Bauru produz, em média, 280 mil quilos de materiais recicláveis por mês, mas só 3% disso efetivamente é reciclado. A estimativa é da Ascam (Associação de Catadores de Materiais Recicláveis), responsável por quase tudo que é separado na cidade.

As cooperativas de reciclagem de Bauru recebem os materiais através dos oito Ecopontos da cidade e da coleta seletiva realizada pela Emdurb. Entretanto nos últimos meses a quantidade tem diminuído consideravelmente. Segundo a Associação, a queda foi de aproximadamente 50% entre os meses de dezembro de 2020 e janeiro de 2021. E nas últimas semanas, a arrecadação diminuiu a ponto de deixar os barracões de reciclagem vazios.

As hipóteses para essa queda vão desde a redução no consumo médio das famílias até problemas de estrutura na coleta dos materiais.

Com a falta de separação, o material que poderia ser reciclado ou reutilizado certamente tem sido descartado junto ao lixo orgânico e encaminhado ao aterro sanitário. Bauru produz diariamente 300 toneladas de lixo e quase metade disso poderia ser reciclado, segundo estudo realizado pela Ascam no bairro Mary Dota.

“A pesquisa concluiu que apenas 3% do total de resíduos que a cidade produz é reciclado, sendo que o potencial de reciclagem seria de aproximadamente 40% do total, se fosse separado pelos moradores”, explica o engenheiro químico da Ascam, Guilherme Coral.

Preservação e renda

Além de preservar o meio ambiente e a saúde pública, reciclar também garante emprego e renda para as 130 famílias bauruenses que fazem parte da Ascam. A presidente da associação, Gisele Moretti, diz que com a menor quantidade de material para triar, os barracões das cooperativas têm trabalhado somente três dias por semana e nos outros dias, os associados têm saído às ruas para recolher material.

“Para evitar demissões a Ascam, junto com as cooperativas, está nas ruas usando caminhões próprios e triciclos. Estamos apelando à população para que separe o seu lixo e encaminhe seu reciclável para os Ecopontos ou para a coleta de recicláveis casa a casa”, pede Gisele.

Faça sua parte

Algumas iniciativas podem ser tomadas dentro da sua casa ou do seu condomínio. Para implantar sistema de separação de lixo em condomínios é preciso que se faça uma reunião prévia com os representantes: síndico, diretoria e condôminos para orientar os moradores e capacitar os funcionários.

“É fundamental que haja uma estrutura para isso, de preferência uma área separada com mangueira perto, local para armazenamento do lixo orgânico e do lixo reciclável, além de algumas lixeiras apropriadas para coleta do resíduo reciclado. Depois de tudo isso, orientamos o condomínio a entrar em contato com a Ascam para criar uma parceria, estipulando datas de coleta semanal”, orienta Gisele.

A presidente também enfatiza que os trabalhadores dos Ecopontos estão trabalhando com luvas, máscaras e atentos ao distanciamento social. Por isso as pessoas podem continuar separando os seus recicláveis e levando aos Ecopontos ou aguardando a coleta de reciclável casa a casa.

O que descartar no Ecoponto?

A população pode destinar aos Ecopontos: plástico, metal, vidro, papel e papelão, eletrodomésticos e itens de informática não contaminados por restos de comida e de higiene íntima.

Também é possível encaminhar móveis, sofás e colchões, limitados a três unidades por morador a cada ano. Além de 1 metro cúbico de entulho e madeira a cada 120 dias. Os pequenos geradores também podem levar pneus (limitados a quatro unidades por ano) e resíduos de jardinagem (quantidade limitada a 1 metro cúbico a cada 120 dias).

Depois que esse material é coletado, a Ascam, por meio das cooperativas parceiras, realiza um processo de triagem. Esse material é armazenado, enfardado e vendido para as empresas que são recicladoras.

Os Ecopontos não recebem lixo hospitalar e de serviços da saúde, lixo industrial, lixo doméstico, grandes quantidades de entulho de construção e lâmpadas.

Ecopontos:

Os Ecopontos, como um serviço essencial à saúde, funcionam de segunda a sábado, das 7h às 19h, e aos domingos e feriados, das 8h às 16h.

– Ecoponto Antônio Eufrásio de Toledo – Rua Sorocabana, q. 2

– Ecoponto Mary Dota – Rua Américo Finazzi, q. 4

– Ecoponto Jardim Redentor/Geisel – Rua Noé Onofre Teixeira, q. 3

– Ecoponto Pousada I – Rua 41, q. 1

– Ecoponto Edson Francisco da Silva – Rua Dulce Duarte Carrijo, q. 4

– Ecoponto Parque Viaduto, Rua Bernardino de Campos, q. 28

– Ecoponto Engenheiro Octávio Rasi – Rua Manoel Lopes Neves, q. 1

– Ecoponto Vânia Maria – Rua Francisco do Rêgo Carranca, q. 1

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Renata Marconi
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

No Dia da Biblioteca, saiba a importância dos acervos de Bauru

O que nos vem à mente quando pensamos em uma biblioteca? Um espaço cheio de livros. Para a…