Na contramão do glamour das redes sociais, um influenciador digital de Bauru conquistou mais de 15 mil seguidores retratando cenas do dia a dia de uma forma bem mais pé no chão. Lucas Dias Vasques, de 23 anos, usa o Instagram para contar os “perrengues” que uma pessoa de baixa renda passa diariamente. Durante a pandemia, ele aproveitou a sua influência para dar voz a mulheres atingidas por esse contexto: as que trabalham nas ruas.

“Com o canal, eu recebi uma enxurrada de amor, de atenção e de engajamento. Decidi que queria usar isso para agradecer o que eu tinha. Tem muita gente hoje que já tinha comércio ou que começou durante a pandemia, que foi virado de cabeça pra baixo e eu queria tentar ajudar essas pessoas que não têm condições ou conhecimento do poder das redes sociais. Eu queria dar visibilidade a elas”, explica.

Lucas conta que sempre quis fazer esse tipo de projeto, mas como deu certo no mês das mulheres, ele aproveitou para falar de quem mais foi afetado pela pandemia, já que segundo IBGE, a taxa de desemprego entre os homens foi de 11,9%, enquanto a de mulheres foi de 16,4%.

“Elas tiveram que se reinventar para levar o sustento para dentro de casa. E são pessoas completas e ainda mães de família. Eu entrevistei uma moça que ela faz entrega, seleciona o produto, monta barraca, tem um filho que amamentava”, conta.

Mas muito se engana quem pensa que só as empreendedoras estão ganhando com a divulgação. Lucas conta que a cada entrevista que faz com elas, ganha uma nova motivação para seguir.

“Ouvir a história dessas mulheres me motiva, tudo muda, saio de lá totalmente abastecido. A gente vê que têm histórias que precisamos dar voz, porque são pessoas que, às vezes, passam despercebidos no nosso dia a dia. É a maneira que eu achei de retribuir tudo que vinha recebendo. Tinha que repassar esse amor, esse carinho, essa atenção a essas pessoas que necessitavam nesse momento”, acredita.

Projeto já rendeu

O influenciador contou que já teve bons retornos com os vídeos postados em apoio às empresárias da rua. “Algumas mães me mandaram mensagem pedindo o contato da ‘tia da perua’, que hoje é Uber, porque precisam de alguém para levar os filhos à escola. Outra que vende sonhos e eu deixei o contato dela, que me disse que não parou de responder WhatsApp com pedidos. Então é isso o que eu quero. Se eu puder ajudar uma, já fico feliz”, comemora.

Participe!!

Para participar é só mandar sugestões pelo direct no Instagram Lucca Vuitton – Infruêncer de baixa renda. Os dois primeiros episódios já estão no ar, mas ainda tem espaço para quatro mulheres participarem nas próximas segundas-feiras.

Lucas não pretende encerrar o projeto, mas quer dar mais agilidade às postagens. “Depois de março o projeto vai ganhar uma cara mais simples, afinal as mulheres foram mais afetadas pela pandemia e mereciam um espaço especial. Mas quero continuar apoiando esses empresários da rua nos stories, assim posso ajudar mais, sem precisar de muita produção”, explica.

Sonho realizado

Morador do Núcleo Habitacional Jardim Guilherme, Lucas nunca teve o sonho de se graduar no Ensino Superior como os amigos. Ele conta que sabia que não se encaixava em uma faculdade ou em um emprego comum. “Eu achava lindo o sonho das pessoas, mas eu sabia que não queria entrar numa faculdade. Eu me recusei a fazer por fazer. Saí da escola e fui trabalhar, mas eu sabia que uma hora eu seria influencer”, afirma.

O bauruense morou um ano em São Paulo onde conheceu outros influencers, mas que o padrão não se encaixava para o que ele pensava. Foi quando retornou a sua cidade natal, com, ainda 4 mil seguidores, que decidiu se dedicar totalmente ao digital.

Vivendo de auxílio emergencial, passou a contar os ‘perrengues’ da vida de pobre, como ele a intitula, e as pessoas passaram a se reconhecer nas redes sociais dele.

“Eu remei contra a maré, porque todo mundo mostrava a bolsa bonitinha, a roupa bonitinha, a comida que não tinha pago, a casa que não era dela. E eu falei: Não, não quero isso. Quero mostrar a minha realidade, eu acordando, comendo, brigando com a minha mãe, meus vizinhos, a gente cozinhando. Eu no mercadinho da vila, mostrava tudo”, lembra.

Hoje acumula mais de 15 mil seguidores que querem ver seu bom humor nas situações diárias de uma pessoa de baixa renda. “Passei a mostrar a mostrar o que o pobre brasileiro passa, mas com bom humor.”

Serviço

Instagram: Lucca Vuitton

Compartilhe!
Carregar mais em Geral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Evento de astronomia na Unesp reúne palestras, oficinas e observações com telescópio

Neste sábado, 18 de maio, a partir das 19 horas, o Observatório Didático de Astronomia da …