Naquele dia, Vanessinha não conseguiu comprar o novo par de brincos na Banca do Gaúcho. O sul-riograndense e simpático trabalhador de quem poucos sabem o nome e só conhecem a empatia e a sabedoria filosófica Batistal não tinha ido às compras e nem aberto a loja de sonhos de todos os gêneros e sujeitos no Calçadão!

O Frutal de Sérgio Lima não estava aberto, os melhores lanches não tinham ido à chapa, meu chapa, os morangos estavam vivos ainda e zoavam o liquidificador, não saíram da casa, ficaram em caixa! Fernando da eterna e tradicional Papelaria Sapiência, fazia o seu melhor papel e não abria loja, abençoada pela imagem da Mãe Maior, ficava em casa, vendo antigos jogos do seu Norusca!

Rogério Pradelli tinha saudades do seu Pereirão, fechado, frustrando vendas nos bairros e festas de parabéns ou simples compostos churrascos! Os bancos não cobravam taxas e eram tachados de diferentes notas e palavras no aumentativo por estarem fechados!

Sinuhe LP e Thiago Lucalli não comeram pastel e nem coxinha no Nakata do Orlando, não foram atendidos, mas comeram com Olhos que Engordam e Óleos que Molham os melhores quitutes da Sem Limites, agora, com limites!

Dr Adriano Sávio Gonfiantini chega à Beneficência Portuguesa, antigo nosocômio, distribui sorrisos e explica que SLG, pode ser Super Lar Garantido, fica em casa, a Benê quer a todos bem!

A Duque pode ser atravessada de lado a lado sem necessidade do semáforo pela primeira vez!

O BB Batatas está fechado e nem Quincas Borba entenderia por que não “Aos vencedores, as batatas”, mas Brisolla explica que aos vencedores, as casas!

Mônica Rothberg conversa com os manequins e cabides da Musa e diz-lhes que vai ficar em casa e que lá irá criar os melhores modelos, pois “roupa Musa se faz em casa!”

Kiko “Adma Flores” não imita Cartola e não se queixa às rosas, pelo contrário, percebe nas flores o fim das dores, que os espinhos serão quebrados na fé e no trabalho, aprende que o coletivo de flores não é tão somente ramalhete, mas maço de gente com raízes, gente a quem ele atende e entende, pois há tempos ele vê flores em você!

Na Getúlio Vargas, alguns alguéns correm, mas não tomam a melhor água de coco do mundo de Letícia e Samuel. Um fanático, com medo da pandemia e de nunca mais ter “Dois Irmãos”, grita: “Tá todo mundo coco, tá todo mundo coco… “Na lateral da Getúlio, os bares ficaram nos lares, fechados, os líquidos que inebriam são lágrimas de saudades!

Os condomínios têm seus limites, as casas nunca ficaram tão ficantes e fazem seus seres entenderem significado e significante e que os lucros são insignificantes diante da vida adiante!

E o Social Bauru pergunta: “Você já fez o seu Social hoje?”

Socialianos, Socialeiros, Socialruenses responderam que sim, fizeram ao verem um filme, receberem algo bem Social a delivery, deram abraços sem espaço, falaram de moda, viram no site algo sem limites na Sem Limites!

O avião ao final da artéria mais presidencial da Sem Limites não sabe se parte ou se fica, do alto, observa a tudo e lembra a Raulzito Seixas: “Plunct Plact Zum, não vai alugar nenhum, plunct plact zum, não vai a lugar nenhum”.

#ficaemcasa

Professor Sinuhe, um professor em La Casa a escrever em Papel!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Archimedes: Semana Mundo Unido, uma esperança

Enquanto o mundo apresenta nestes momentos grandes tensões, quer sejam políticas, migratór…