Em qualquer relacionamento haverá um momento de chegada e outro de partida. Isto é fato no ciclo natural da existência humana. Assim, nos relacionamentos (amorosos ou não), perceba e aceite o momento de terminar o que “já deu o que tinha que dar”.

O psicólogo Augusto Cury costuma dizer que “jamais as pessoas devem se tornar proprietárias do sentimento alheio”, apenas do seu. Então, permita que aquela pessoa que já teve grande sentido em sua existência participe de outras
relações. Permita-se também, sem traumas, ao mesmo processo. Afinal, a beleza da vida consiste em nos encontrarmos com as pessoas e, nesses encontros (extensos ou não), trocarmos experiências positivas.

Isso acontece em todas as áreas da nossa vida: familiar, profissional, amizades e amorosa, dentre outras. É fato que leva algum tempo para aprendermos tudo isso: entender que até o “eterno” e o “pra sempre” em algum momento chegam ao fim, e que isso não é negativo, nem ruim. Faz parte do processo da vida!

A cada ciclo que vivemos aprendemos coisas, experimentamos novas sensações e sentimentos, crescemos e nos lapidamos. Pense que no mundo real vale mais o foram felizes do que o para sempre.

Por isso, não podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, já que estamos em constante processo de mudança.

Leia mais textos da colunista: www.socialbauru.com.br/author/rosanapoli.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
  • Vida e viagem seguem as mesmas regras

    Há mais de um ano podemos dizer que vivemos “um novo normal”. O distanciamento…
  • Juiz do tempo

    Em um dos giros que esse mundo dá, percebi que já não adianta mais tanta pressa, pular eta…
  • Nascer de novo para o novo

    Durante a atual pandemia, muita coisa mudou em nossas vidas. Nós mudamos! Uns para melhor,…
Carregar mais por Rosana Poli
  • Bauruzinho de braços abertos

    Quase seis da tarde quando a escultora, coando um café gostoso, ouve a campainha tocar. O …
  • Vida e viagem seguem as mesmas regras

    Há mais de um ano podemos dizer que vivemos “um novo normal”. O distanciamento…
  • Em nome da pedra

    Navegar foi preciso para o meu aprendizado conquistar porto seguro. No histórico Ciclo das…
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bauruzinho de braços abertos

Quase seis da tarde quando a escultora, coando um café gostoso, ouve a campainha tocar. O …