Jornalista e escritor, o bauruense Luís Paulo Domingues conclui mais uma obra de autoria própria. “O País Vertiginoso” é um livro de realismo fantástico inspirado em trabalhos de autores como Gabriel García Márquez e Dias Gomes.

Segundo a sinopse, trata-se de uma história que se passa em um local deserto, no sul da Argentina, para onde todas as pessoas problemáticas do mundo eram enviadas para cumprir um tipo de pena. Nas palavras de Luís Paulo, “o livro é um pequeno romance de realismo fantástico, cômico e underground, cujo mote é a convivência mútua desses personagens condenados ao exílio.”

A obra foi lançada no dia 10 de dezembro pela Editora Spessotto em parceria com a Universo Elegante Produção Cultural. Ainda, os livros foram impressos em duas opções de capas, de autoria do designer gráfico Gustavo Domingues.

Conversamos com Luís Paulo sobre “O País Vertiginoso” e outros trabalhos, confira:

– Luís este é o seu quinto livro, correto? De onde veio a inspiração para tratar deste assunto?

Sim, este é o meu quinto livro. A inspiração para esta obra foram os livros do Gabriel García Márquez e filmes que retratam aquela visão antiga do futuro que as pessoas tinham no século XIX, como “O Ladrão de Sonhos”. Trata-se de um livro de ficção, com toques de surrealismo e realismo fantástico. Mas também é uma obra bem cômica, satirizando bastante o ser humano moderno.

– Por que você caracteriza o livro como um romance de realismo fantástico?

Acredito que as imagens que o livro emite são características do realismo fantástico. É aquela coisa meio Gabriel García Márquez com Dias Gomes, sempre com uma veia de crítica social.

– O País Vertiginoso se relaciona com algum de seus outros livros? De que forma?

Os livros que eu publiquei antes são centrados em história, principalmente a história da ocupação humana no oeste paulista. Acredito que “O País Vertiginoso” possa ter alguma relação com o “Sonâmbulos Dotados de Visão”, lançado em 2019, que apesar de contar a história do oeste paulista e de Bauru, tem cores bem fantásticas e surrealistas também.

– Por que você escolheu um local deserto no sul da Argentina para ser cenário da história?

O local escolhido foi porque é uma área isolada. Tinha que ser um local longe de tudo, pois as pessoas eram levadas pra lá para serem apartadas do mundo moderno e conviverem juntas. Eu lembrava de Comodoro Rivadávia da época da Guerra das Malvinas; lembro das cenas na TV quando era pequeno, aquele local terrivelmente frio, desolado e cinzento. Então escolhi pela paisagem.

– Você também fala em pessoas problemáticas, que tipo de problemas seriam esses?

Os problemas que os personagens do livro causavam para a sociedade em que viviam antes de irem para o País Vertiginoso eram de muitas naturezas. Mas basicamente aquelas pessoas que passaram do limite de tanto aborrecer os outros com manias e comportamentos que ninguém aguenta.

– Se você pudesse resumir o livro em poucas palavras, a fim de conquistar um possível leitor, o que você diria?

Se você gosta de comédia no estilo Dias Gomes, leia “O País Vertiginoso”, uma obra surrealista, underground e satírica que o levará a uma terra desolada no sul da Argentina, onde personagens fantasiosos convivem entre si.

– O lançamento do livro foi realizado no dia 10, como foi o evento?

O evento foi no dia 10, no Aldeia Bar e Empório. O comparecimento foi um pouco menor do que meus lançamentos anteriores, por conta da pandemia, mas estamos divulgando o livro e participaremos de outros eventos logo mais à frente.

– Já tem planos para a próxima obra?

Meu próximo livro lançado será o da Sociedade Brasileira de Genética Médica no ano que vem. Para 2021, eu também estou preparando um outro livro de ficção e sátira, na mesma toada de “O País Vertiginoso”, sempre em parceria com a Editora Spessotto e a Universo Elegante Produção Cultural.

Conheça outros livros do autor

  • “Absurdos Plausíveis” (2007) Editora Ateliê Serdobem;
  • “Boca do Sertão: a História de Piratininga na Marcha do Café”, realizado através do PROAC ICMS, com patrocínio integral da Duratex, lançado pela Universo Elegante Produção Cultural em abril de 2015;
  • “Sonâmbulos Dotados de Visão”, lançado pela Editora Spessotto e Universo Elegante Produção Cultural em fevereiro de 2019;
  • “Fronteira Infinita: índios, bugreiros, escravos e pioneiros na Bahurú do Século XIX”, em parceria com Edson Fernandes, através do PROAC ICMS, com patrocínio parcial da Plasútil, lançado em junho de 2019 pela Universo Elegante Produção Cultural.

Ficou interessado no livro? “O País Vertiginoso” é vendido no site da Editora Spessotto, onde é possível escolher uma das duas opções de capa: azul ou salmão.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Caligraffiti: conheça a arte que está preenchendo os muros de Bauru

Mesmo que você nunca tenha ouvido falar sobre caligraffiti, provavelmente já deve ter vist…