Você sabe de onde vem os alimentos que compõe a sua alimentação diariamente? Apesar de parecer distante, a agricultura está inserida no nosso dia a dia. Mais do que isso, ainda é possível cultivar muitos desse alimentos mesmo vivendo na cidade.

Com a proposta de evidenciar o caminho percorrido pelos alimentos até chegar em nosso prato, surge o Projeto Cemeia (Centro Municipal de Educação e Identificação de Plantas da Agricultura Urbana). Segundo Mario Augusto Camargo, técnico agrícola da Sagra e coordenador do projeto, o principal objetivo é criar um vínculo entre a população e a agricultura.

“Queremos aproximar a agricultura rural do meio urbano, então o nosso foco não é produtividade, mas sim o demonstrativo. Porque muitas pessoas comem uma banana, mas não conhecem a bananeira, tomam um cafezinho de manhã, mas não sabem de onde vem o café”, pontua.

(Foto: divulgação prefeitura/ Nayara Campos)

Aberto para os bauruenses

Além de demonstrar e aproximar as pessoas do processo produtivo do alimento orgânico, o Cemeia também está aberto para auxiliar a população. Assim, os bauruenses que querem cultivar a própria horta podem pedir ajuda para o projeto. Lá é possível receber informações sobre como começar, qual tipo de alimento plantar e como manter a horta.

“A pessoa vem buscar informação e a gente estará aqui. Por exemplo, se você disser que quer plantar cebolinha e seu local de cultivo não é adequado, vamos dar outras sugestões, pensaremos juntos”, diz Caroline Capossi, servidora da Secretaria de Educação e responsável pelo Cemeia.

Além dos munícipes, o projeto também será voltado para visitas monitoradas com crianças em fase escolar. Com rodas de conversas e atividades práticas, a ação levará a vivência da agricultura aos pequenos, por meio do cultivo de hortas e plantações.

(Foto: divulgação prefeitura/ Nayara Campos)

Sementário, hotel de insetos e jardim sensorial

Desde a sua inauguração, o projeto não para de se desenvolver. Uma das novas atrações é o sementário, a coleção de sementes do Cemeia! Os exemplares estão à mostra para os visitantes e servirá para demonstrações básicas, como por exemplo, explicar o que é uma semente, apontar as diferenças de cores e formatos, cuidados no manuseio e cultivo.

Outra iniciativa é o hotel para insetos! Pois é, enquanto você tenta mantê-los o mais longe possível, o projeto quer mesmo acolhê-los. O motivo é simples: ajudar as hortas e verduras da horta do Cemeia. Assim, os insetos servem como alternativas naturais aos agrotóxicos para controlar as pragas.

“A joaninha, por exemplo, para a horta, é bem-vinda porque ela é predadora de pulgão, muito comum em couve. Com isso, não precisamos utilizar defensivos agrícolas na plantação”, esclarece Mario Augusto. Além disso, os insetos ajudam no processo de polinização das flores.

Por fim, o hotel de insetos é construído com restos de madeira em decomposição, bambu, rolha e pinha. Acomodado no caule de uma árvore, o local ainda conta com seis “ambientes” para abrigar os insetos que ajudarão na polinização e defesa das hortas do Projeto.

Outra atração do espaço é o jardim sensorial para estimular os cinco sentidos. Os canteiros contam com mais de 30 tipos de plantas que trabalham o olfato, o paladar e a visão. Já a audição é estimulada por uma queda d’água e o tato pelo piso feito com diversas texturas como areia grossa, fina, buricas e cascas de árvores.

Grupo Feliz Idade visitando o jardim sensorial do Projeto Cemeia (Foto: divulgação prefeitura/ Nayara Campos)

Projeto Cemeia

Além de receber a população, o projeto ainda auxilia diversas instituições de Bauru. Entre elas estão a Vila Vicentina, o AELESAB ( Programa de Integração e Assistência a Criança e Adolescente) e  CITE (Centro de Interação Social) Bela Vista.

“O Projeto Cemeia é um centro de estudos e de referência, então os técnicos do projeto auxiliam na instalação e manutenção das hortas nas instituições”, esclarece Mario Augusto.

Ainda, o projeto faz parte do Programa Agricultura Urbana e é desenvolvido pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, em parceria com as Secretarias de Educação e Administração.

Grupo Feliz Idade, do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para Idosos da Aelesab (Foto: divulgação prefeitura/ Nayara Campos)

Serviço
Projeto Cemeia
Local: Almoxarifado Central da Prefeitura (Av. Rodrigues Alves com Av. Hélio Pólice)
Horário de funcionamento:segunda a sexta, das 8h às 16h (visitas monitoradas necessitam agendamento prévio)

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Stella Artois dá R$50 para bauruenses consumirem e ajudarem bares e restaurantes

Desde a recomendação para que as pessoas fiquem em casa em meio à pandemia de coronavírus,…