O Veredas Festival de Arte Contemporânea Online entra em sua terceira semana de atividades culturais em Bauru. De forma online, traz palestras e oficinas sobre temas que se relacionam às artes até o dia 31 de março.

Entre os dias 23 e 25, o projeto vai abordar análises críticas formuladas a partir de experiências de profissionais que atuam no âmbito das galerias, produção e gestão cultural. Pensando na importância de se pensar arte também através de práticas cotidianas, de mercado e de valoração do sistema de arte.

Quem mediará o bate-papo é Aretha Sadick, atriz, modelo e multiartista, que se manifesta como intérprete criadora de imagens na performance, música e tecnologias da palavra, apontando para a urgência na retomada de poder de pessoas trans negras na construção de novas imagens e imaginários para produzir cura.

Confira a programação da 2ª semana do Veredas:

Terça-feira (23/3, às 20h)

Neste encontro, Ana Terra vai compartilhar um pouco de sua trajetória de trabalho na Produção Cultural, passando pela dança, teatro, eventos esportivos e exposições. Também vai mostrar um pouco desse universo das artes, sua riqueza e potência, formado por uma rede de “fazedores da cultura”. Uma grande troca de experiências e saberes. Ana é produtora cultural formada desde 2012. Atuou nas áreas de teatro, dança, música e eventos esportivos.

Trabalhou durante 7 anos ( 2013 – 2020) como produtora no Museu de Arte do Rio-MAR na área de artes visuais, responsável pelo processo de logística de obras de arte de mais de 50 exposições. Atualmente, atua como produtora no Museu de Arte Moderna (MAM-RJ), sendo responsável pelo planejamento das exposições temporárias e de longa duração. Também cuida da programação cultural e educativa do espaço.

Quarta-feira (24/3, às 20h)

Nesta palestra, Alex Tso irá trazer, de maneira introdutória, o funcionamento de galerias de arte e seu vínculo com a prática do colecionismo. Serão interpretados dados das principais pesquisas do setor e apresentados alguns exemplos de como as galerias têm se relacionado com colecionadores e público amplo, adaptando-se ao contexto de pandemia.

A discussão partirá da pergunta “galerias de arte são apenas para colecionadores?” para estimular uma reflexão mais aprofundada sobre a importância do processo de formação de público por parte das galerias e seus desdobramentos no circuito cultural do país.

Alex é arquiteto formado pela USP e possui especialização em Gestão Cultural pelo SESC. Fez parte do Educativo da Bienal de Arte de São Paulo e atuou nas vendas e relações institucionais da Galeria Lume. É sócio-fundador da Diáspora Galeria, uma galeria de arte contemporânea 100% idealizada, construída e gerida por pessoas racializadas, fomentando inclusão e diversidade no circuito formal das artes; e da Mistura, uma iniciativa de formação e vivência cultural voltada para artistas, colecionadores e público interessado.

Quinta-feira (25/3, às 20h)

Como nossas necessidades e desejos em tempos atuais performam hoje? Tocar o barco conforme a maré – maremotos, inundações, seca, maresia, brisa, horizonte. Inventar, sobretudo, quando tudo indica finalizar. Samantha Moreira traz nesta palestra estudos de casos, novas articulações, pensar e fazer juntes. “Co- Labor -Ação”, cooperação, processos colaborativos, estruturas flexíveis, cultura autogestionária, espaços intencionais, auto-organização,”dependências táticas”, redes de contatos, afetos e resistência.

Samantha é artista, curadora, gestora cultural, dj e mãe. Fundadora do @Ateliê Aberto, do CHÃO SLZ (São Luís, MA) e integrante /coordenadora do JA.CA (desde 2018). Junto ao JA.CA é coordenadora geral e artística do Programa CCBB Educativo – Arte e Educação, no Centro Cultural Banco do Brasil, do Bolsa Pampulha 2018/2019. Foi curadora e organizadora da Verbo São Paulo e São Luís em 2019 e de projetos em editais da Funarte, ProAc e em diversas instituições.

Integrou as comissões de seleção do 4a Laboratório de Artes Visuais do Porto de Iracema das Artes -Fortaleza (2017), ProAc para Espaços Independentes (2016), Prêmio Foco – ArtRio (2016), 5a Edição do Prêmio Marcantônio Vilaça (2015), entre outros. Participou de exposições como 32°Panorama da Arte Brasileira no MAM (2011) , Rumos Artes Visuais Itaú Cultural (2007), Temporada de Projetos Paço das Artes (1998). De 2005 a 2011 foi responsável pela gestão de projetos voltados à Mobilidade Urbana a partir de experiências de arte, cultura, cidadania e educação na Empresa Municipal de Campinas.

Serviço
Veredas Festival de Arte Contemporânea Online
Data: de 8 a 31 de março
Programação completa: www.veredasfestival.com
Para mais detalhes, acompanhe as redes sociais do Festival: @veredasfestival
Dúvidas: [email protected]

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Renata Marconi
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

No Dia da Biblioteca, saiba a importância dos acervos de Bauru

O que nos vem à mente quando pensamos em uma biblioteca? Um espaço cheio de livros. Para a…