Enfrentar um câncer não é fácil. São muitos cuidados para passar por cirurgias, quimioterapias, radioterapias. Mas nem sempre o paciente tem a possibilidade de se preocupar apenas com o tratamento. Há muitos problemas burocráticos envolvidos, que atrapalham na luta contra essa doença.

Em homenagem à esposa que faleceu após lutar contra um câncer, o bauruense Jeferson Silva Campos, de 52 anos, decidiu realizar o sonho da amada de criar um instituto que pudesse ajudar outras pessoas que passam pelos mesmos problemas burocráticos que eles enfrentaram. Assim surgiu o Instituto Vanuza, em homenagem à esposa e advogada Vanuza Costa Beluci Campos.

A ideia surgiu porque minha mulher teve câncer de mama e fomos tratá-la em Barretos. Nós chegávamos cedo no hospital porque ela fazia quimioterapia e ficávamos conversando com as pessoas, que reclamavam dos problemas burocráticos que passavam, coisas de fácil orientação, mas que as pessoas não tinham noção de como resolver. Na viagem a gente ficava conversando e planejando que quando ela se curasse nós faríamos alguma coisa pra ajudar quem precisa”, lembra.

Vanuza era advogada envolvida em programas sociais de Bauru, além de ser membro-fundadora de uma ONG que cuida de animais. “Ela já tinha experiência com projetos sociais que cuidavam de pessoas em situação de vulnerabilidade. Eu tenho 21 anos na política de assistência social, fui presidente de uma entidade, por isso quis unir minha experiência com o sonho dela”, explica Jeferson.

Ela faleceu no dia 10 de outubro de 2020, aos 52 anos, após lutar por dois anos contra a doença. Para o marido e os amigos, o Instituto é o legado de Vanuza.

Eu fiz para homenageá-la. Ela merece, era uma lutadora e lutou bravamente. Quero que o nome dela perpetue, porque ela é uma pessoa do bem, sempre ajudava as pessoas. Quero perpetuar isso, que um dia a gente vai faltar, mas o intuito é que a instituição prossiga”, espera Jeferson.

Fundação

O Instituto Vanuza foi fundado no dia 23 de março de 2021, em homenagem ao aniversário da homenageada, que faria 53 anos.

Jeferson convidou o advogado e amigo Tiago Gusmão da Silva para assumir a presidência do Instituto, que imediatamente aceitou a proposta. “Vanuza sempre demonstrou vontade de fazer esse projeto. Eu gostei muito da ideia e, com o falecimento dela, recebi o convite e aceitei. A Saúde pública me interessa muito, então tento colaborar de alguma maneira”, afirma Tiago.

O presidente do Instituto foi advogado do casal quando Vanuza teve problemas com o plano de saúde que não queria realizar um exame necessário para o tratamento do câncer. “Mesmo Jeferson e Vanuza sendo bem instruídos, eles sentiram os problemas do sistema de saúde, isso não pode acontecer com quem está tratando uma doença como essa.”

Tiago explica que é preciso dar agilidade a esses processos porque é a vida da pessoa que está em risco. “É extremamente necessário ser rápido porque um câncer detectado no começo é mais fácil de cuidar do que quando ele atinge outras partes do corpo. O tratamento nem sempre acontece dentro do prazo e a doença se espalha de uma forma que poderia ser evitada”, lamenta.

Orientações

O que foi idealizado pela Vanuza é ajudar as pessoas que não têm o mínimo de informação jurídica para o básico do tratamento de saúde. Um dos objetivos é fazer uma orientação prévia, inclusive ações judiciais se necessário for.

“Em um momento que a pessoa recebe uma notícia difícil e que deveria se preocupar apenas em se cuidar, ela se depara com um monte de problemas burocráticos, vários obstáculos, e as pessoas não têm pra quem recorrer. Elas, muitas vezes, precisam de ajuda apenas para fazer valer os seus direitos”, explica Tiago.

O objetivo é, de forma gratuita, sanar dificuldades como:

  • acesso a exames necessários
  • falta de leitos
  • orientação administrativa para requerimento de medicamentos
  • orientação jurídica para receber benefícios
  • propor ações coletivas
  • atendimento para as famílias

Instituto está aberto para quem precisar de orientação. Por conta da fase vermelha do Plano São Paulo, os atendimentos presenciais ao público devem começar no dia 2 de agosto, para regularização da documentação. Mas quem precisar de orientação imediata pode ligar para o telefone: (14) 3256-0712.

Tiago explica que o corpo jurídico e os assistentes sociais do Instituto, que tem financiamento privado, são voluntários e que toda ajuda é bem-vinda.

publieditorial

Serviço
Instituto Vanuza
Telefone: 3256-0712
Email: [email protected]
Site: www.institutovanuza.com.br

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Renata Marconi
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

No Dia da Biblioteca, saiba a importância dos acervos de Bauru

O que nos vem à mente quando pensamos em uma biblioteca? Um espaço cheio de livros. Para a…