Em um dos giros que esse mundo dá, percebi que já não adianta mais tanta pressa, pular etapas ou ignorar as provas de fogo que a vida programa para cada um de nós. Muitas nos pegam de surpresa, sem avisar, sem ao menos demonstrar que algo está por vir. Em outras, a prova de fogo está na nossa cara, mas insistimos em não enxergar.

O escritor Diego Vinicius diz que é exatamente em um desses giros que a gente percebe “a hora de correr menos e andar mais”… Porque, apesar da imensa vontade de conquistar tudo o que queremos, as coisas realmente acontecem no seu tempo. No tempo de Deus, não no nosso.

Aliás, há um juiz chamado tempo que funciona no sistema de ação e reação. Ou seja, tudo o que fazemos hoje, terá consequências um dia, sejam coisas boas ou ruins. O tempo julga e sentencia a gente.

O mundo gira sim, e uma das maiores lições que essas voltas nos dão é que a gente sempre retorna para o mesmo lugar. Ou para agradecer, ou para colocar “a casa em ordem”. Porque somos livres para praticar as nossas ações, mas também responsáveis pelas consequências.

Na verdade, somos feitos de anseios, preocupações, de alegrias, de tristezas, conquistas, derrotas, enfim, uma infinidade de sentimentos. Somos luz e escuridão ao mesmo tempo. Somos Amor e Fé. Mas acima de tudo, apesar da nossa pressa, temos que aceitar que o dono do tempo é Deus! Será sempre Dele a nossa melhor resposta. E assim, vamos entendendo que não adianta espernear nem se esconder da vida, porque tudo vem na hora que deve vir.

É nesse vai e vem, como diz Cora Coralina que vamos “juntando pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela nossa. Nem sempre bonitos, nem sempre felizes, mas que nos acrescentam e nos fazem quem somos. E assim, de retalho em retalho, possamos um dia nos tornar um imenso bordado de nós mesmo.”

Confira mais textos da colunista: www.socialbauru.com.br/author/rosanapoli.

Compartilhe!
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

A primeira vez, Bauru, que fui ao cinema

Sabe, Bauru, eu não lembro a primeira vez que fui ao cinema. Não lembro quantos anos eu ti…