Era Domingo de Páscoa, dia 4 de abril, a semana tinha sido bastante intensa com os trabalhos de comunicação na Paróquia que faço parte, já que as Igrejas estavam fechadas, de acordo com o Plano São Paulo.

Cheguei em casa e queria produzir algum conteúdo para o meu Instagram que remetesse tudo aquilo que tinha vivido no calor da emoção e da fé das pessoas, mostrando a elas uma esperança de dias melhores. Peguei dois vídeos curtos que minha colega de Pastoral, Larissa, havia feito, reuni em um só, coloquei uma música, postei no Reels e escrevi apenas o seguinte: “Há sempre a esperança no Cristo! 🙌🏼❤Feliz Páscoa!”. E fui descansar, dormindo por cerca de uma hora, mais ou menos.

Assim que acordei, peguei o celular e vi que tinham algumas notificações. Abri o Instagram e marcava 99+ coraçõezinhos se não me engano. Abri o vídeo e já era mais de 7 mil visualizações e 400 curtidas. Levei um susto e pensei: “Cara, eu viralizei”.

Ainda no domingo já somou mais de 800 curtidas e 10 mil visualizações. Ele só foi “parar” durante a semana e, hoje, conta com 12,2 mil visualizações e cerca de 705 curtidas.

Contei isso tudo para falarmos um pouco sobre o motivo das coisas “viralizarem” na internet.

Nossa Isa, mas por que as coisas viralizam? A resposta é IDENTIFICAÇÃO, migos!

O conteúdo quando se “conecta” com o outro e atende à resposta para uma “dor” vai ser compartilhado, visualizado, comentado, etc. No meu caso, eu compartilhei a minha fé e cheguei até muitas pessoas que precisavam de esperança em um tempo de notícias ruins.

Mais um exemplo para vocês entenderem sobre identificação:

Coloquei um vídeo no Tik Tok no dia 02 de maio. Ele nem era pra ficar lá, porque eu só produzi com os recursos do app para colocar no Reels. Acabei esquecendo e… bom, todo dia alguém dá um like no vídeo ou comenta etc etc. Hoje ele está com 1056 curtidas, 23 comentários e 19,9 mil visualizações.

E foi mais um conteúdo de identificação, no qual eu trouxe uma situação de atendimento ao cliente em loja física e redes sociais.

Agora resumindo nosso papo + as minhas dicas para a sua marca:

  • Conteúdo precisa gerar identificação com o seu cliente;
  • Descubra quais são as “dores” deles e tente solucioná-las, promovendo seu produto ou serviço como a resolução;
  • Mostre a essência da sua marca.

Ah e para quem estava curioso, aqui vão os links dos vídeos

Reels da Páscoa:

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por ISABELA GASPAR (@isabela_gaspar)

Atendimento no Tik Tok:

@isabela.gasparr

♬ som original – Isabela Gaspar

Confira mais textos da colunista: www.socialbauru.com.br/author/isabelagaspar.

Compartilhe!
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

5 lições de um professor saindo da pandemia

Eu detesto textos que começam com um “número X de coisas que…”. Inclusive, comecei esse aq…