A frase “rir é o melhor remédio” é quase um mantra. Ainda que seja clichê, a expressão carrega uma verdade comprovada até mesmo de forma científica.

De acordo com um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, o ato de rir pode ajudar a aliviar a sensação de dor. Os médicos explicaram que, depois do riso, hormônios como endorfina e serotonina são liberados na corrente sanguínea, o que proporciona bem-estar.

No Brasil e no mundo, voluntários de dentro e fora do mundo artístico criam e movimentam iniciativas que levam o humor e a descontração a hospitais e instituições de saúde, a fim de cativar pacientes, acompanhantes e até mesmo a equipe médica.

Entre os projetos mais famosos estão os Doutores da Alegria, grupo paulista de 28 anos que reúne profissionais da arte para animar a vida de pessoas em situação de vulnerabilidade.

Projeto Alegria

Em Bauru, o Projeto Alegria cumpre esse papel. Criado em 1999, a iniciativa foi uma ideia da psicóloga bauruense Maria Claudina Cury. Ao passar por um momento difícil em sua vida, ela decidiu transformar a dor em alegria para os pacientes do Hospital de Base.

22 anos depois, o projeto conta com mais de 200 voluntários ativos de Bauru e região. A iniciativa atende, além do Hospital de Base, o Hospital Estadual, o Ambulatório Médico de Especialidades (AME), o Hospital São Francisco e a Unimed.

Além dessas instituições, o projeto também realiza campanhas pontuais em abrigos e asilos da região.

De acordo com Pedro Prudente, membro da diretoria do Projeto Alegria, a principal missão dos voluntários é a humanização por meio da visita às instituições.

“Nós buscamos o alívio do momento de dificuldade, não apenas com a figura do palhaço, mas também com música, contação de histórias, mágicas, e todas as ferramentas que o coração nos permitir”, explica.

Pedro também destaca a importância do projeto. “É possível fazer a diferença de uma forma simples e efetiva. Além disso, acreditamos na corrente do bem, onde uma boa ação pode inspirar outra e assim por diante. Gentileza gera gentileza, completa.

Fazendo o bem a distância

Durante a pandemia, as atividades do Projeto Alegria foram suspensas. Mesmo a distância, o grupo não parou de promover ações solidárias. Além das campanhas de arrecadação, eles também continuaram produzindo conteúdos em vídeo, para que pudessem se manter presentes e ativos.

Para Pedro, fazer parte do Projeto Alegria é um privilégio. “A sensação beira o inenarrável! É extraordinário ser responsável por uma mudança positiva na vida de alguém”, declara.

Dentro das instituições, a ação abrange todas as faixas etárias. “Os voluntários têm atuação desde o berçário até os pacientes de idades mais avançadas, afinal o sorriso não tem idade para acontecer”, explica o diretor.

Quem faz parte

O bauruense Pedro Nunes é voluntário do Projeto Alegria há quatro anos e meio. Ele começou a atuar a convite de uma amiga e conta que se apaixonou pela instituição logo na primeira visita.

“O que me motivou e ainda me motiva é tornar o voluntariado uma atividade constante na minha vida, e não de maneira pontual como era antes. Eu sempre quis contribuir para uma causa humanitária e que tenha o amor como alicerce, diz.

Lelaine Oliveira é de Agudos e também participa do projeto. Após concluir sua graduação e pós-graduação em Bauru, ela continuou vindo para cá para fazer as visitas aos hospitais.

“Sempre fui muito ligada a projetos sociais. Quando conheci o Projeto Alegria, me encantei com a atuação em hospitais. Era algo que eu nunca havia feito e diferente de tudo que eu já tinha conhecido”, conta.

Ela também fala sobre a satisfação que é poder atuar como voluntária. “Doar meu tempo, minha atenção e ser retribuída com um sorriso é algo que não tem preço. Existe uma frase que gosto muito de levar nas minhas atuações: ‘Quando somos bons para os outros, somos ainda melhores para nós’, finaliza Lelaine.

Quero ser um voluntário

O Projeto Alegria não possui fins lucrativos, e nenhum tipo de vínculo político ou religioso. O único requisito é ter mais de 18 anos e vontade de ajudar o próximo.

Para fazer parte do projeto, basta enviar um e-mail para [email protected] e preencher o formulário de inscrição. A equipe entrará em contato para dar mais informações sobre a integração do grupo e sobre os treinamentos.

Serviço
Projeto Alegria
Contato: (14) 3208-2818
Site: www.projetoalegriabauru.blogspot.com
E-mail: [email protected]
Instagram: @projetoalegriabauru
Facebook: /projeto.alegria

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Letícia Pinho
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Flautista que começou em Bauru é aprovado em universidade na Suíça

Nascido em Lins, foi aqui em Bauru que a história de Lucas Martins com a flauta começou, e…