A arte é uma forma do ser humano expressar suas emoções, sua cultura e sua história. Diante do momento inédito que estamos passando, surgem diversas expressões artísticas que retratam a pandemia e suas consequências, seja em fotos, textos, músicas ou pinturas.

Mesmo que a série de fotografias do bauruense Wiliam Olivato tenha começado com o objetivo de ajudar negócios locais, é impossível negar a aura artística de seu trabalho. A ideia surgiu a partir de um amigo de São Paulo que encabeçou uma campanha com o comércio local, utilizando a hashtag #salveumnegocio.

“Eu havia pensado em fazer algo no mesmo sentido aqui, mas com os retratos dos proprietários. Porém a ideia foi mudando naturalmente e decidi incluir cenários que necessariamente não eram negócios, como a igreja e a universidade”, conta Olivato.

Ainda segundo o fotógrafo, a ideia era registrar espaços que antes eram vívidos por conta de pessoas, mas que hoje encontram-se vazios, ao mesmo tempo em que mostra a situação de estranheza e ansiedade que estamos vivendo. Mesmo que ainda sem título, a série foca em mostrar como as pessoas estão juntas, apesar de distantes.

Nesse sentido, Olivato revela que, por hora, não pensa em fazer mais fotos, mas deixa a reflexão diante do resultado final das fotografias:

“Não tem como passar por esse momento em que estamos sem essas reflexões. Elas são muitas. É um momento de muita sensibilidade pra mim. Tenho pensado muito no futuro, com muita esperança, na verdade, ao invés de pessimismo. Tudo sempre aponta pro outro e temos mais um momento, dessa vez, de forma coletiva numa escala que nós nunca vivemos de repensar esse olhar”, finaliza.

Confira a série de fotos completa:

Acompanhe os trabalhos de Wilian Olivato: www.wolivato.com e @wrolivato.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Dia do Abraço: conheça outras formas de se abraçar respeitando o distanciamento social

Apesar de ter sido criada em 2004, pelo australiano Juan Mann, a campanha “Free Hugs…