a serem seguidas. Existem diversos estilos de RPG, contudo, toda partida conta com os jogadores, que assumem os personagens e o mestre, aquele que cria e dá continuidade para a história, como um narrador.

E para entender a fama e os benefícios do jogo, conversamos com alguns apaixonados por RPG!

Entrando de cabeça em um mundo mágico

A iniciação no mundo do RPG nunca é igual para todo mundo. Para Gustavo Agibert, aluno da Unesp, seu primeiro contato com o jogo foi há seis anos atrás.

“Descobri o RPG através do site Jovem Nerd, com os Nerdcasts de RPG. Na época que descobri, lembro de ouvir todos em sequência, e ao terminar, ouvir de novo. Me apaixonei pelo conceito de poder explorar de forma interativa todos aqueles mundos fantásticos que eu tanto gostava, por ter crescido consumindo filmes e livros do gênero“, comenta.

Já para o bauruense Marcelo Bento, que joga há doze anos, sua descoberta aconteceu após um evento geek no Sesc de Bauru.

Ainda assim, para ambos, a sensação de estar jogando o RPG é a mesma: liberdade e diversas possibilidades! Afinal, a criatividade é a palavra-chave desse jogo. As histórias podem girar em torno de dragões e bruxos até golpes de estado.

“O que eu mais gosto é a liberdade criativa proporcionada aos jogadores, e da interação entre pessoas de diversos pensamentos idades e culturas”, afirma Marcelo.

RPG X universo digital

O RPG é um jogo que atravessa gerações, contudo, ele consegue se manter nos dias de hoje em um cenário extremamente tecnológico? Sim!

Apesar da imersão cada vez mais realista que os jogos digitais conseguem trazer para as pessoas, o RPG ainda tem uma carta na manga: a parte social.

“Acho que o fator social e criativo tornam o RPG muito único, sendo do meu ponto de vista insubstituível. Eu mesmo jogo os dois, não acho que um ocupe o lugar do outro de forma alguma”, explica Gustavo.

Além do mais, mesmo com a extrema liberdade que os jogos digitais dão aos jogadores nos dias de hoje, o RPG ainda se prevalece com as possibilidades.

“O RPG lhe proporciona uma liberdade que seria impossível em jogos digitais com as tecnologias atuais, por exemplo se eu quiser que meu personagem use magia para disparar fogos de artifício em uma festa da nobreza eu posso”, afirma Marcelo.

É divertido e faz bem

Junto da diversão, o RPG também traz benefícios para a vida pessoal, afinal é um jogo de extrema comunicação e contato humano.

“Falando por experiência própria, o RPG ajudou muito a me tornar uma pessoa mais expressiva e comunicativa quando eu comecei a jogar”, revela Marcelo.

E quem disse que esse jogo não pode ser levado para o mercado de trabalho? Por ser um jogo que prioriza o trabalho em equipe, ele pode se tornar um vantagem na hora de chamar a atenção de uma empresa, que valoriza cada vez mais essas habilidades.

Um panorama dos jogos de tabuleiro

Não só o RPG mas também outros jogos de tabuleiro se destacam em nossa rotina. Afinal, quem nunca jogou uma partida de War, Jogo da Vida ou Detetive entre amigos?

E hoje, o mercado desses jogos cresce cada vez mais e a procura só aumenta. Você sabia que atualmente, é lançado  mais de um jogo de tabuleiro por dia?

Pode parecer estranho frente a um cenário tão tecnológico, contudo, Mayra Gomyde, proprietária da Lúdica, loja de jogos aqui de Bauru, mostra que esse mercado dificilmente irá cair no esquecimento.

“Os jogos de tabuleiros chamam atenção por conta da interação que ele gera entre os jogadores. É bem diferente o estímulo que é causado jogando frente a frente com seus amigos, do que através de um computador/console/celular”, ela comenta.

Ainda segundo ela, o estilo de jogo mais querido pelos brasileiros (e bauruenses) são os mais rápidos, mais divertidos e com mais interação entre os jogadores. Os chamados “party games”

E o seu? Qual o seu jogo favorito?

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Conheça o Aperta o X, portal de notícias sobre o mundo gamer aqui de Bauru!

O Brasil é o 13º maior mercado games do mundo, sendo o primeiro da América Latina. Só em 2…