Ao longo do tempo, muitos personagens – fictícios ou não – ficaram conhecidos por conta de suas histórias envolvendo cabelo. É o caso do forte Sansão e da princesa Rapunzel, por exemplo.

Atualmente, também são os cabelos que fazem parte da rotina da Cris Belo, terapeuta capilar. Mas a história dela na estética não começou com eles.

Do Paraná para Bauru

Cris nasceu no Paraná e começou a trabalhar na área quando tinha 17 anos. Em sua terra natal, ela fazia limpeza de pele, massoterapia e reflexologia podal. Após cerca de 4 anos, a profissional conheceu o marido, que é bauruense, e se mudou para cá.

Foi aqui que ela iniciou sua carreira como terapeuta capilar, já que começou a trabalhar em uma clínica especializada neste serviço. Ficou por cinco anos no local até o nascimento de sua filha.

Ela ficou pouco mais de um ano em casa. Após esse período, por indicação de uma amiga da igreja que frequenta, Cris foi contratada na área administrativa de um posto de gasolina da cidade. Ela cresceu na empresa e ficou lá por 10 anos.

Em 2019, quando encerrou as atividades no posto, Cris se viu perdida. Por outro lado, ela sabia que queria novos ares para sua vida profissional. “Eu tenho uma amiga que é enfermeira esteta. Ela me disse que lembrava que eu já tinha trabalhado com estética e perguntou por que eu não voltava a exercer”, lembra a terapeuta.

De volta à profissão

Ela concordou com a sugestão e decidiu voltar a estudar. Enquanto fazia os cursos de aprimoramento, percebeu que muita coisa havia mudado desde que havia deixado de trabalhar no ramo. “É ciência e saúde, muitas coisas mudaram e estão sempre se atualizando”, explica Cris.

A terapeuta imaginou que fosse precisar fazer alguma graduação na área da estética para se especializar. No entanto, descobriu que a tricologia é um curso de pós-graduação e, como ela já tinha um diploma da área administrativa, pôde apenas estender os estudos.

A tricologia é a área que estuda os fios de cabelo, o couro cabeludo e os pelos. Cris se especializou nisso e, hoje em dia, atende em seu próprio consultório.

Recursos naturais

Ela conta que as patologias ligadas aos cabelos são diversas. Muitas vezes, a presença delas pode afetar, principalmente, a autoestima das pessoas. “Elas têm vergonha de se olhar no espelho, de ter uma vida social e de sair, por exemplo”, explica.

O trabalho de Cris como terapeuta capilar consiste em garantir a reconstrução dos fios, estimular os folículos pilosos – que são as estruturas que produzem os pelos –, estabilizar a evolução das doenças e até curá-las, quando possível.

Para isso, ela utiliza recursos naturais e tecnológicos em seus procedimentos. Um deles é a argiloterapia. “Já foi comprovado cientificamente que a argila é muito promissora. Não só para a pele do couro cabeludo, mas também do rosto e corpo, por causa dos seus oligoelementos”, conta.

A argila verde é como um adstringente. Serve para tirar o excesso de oleosidade, acúmulo de sujeiras e de cosméticos que ficam impregnados no couro cabeludo. Ela também é rica em nutrientes como magnésio, zinco e selênio.

A argila branca é utilizada em quem tem a pele mais sensível ou algum tipo de alergia que impede a utilização de alguns produtos. Ela também remove a oleosidade e repõe nutrientes.

Já a argila preta é anti-inflamatória, tonificante e ajuda a fortalecer os fios, além de clarear a pele.

“Também foi comprovado cientificamente que os óleos vegetais e essenciais são ricos em ácidos graxos, vitamina E, vitamina D, cada um com a sua propriedade”, comenta Cris. A terapeuta trabalha com dois tipos de óleo vegetal – de semente de uva e de abacate.

A utilização de cada um desses elementos vai depender da avaliação feita pela profissional.

Recursos tecnológicos

Os recursos tecnológicos disponíveis no consultório de Cris também têm diversas funções. A maior parte deles é feito por meio de um aparelho chamado “stim hair”.

A eletroterapia é feita por um pente de alta frequência que é passado no cabelo. O procedimento tem ação bactericida, fungicida, cicatrizante e que estimula o crescimento do fio.

Cris também trabalha com fotobiomodulação. Este método faz a utilização de leds. Ela explica que usa as cores azul, âmbar (amarelo), verde, vermelha e infravermelha.

A terapia ilib é um laser colocado na direção da artéria radial. Ela tem ação oxidante, anti-inflamatória e potencializa, pelo sangue, todos os procedimentos que são feitos de forma local.

A profissional também trabalha com microagulhamento e dispõe de um tricoscópio, câmera que amplia a imagem quando aproximada do couro cabeludo.

Principais queixas

No tricoscópio, fica fácil identificar em quais locais a queda de cabelo é mais crítica. Essa é uma das principais queixas que chegam ao consultório de Cris. Segundo a profissional, ela pode ter uma infinidade de motivos, como má alimentação, estresse, genética ou alterações hormonais.

Até mesmo a contaminação por Covid-19 causou queda de cabelo em algumas pessoas, como indicam alguns estudos. Nesse caso, a patologia é conhecida como eflúvio telógeno. A queda dura alguns meses e depois cessa. Ela também pode acontecer após episódios de estresse severo, como a perda de entes queridos.

No entanto, em alguns casos, a queda não para e é importante procurar um profissional para uma avaliação.

A alopecia também é comum nos pacientes que procuram o trabalho de uma terapeuta capilar. Conhecida como calvície, ela pode atingir homens e mulheres, mas de formas diferentes.

“Diferente da masculina, em que o homem perde o cabelo do topo da cabeça ou das entradas, a mulher vem com uma rarefação conjunta. O cabelo começa a cair por vários lugares e você consegue ver bastante o couro cabeludo”, explica Cris.

A profissional esclarece que nem todas as patologias têm cura. O que vai definir o futuro do tratamento é a motivação da doença e os cuidados que serão tomados.

Dentro e fora do consultório

Antigamente, Cris conta que seu público era majoritariamente masculino. Hoje em dia, o quadro é 80% feminino, a maior parte de pessoas a partir dos 30 anos. O tempo mínimo de tratamento é de três meses.

“Eu faço o tratamento no consultório uma vez por semana, e ela também tem que ter produtos de qualidade em casa para continuar cuidando. O paciente deve usar cosmecêuticos ou fitocosméticos, que têm propriedades curativas e mais fortes que os cosméticos convencionais que usamos no dia a dia”, explica.

Além do acompanhamento como terapeuta capilar, Cris também indica outros profissionais para seus pacientes, como nutricionistas e dermatologistas. Durante a avaliação, ela faz algumas perguntas e, dependendo das respostas do paciente, dá orientações. “Eu falo para a pessoa procurar um médico e pedir exames de vitamina D, zinco e também hormonais, que podem influenciar na saúde do cabelo”, conta.

Outros serviços

Apesar da terapia capilar ser seu carro-chefe, Cris Belo também oferece serviços como organização de cronograma capilar, limpeza de pele e massagem relaxante.

publieditorial

Serviço
Cris Belo Terapeuta Capilar
Endereço: Rua Saint Martin, 34-9 – Jd. Aeroporto
Contato: (14) 99608-1113 (WhatsApp)
Site: crisbelo.com.br
Instagram: @crisbelo_terapeutacapilar
Facebook: /crisbeloterapeutacapilar

Compartilhe!
Carregar mais em Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

LondonEye aposta na conversação diária para obter fluência em inglês e espanhol

No começo deste mês fez 13 anos que a LondonEye aposta no método de ensino Callan para atu…